domingo, 29 de agosto de 2010

Assim até parece simples...



O FC Porto venceu esta noite o Rio Ave e após três jornadas da Liga, consegue a liderança isolada e mantém-se apenas com vitórias e sem golos sofridos, numa média de 2 golos por jogo.

O FC Porto respira confiança, tranquilidade e nível elevado de eficácia. Assim até parece simples.

Claramente mérito do FC Porto, que tem entrado nestes jogos oficiais (6 até ao momento) com o adversário muito bem estudado e com uma capacidade de mudar o esquema táctico adaptando-se às reacções do próprio adversário. Mérito dos jogadores, do plantel (mesmo com limitações de lesões, inscrições, gestão activos, etc...) e de Villas Boas, que mais uma vez demonstra estar muito atento ao jogo, incidência a incidência, alterando o esquema e substituindo jogadores, não quando os treinadores de bancada entendem, mas sim, antes, o que demonstra a atenção com que está ao jogo.

Esta noite, foi um FC Porto à imagem dos últimos jogos fora de casa (Naval e Genk). Não foi dominador, não foi arrebatador, deixou respirar o adversário, mas atacou-o nos momentos certos e manteve sempre um controlo do jogo, mesmo quando não tinha a bola em seu poder. Ou seja, o FC Porto, salvo a devida comparação, parece uma típica equipa italiana a jogar, cínica, mortífera, a defender bem, a atacar pouco mas com nível elevado de eficácia.

Não foi um jogo muito bem jogado, tecnicamente, mas tacticamente o FC Porto esteve mais uma vez muito bem, principalmente no meio campo e ataque e mais uma vez, Helton, nas poucas intervenções que teve, esteve ao mais alto nível.

Contudo, penso que o FC Porto, sobretudo na primeira parte, ficou preso de movimentos pelo esquema de 4X3X3 apresentado, isto porque Hulk encostado a uma das linhas não tem o rendimento que apresenta quando joga mais solto e Varela acabou por não ser feliz e desequilibrador, tal como o foi na Supertaça, o que acabou por limitar a acção de Falcão.
Na segunda parte, o Rio Ave abriu mais espaços e acabou por permitir ao FC Porto jogar como gosta, com mais espaço para a criatividade dos médios. Foi assim que surgiu o 2º golo, numa bela jogada que passou por vários jogadores e finalizada por Hulk.

Quanto ao árbitro, passou algo despercebido com excepção de algumas entradas mais duras, recordo uma sobre Sapunaru, com ou sem intenção, foi perigosa e lesionou o jogador e mais uma cotovelada, desta vez de Milhazes sobre Hulk, que também não mereceu acção do árbitro. O lance mais polémico acaba por ser perto do final da primeira parte, uma acção faltosa de Alvaro Pereira dentro da área. Penso que seja penalti apesar de apenas ser visível nas imagens que Alvaro Pereira não corta a bola. Contudo, antes um jogador do Rio Ave ganha posição vindo de fora de jogo.



Algumas notas para os jogadores do FC Porto:

Helton (4) – Mais uma vez, decisivo em impedir que o FC Porto sofresse golos. Poucas vezes chamado, mas sempre com intervenções de grau de dificuldade elevado. A continuar assim, será a melhor época no FC Porto.

Sapunaru (3)– Continua a não apoiar o ataque tal como faz Alvaro Pereira. Mais recatado, não comprometeu apesar de ter tido algumas dificuldades com Bruno Gama. Saiu lesionado, após ter sofrido mais uma entrada dura.

Alvaro Pereira (3) - Muito atacante como é seu estilo, mas teve algumas dificuldades para defender ao mesmo nível que lhe é habitual. Aparentemente cometeu uma falta dentro da área num lance que se precipitou na forma como entrou à bola.

Maicon (3) – Juntamente com Rolando, não tiveram muito trabalho, contudo nota-se alguma intranquilidade da dupla que não aconteceu em outros jogos.

Rolando (3) – Sente-se nos últimos jogos alguma intranquilidade que pode estar relacionada com a contratação de Otamendi e a exibição menos conseguida no jogo com o Genk no Dragão, contudo não comprometeu apesar de juntamente com Maicon ter permitido alguns remates perigosos do adversário.

Fernando (4)– Mais uma boa exibição. Acima de média. Está em todo o lado. Este ano junta à força alguma técnica e acções ofensivas. Excelente.

Moutinho (3) – Não está a ter um papel de destaque na equipa tal como tinha no Sporting. Claramente no Sporting carregava a equipa, aqui, é mais um num meio campo de grande qualidade. Nota-se igualmente que tem um papel mais defensivo e prova de como está a cumprir e bem é a ausência de destaque em terrenos mais ofensivos. Cada vez mais um 8 e menos um 10.

Belluschi (3)– Tem subido de produção nos últimos jogos. Para além de já ter marcado 2 golos esta época, e logo 2 grandes golos, demonstra mais confiança desde o jogo da Naval, onde claramente não esteve nada bem. A concorrência aperta e parece que está a ser saudável e com benefícios para a equipa. Boa visão de jogo, bom toque de bola. Pena que no esquema de 4X3X3 ainda se preocupe com tarefas defensivas. Este é mais um jogador que no esquema de 4X4X2 terá mais rendimento.

Hulk (4)– Força, técnica, explosão e eficácia. Desta vez não marcou de bola parada, mas apareceu muito bem no centro da área, à ponta de lança, para marcar o 2º golo. É o jogador que faz a diferença. Pena que continue em momentos do jogo encostado às linhas.

Varela (3) – Muito apagado na primeira parte. Melhor na segunda parte, sobretudo pelo lance do golo. Muito longe do Varela sem ritmo do jogo da supertaça. Nota-se alguma apatia e falta de rapidez nos dribles.

Falcão (3) – Pouco interventivo no jogo, mas mais uma vez, derivado da ausência de solicitações por parte dos extremos. Esteve na luta, sabe guardar a bola e hoje não marcou, mas é do tipo de jogador que amanhã, pode marcar 2 ou 3 golos num só jogo.

Fucile (3) –Mais uns minutos em campo, por força maior, mas já ninguém acredita que não vai ficar no plantel. Villas Boas está a apostar nele, e com a previsível lesão de Sapunaru, deverá ser a primeira opção dentro em breve. Nota-se que falta ritmo e é normal. Ainda assim, não comprometeu.

Souza (3) – Parece ser opção para quando o FC Porto pretende segurar o meio campo. É um jogador que tem características que permitem jogar em várias posições do meio campo, contudo, a que tem jogado menos é na posição 6, curiosamente, a posição para que foi contratado. Penso que deveria ganhar rotinas nesta posição, pois o FC Porto tem jogadores mais completos para jogar à frente de Fernando.

Cristian Rodriguez (2) - Poucos minutos em campo, claramente para sentir a atmosfera do jogo e para adquirir motivação e confiança. Está ainda muito longe do Rodriguez da primeira época no FC Porto. Não se entende as lesões que tem tido, ora está bem, ora está lesionado. Um caso para acompanhar mais de perto. Mas com Varela em menor produção é muito importante aparecer alguém com condições para equilibrar o ataque, juntamente com Hulk e Falcão.

Era muito importante fechar este ciclo com vitórias e o FC Porto conseguiu, tal como Villas Boas referiu no flash interview. Vêm aí novo ciclo de 6 jogos, teoricamente mais complicados e com a Liga Europa pelo meio, mas penso que até seja benéfico para o FC Porto, que demonstra muita vontade em jogar à bola e sobretudo na Liga Europa impor-se como candidato à conquista.



Última palavra para os adeptos, que ou muito me engano ou foi a maior romaria de adeptos portistas a Vila do Conde. Na transmissão televisiva, até parecia que estávamos no Dragão. O FC Porto merece este apoio contínuo e em massa, quer no norte mas sobretudo quando viajar para sul.


Tempo agora para uma pausa de competição, onde Villas Boas terá oportunidade de trabalhar com menos pressão dos jogos, as suas ideias e integrar os jogadores novos, pois apenas Moutinho tem aparecido em todos os jogos oficiais do FC Porto.

Ricardo Jorge

6 comentários:

ultrafcporto disse...

O nosso FCP não começou esta partida da melhor maneira, mas acabou por terminar gerindo e muito bem o resultado. Achei o Varela um pouco cansado, e um Hulk que continua um pouco guloso, mas com um pulmão a 100%.

Cumprimentos,
ultrasfcportomatosinhos

Jorge disse...

Chegamos à primeira paragem do campeonato em primeiro lugar com três vitórias em três jogos. Podemos não estar a ofuscar as outras equipas com a qualidade do nosso futebol, mas acima de tudo estamos a ser práticos e eficazes. É isso que se pede a uma equipa que está em construção, que vá ganhando para continuar a crescer e a melhorar o entrosamento entre elementos e sectores.

Abraço,
Jorge
Porta19

Carla Correia disse...

Em termos exibicionais ainda não apresentam aquele brilho que gostariamos, mas acima de tudo têm sido eficazes. Ainda não temos nenhuma derrota este época em jogo oficiais, e com Helton na baliza ainda não sofremos nenhum golo. O apoio tem sido grande, onde quer que a equipa jogue, e isso motiva ainda mais. Esta pausa vai fazer bem. O Varela, realmente, parece cansado, e temos alternativas viáveis no banco para que ele possa recuperar.
O que interessa agora é continuar a senda de vitórias e mantermo-nos lá à frente na tabela, sozinhos.

Saudações portistas,

DF

dragao vila pouca disse...

Primeiro ciclo concluído com nota muito positiva.

Frente a uma boa equipa, que ninguém tenha dúvidas, o F.C.Porto entrou bem, dominou e se não foi muito perigoso no último terço, foi claramente superior durante toda a primeira parte, com excepção dos 10 minutos iniciais, em que o jogo foi equilibrado e os últimos 5, em que perdemos concentração, relaxamos, deixamos de marcar, controlar e o conjunto orientado por C.Brito arrebitou e teve alguns lances de perigo, mas sem por em risco a baliza de Helton. Pode-se dizer, sem exageros clubísticos, que ao fim dos primeiros 45 minutos, sem ser exuberante, sem deslumbrar, o F.C.Porto chegou ao intervalo a vencer com justiça e pelo resultado certo.

Na etapa complementar não entramos bem, não dominamos, fomos, em alguns momentos, complicativos, conformados, deixamos correr e quando chegamos ao segundo golo, um hino ao futebol, concluído por Hulk, tinhamos feito pouco para ter dois golos de vantagem. Com a vitória a desenhar-se e o Rio Ave a arriscar tudo, apelando a um futebol directo, o conjunto de Villas-Boas teve algumas dificuldades, não controlou, não pressionou, não jogou bonito, mas defendeu bem - apenas por uma vez, a equipa vilacondense podia ter marcado, através de Yazalde -, foi eficaz e podia, tivesse Hulk e a equipa, atrevo-me a dizer, mais frescura, ter dilatado a vantagem, o que a acontecer, seria injusto para a equipa do Rio Ave.

Chegamos ao fim do primeiro ciclo, seis jogos oficiais, totalmente vitoriosos, com 15 golos marcados, apenas 2 sofridos, Supertaça conquistada, entrada na Fase de Grupos da Liga Europa e estamos na liderança do campeonato - Liga Zon/Sagres. Não se podia pedir mais ao conjunto de Villas-Boas, nem ao treinador do F.C.Porto, que a cada dia que passa vai surpreendendo, pela positiva, os mais cépticos com um discurso correcto, à Porto e uma equipa que sabe o que quer e para onde quer ir.

Não ganhamos nada, é verdade, mas já demos mostras que temos gente com capacidade, para lutar por todos os objectivos, principalmente pelo objectivo número 1 da época, a reconquista do título.

Um abraço

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Ontem não fizemos um jogo deslumbrante, o que não impediu que tivéssemos sempre o adversário controlado e dominado. Eu apostava na entrada inicial de Ruben, para actuarmos em 4-4-2, face à valia do meio campo vilacondense, contudo Fernando, que encheu o campo novamente, Moutinho e Belluschi estiveram muito bem, e ganharam a batalha no miolo.

Adivinhavam-se dificuldades no terreno do Rio Ave, que até nem entrou mal no jogo.
Todavia, a forma agressiva e pressionante como o nosso meio campo actua, a juntar à disponibilidade para lutar pela bola do trio ofensivo, fez com que depressa controlasse-mos o jogo, e sempre que metíamos velocidade criávamos dificuldades ao Rio Ave. Marcamos com naturalidade ... assim tudo parece simples!
Tirando os últimos minutos na primeira parte, o Rio Ave pouco ou nada incomodou. Mas aí apareceu um Helton ao melhor nível, sempre seguro e a dar tranquilidade à defesa.
Aquele erro de Alvaro, que ontem acusou o cansaço natural de muitos jogos, poderia ter dado a possibilidade de empate aos vilacondenses, mas da maneira que o FC Porto está a jogar, de nada serviria pois ganharíamos o jogo.
Ganhamos um homem para as bolas paradas: Belluschi tem estado muitissimo bem, e cada bola parada apontada por ele ou Hulk representam uma ameaça à baliza adversária.
Falcao lutou imenso na frente de ataque, participou na jogada fantástica, ao primeiro toque, que deu o nosso segundo golo.
Varela esteve melhor que nos últimos jogos, fazendo assistência para golo.
De lamentar a lesão do azarado Sapunaru, que dá muita consistência à nossa defesa.
Os nossos defesas centrais ontem não comprometeram. O Rio Ave tirando aqueles últimos minutos na primeira parte, nunca teve oportunidade de incomodar.
Foi uma boa vitória num campo muito díficil. Desenganem-se aqueles que pensam que vai ser fácil vencer nos Arcos. O Rio Ave tem uma excelente equipa, com um misto de experiência e irreverência, muito bem orientada por Carlos Brito.
Espero que a paragem do campeonato não nos traga perde de ritmo, e que voltemos fortes para vencer Braga e Nacional, dois jogos muito importantes, que poderão servir de ponto de partida para uma boa época, que nos permita conquistar aquilo que por meios travessos nos foi roubado: o ceptro de campeões nacionais!

Abraço

Paulo

Dragaopentacampeao disse...

O FC Porto ainda não apresenta um futebol cativante, contudo, joga para ganhar e com maior ou menor dificuldade vai conseguindo atingir os objectivos traçados: seis jogos, seis vitórias! (liderança isolada da Liga, qualificação para a fase de grupos da Liga Europa e o primeiro troféu da época - Supertaça).

É verdade que ambiciono uma equipa que consiga juntar aos resultados as boas exibições.

Sei que é necessário tempo para a completa assimilação dos novos processos e ideias. Enquanto isso não acontece que os objectivos se vão cumprindo.

Um abraço