sábado, 30 de outubro de 2010

Aprovado e com 20 Valores...

Foi de forma exemplar que o FC Porto passou neste exame. Exemplar pela determinação, força, espírito de entre ajuda, qualidade e uma excelente capacidade de drenagem da água.

Este jogo não tem grande história, até no futebol de praia, sem bola corrida, conseguimos ver bons jogos de futebol. Hoje não, porque simplesmente quem decidia se havia condições ou não para se jogar, não queria que se jogasse futebol. Só quem é muito ingénuo é que não percebe que estavam reunidas as condições ideais para o FC Porto perder pontos, perder jogadores por lesão, perder jogadores pela irritação da única equipa que tinha interesse em jogar à bola, ora não fosse o próximo jogo frente ao Benfica.

E dizer que Duarte Gomes é de Lisboa é uma grande injustiça e falta de bom senso. Quem não se lembra do episódio de provocação do mesmo árbitro em Alvalade, com o treinador de guarda-redes do Sporting?

É simples... qual o clube e adeptos que estiveram atentos a este jogo, deliraram com a lesão de Fernando e sonharam até ao fim com um possível empate?

Voltando ao futebol, ao melhor à tentativa de jogar futebol, o FC Porto partilhou o domínio na primeira parte com a Académica e na segunda parte basta dizer que a Académica só rematou 1 vez e foi já perto do final, no tal livre que a bola embateu no barra. Portanto a sorte que o FC Porto teve neste lance foi a mesma que a Académica teve no lance do penalti que Moutinho falhou.



É igualmente anedótico, ver o capitão da Académica dizer que o FC Porto não mereceu ganhar. É hilariante queixar-se de um penalti na primeira parte. E no final do jogo, sinceramente não percebi o que se passou, esperar para ver a critica escrita o que vai inventar.

Agora o que se passou, sobretudo na primeira parte, foi um conjunto de faltas por marcar a favor do FC Porto e outras que marcou a favor da Académica que não existiram, curiosamente, no período de jogo que a Académica teve ascendente.

Villas Boas e o FC Porto correram um risco elevadíssimo ao jogarem este jogo, poderiam e na minha opinião deveriam recusar a jogar a 2ª parte. A Liga que decidisse... corremos o risco de perder um jogador com lesão grave e quando digo grave, digo meses... e poderíamos, caso a Académica marcasse, não conseguir voltar a marcar (alguém acredita que a Académica se marcasse um golo que faria o que o FC Porto fez na segunda parte, mesmo estando a ganhar?).

Mas agora que o jogo terminou e o FC Porto ganhou, respiramos fundo e achamos que foi a melhor opção, mas poderia ter sido um desastre, daqueles provocados.

Até a TVI interrompeu a transmissão algumas vezes, presumo derivado às rajadas de vento e chuva forte... mas parece que apenas o árbitro estava como peixinho na água!

Villas Boas apresentou a equipa tipo de inicio, mesmo com o mau estado do relvado optou por Belluschi, teoricamente seria o mais inadaptado em detrimento de Guarin. Mas é precisamente este jogador que destaco pela excelente exibição que fez, pela forma que se adaptou ao terreno, pelo posicionamento e a tranquilidade e qualidade que colocou em muitos dos lances.

E se no meio campo, mesmo com a entrada de Guarin, o FC Porto esteve a um nível muito elevado, já a defesa manteve quase sempre a concentração e eficácia, destacando Sapunaru, Alvaro Pereira e sobretudo Maicon, que provavelmente foi o jogador que cortou mais bolas na defesa.
O ataque não poderia ter feito muito mais do que fez. Varela na grande oportunidade do jogo marcou, Hulk e Falcão combateram e conseguiram criar lances de golo. Mais do que isto, para jogadores tão tecnicistas é impossível.
Villas Boas esteve ao nível dos jogadores que tem. Soube motivar e encorajar a equipa ao intervalo, para uma segunda parte de grande nível, soube perceber a altura certa para colocar Otamendi e reforçar o sector defensivo, claramente um jogador para estas condições de jogo e soube recolocar a equipa em campo quando passou de 4X3X3 para 4X4X2 e já no final para 4X5X1, com a entrada de Rodriguez para a saída de Falcão.


Boa noticia no flash interview, foi quando Villas Boas disse que à partida a lesão de Fernando não é tão preocupante como se previa.

Análise ao jogo de André Villas-Boas



A questão que se coloca é se algum dos jogadores em campo tivesse contraído uma lesão grave neste jogo, quem assumiria as responsabilidades da irresponsabilidade de permitir que este jogo se realizasse?

Este jogo, tal como o jogo de Guimarães ficarão para mais tarde recordar como decisivos na caminhada para o 25º título de campeão nacional.

Ricardo Jorge

7 comentários:

Armando Pinto disse...

Apesar das tentativas de prejudicar o F. C. Porto, obrigando à realização do jogo naquelas condições impraticáveis, o Porto venceu em Coimbra e manteve a distância dos mouros, mostrando que, apesar do que eles querem fazer crer, o Porto é que faz pressão sobre eles, porque não perde como eles tanto queriam...
Ridículas as afirmações do Jorge Costa e dos futebolistas da Académica, no final do jogo; mas se dos jogadores ainda se entende, porque dos que mais se mostraram lixados bem se sabe que simpatizam com a mouraria, já o Bicho mostrou que é um ingrato e esquecido do seu percurso, demonstrando nunca mais merecer qualquer simpatia da malta do Porto. Pelo menos para mim, embora sem esquecer o que foi quando jogador, mas sem qualquer admiração como treinador espalha-brasas e antipático.
Grande vitória do FCP e agora venham os gayvotas para os arrumarmos de vez!!

penta1975 disse...

subscrevo, na íntegra, a análise ao jogo. muito bem mergulhado no assunto, por assim dizer ;)

saudações PENTAcampeãs!

Tomo I

dragao vila pouca disse...

Vejo futebol há mais de 40 anos e nunca vi um jogo ser disputado nas condições em que foi disputado o Académica/F.C.Porto. Ou melhor, vi um, mas foi interrompido ao intervalo, o F.C.Porto/Anderlecht no ano de 1978. Que o futebol é um jogo de Inverno, é verdade, mas tem de ser disputado num terreno de jogo em condições mínimas. E hoje, no Municipal de Coimbra, o campo estava impraticável, sem as mínimas condições, parecia uma piscina, que a cada lance colocava em perigo a integridade física dos jogadores. Saiu a lotaria à equipa portista, é verdade, mas também é verdade que o estado do terreno prejudicou mais o conjunto de André Villas-Boas, mais tecnicista, com um futebol mais apoiado, mais trabalhado e que atacava mais na procura da vitória. Somos uma boa equipa de futebol, mas e hoje ficou claramente demonstrado, não somos uma boa equipa de Pólo Aquático.


Ganhamos, era o mais importante, porque é ganhando estes jogos que se ganham campeonatos, mas mesmo tendo ganho, não posso deixar de colocar algumas perguntas: porque se realizou o jogo naquelas condições? Porque deixou Duarte Gomes que o jogo se efectuasse, com o campo num estado que não permitia que a bola rolasse, propício a choques, que poderiam resultar em lesões graves? Não terá Fernando sido vítima, das circunstâncias em que se realizou o encontro? O que esperava o juíz de Lisboa, ao permitir que o jogo se realizasse? Tenho uma teoria, mas o futebol precisa de tranquilidade, de paz e por isso não digo, o que me apetecia dizer, sobre as razões que levaram o moranguito sem açucar, a não adiar o jogo.

Como entendo que o jogo não se devia ter realizado, não vou falar de mais nada, nem sequer da monstruosa exibição de Belluschi, nem do belíssimo golo de Varela que valeu os 3 pontos, mas não posso deixar de dizer e para terminar, que bicada de bicho não faz mossa.

Um abraço

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Foi uma vitória de garra e luta!
Foram bravos os nossos jogadores.
Belluschi, Varela, Moutinho, Guarin e Alvaro foram uns guerreiros!
Pena as 4 oportunidades de golo claro falhadas na segunda parte (uma delas o penalti).
Poderíamos ter vencido tranquilamente o jogo.
O relvado estava impraticável, a bola não rolava, havia perigo para a integridade física dos jogadores (Fernando saiu lesionado), e o árbitro poderia e deveria invocar a Lei 5, e parar o jogo temporariamente, suspendê-lo ou interrompê-lo definitivamente por razões de interferência de acontecimentos exteriores (chuva intensa que levou ao mau estado do relvado).
Felizmente tudo correu bem e vencemos!

A Liga tem de repensar estas autorizações para a realização de concertos musicais, no decorrer da época desportiva.

O central Orlando devia estar com o cérebro encharcado de água, quando afirmou «A vitória do F.C. Porto não é justa»
Este gajo ou é burro ou mouro... e desculpem a redundância!
O FC Porto teve 4 oportunidades de golo "cantado" na segunda parte.
A Académica limitou-se a enviar já em tempos de descontos uma bola à barra de livre directo!

Duarte Gomes fez uma péssima arbitragem. Na primeira parte não nos deixou jogar. Marcou faltas inexistentes contra nós, e deixou por marcar outras a nosso favor.
Penso que o golo é mal anulado ao Falcao.
Senão fosse o fiscal de linha teria ficado por assinar aquela grande penalidade evidente.
Quanto à alegada grande penalidade cometida por Maicon é inexistente. Maicon tem os braços junto ao tronco, e a bola do peito ressalta ao ante-braço.

O FC Porto foi um justo vencedor, pois lutou mais num relvado deplorável, e foi a equipa que mais procurou vencer a partida.

Abraço e bom fim de semana

Paulo

P. Ungaro disse...

Bom Dia,

Antes de maisacho que o jogo não se devia ter realizado. Foi provavelmento dos piores jogos que ja vi. Provavelmente o arbitro achou que talvez fosse uma forma de nos limitar. Para alem do golo anulado e por ai fora.
Do jogo em si extraio mais uma vez a vontade de ganhar a raça e a entrega de todos, porque jogo jogado não houve.

Um abraço

http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com/

Dragaopentacampeao disse...

O FC Porto demonstrou toda a sua força e classe, mesmo em condições adversas para a prática do futebol.

Este jogo trouxe-me à lembrança a fantástica epopeia de Tóquio, em Dezembro de 1987. A final da Intercontinental disputada sob um manto de neve!.

Pois bem, na neve, na água ou num belo relvado, os Dragões mostram a sua raça.

Vitória mais que justa e até escassa face às oportunidades desperdiçadas.

O meu destaque vai para o enorme espírito de sacrifício, de entreajuda e do querer vencer, que todos os jogadores portistas evidenciaram, demonstrando fibra de campeões.

Um abraço

Tripeiro disse...

É verdade, é com estas vitórias que se ganham campeonatos!

Três pontos preciosos para o nosso FC Porto, num terreno impraticavel para se jogar futebol, com um arbitro ladrão a apitar só para um lado e com os incasáveis ultras portistas nas bancadas, que lá se deslocaram e deram festival na superior sul do municipal de coimbra!

Mais uma alegria!