terça-feira, 5 de outubro de 2010

Castelo ensombrado empatou Dragão

O FC Porto saiu esta noite de Guimarães com um empate a uma bola, mas não saiu de Guimarães com o estatuto de melhor equipa até ao momento minimamente beliscado.

Não será com este empate que o FC Porto não será campeão nacional. E acredito que este empate não beliscará a excelente campanha que está a ser feita.

Nem se pode falar de um jogo difícil, nem de um adversário complicado. Aliás, na antevisão a este jogo já se esperava este adversário, motivado, aguerrido, mas sem força atacante e a linha defensiva com algumas debilidades.

O FC Porto foi mais forte durante perto de 80 minutos dos 95 de tempo de jogo. Estes 15 minutos em que o Guimarães foi mais forte, traduziu-se numa sequência de lances de ataque em que um deles, foi claramente perigoso. Mas antes e depois destes 15 minutos, nem tanto, o FC Porto dominou, controlou e fez uma primeira parte, no meu ponto de vista de grande nível, ao nível do jogo com o Braga e Benfica. Com naturalidade, o FC Porto foi para o intervalo a ganhar e só não foi com mais 1 ou 2 golos porque Nilson esteve em grande nível.

Na segunda parte, o FC Porto entrou em ritmo mais lento, mas nem por isso deixou de controlar o jogo, aliás, os 15 minutos de domínio do Vitória foi na primeira parte, pois na segunda apenas registo alguns contra ataques sem perigo e o lance de golo. Mas até no lance de golo existe mais demérito do FC Porto do que propriamente mérito do adversário.

Depois do golo, o FC Porto arrebitou e até ao fim e mesmo reduzido a 10 elementos, procurou o golo de tal forma, que por momentos dava a sensação que estava a perder. Do outro lado uma equipa que parecia que era mais prudente defender o empate do que arriscar a vitória.



Será que o empate fazia parte de algum pacote e nem tanto a vitória? É constrangedor, uma equipa que joga em casa, com o público a puxar pela equipa ter defraudado os adeptos com uma postura com falta de ambição.

Algumas notas individuais para os jogadores. Pela positiva Fernando, o melhor em campo, Moutinho, grande primeira parte e Hulk, pelo golo e pelos desequilíbrios criados. Pela negativa, Fucile, muito nervoso na segunda parte, sobretudo depois do erro no golo e Varela, só não foi pior que Fucile pois não interferiu directamente no resultado.

Uma nota para Villas Boas, não se justificava aquela reacção, teria sido importante manter-se em campo e motivar a equipa. E não concordo igualmente com a forma que criticou a arbitragem. Temos 7 pontos de avanço e deveria ser com um sorriso irónico que deveria abordar a arbitragem e não mostrar algum desequilibro emocional, que será certamente explorado pela ávida comunicação social.



Não foi uma segunda parte brilhante do FC Porto, mas talvez com 11 fosse possível arriscar e vencer o jogo. Contudo, discordo de Villas Boas quando diz que a expulsão não foi correcta. É correcta sim, até deveria ser vermelho directo. O cartão amarelo da primeira parte é que é um pouco discutível.

Discutível igualmente é o lance que irá ser mostrado e relevado pela comunicação social que foi o lance de Fucile com Edgar. Sinceramente, não sei de quem é a falta. Existe sim, 2 jogadores a agarrarem-se mutuamente.

Agora o que não é discutível, é a entrada de carrinho de João Paulo a Falcão, que só mereceu amarelo, aos 72 minutos, antes da expulsão de Fucile, um fora de jogo a Falcão, aos 88 minutos e o tal lance dos 77 minutos que Villas Boas reclama, antes da expulsão de Fucile.

Este último lance não é claro, mas se virem as imagens, ao contrário do que a TVI e a SIC disse, existe sim, um jogador do FC Porto a protestar com as mãos levantadas.

Lamento sim, que a SAD do FC Porto no dia de ontem e após a promoção da divulgação das escutas, por parte dos jornais Record e A Bola, e exploradas pela TVI e SIC, que abriu o programa Tempo Extra, com excertos, repito excertos das escutas editadas à disposição no youtube, não tenha feito qualquer comentário, deixando a pressão ao árbitro do jogo de hoje, feita pelos miseráveis, sem resposta.

Ou será que pensavam que a divulgação das mesmas durante o dia de sábado e anunciadas durante o dia de domingo foi por acaso? Não foi, porque Carlos Xistra foi um dos que é falado numa das escutas e foi cuidadosamente editado na véspera de apitar o FC Porto. Dizer igualmente se o Sr. Carlos Xistra ficou chocado com o que ouviu, então não percebo o que anda a fazer dentro de campo, ou será que foi a primeira vez que foi insultado? E será que também pensou que só o presidente do FC Porto é que o insultou em toda a carreira de árbitro?

Como adepto, repito, exijo ainda mais ruído da nossa SAD do que aqueles miseráveis fazem. Temas? Supertaça, Expulsões perdoadas a David Luiz (Benfica-Académica), Cardozo (Benfica-Setúbal), Maxi Pereira (Benfica-Braga) e claro as pedradas a autocarros, incêndio a autocarros, etc... E reforçar igualmente que o penalti na Naval foi mesmo penalti. E a partir daqui, qualquer lance digno de registo, ser projectado em força.

Este ruído tem de ser feito SEMPRE. Quando ganhamos e quando não ganhamos.

Dentro de campo estamos fortes. É preciso derrotá-los igualmente fora de campo, onde eles estão a actuar em força e atirar aqueles miseráveis para o lugar que merecem.

Força Porto.

Ricardo Jorge

8 comentários:

Jorge disse...

não percebo os comentários exagerados ao trabalho do Xistra, palavra. bastava que aquela bola do Moutinho tivesse entrado e a história seria diferente...

não é nenhuma catástrofe perder dois pontos em Guimarães. os nossos rapazes lutaram pela vitória mas não a conseguiram, há que continuar a trabalhar para voltar a vencer.

quanto a Villas-Boas, excedeu-se. não pode dar motivos à imprensa para se queimas, prejudica-se e prejudica o clube. tem de ter mais calma nos pós-jogos...

um abraço,
Jorge
http://porta19.blogspot.com

dragao vila pouca disse...

É óbvio que o árbitro errou; é verdade que a transmissão da TVI é uma vergonha - não haver repetição do lance da mão Alex, é o melhor exemplo; mas só nos podemos queixar de nós próprios, na perda dos primeiros pontos.

Quem viu o jogo certamente se terá lembrado do jogo frente ao CSKA, tal as semelhanças com o jogo da capital búlgara. Mas se no jogo de Sófia conquistamos a vitória, também é verdade, que o nosso amolecimento, exactamente como hoje, podia ter-nos custado caro. Não custou, mas não aprendemos a lição e hoje voltamos a fazer exactamente a mesma coisa, voltamos a cometer os mesmos erros, desta vez, lamentavelmente, pagamos caro.
Depois de uma boa primeira-parte, em que fomos nitidamente superiores - apenas perdemos equilibrio como equipa, no lance que Toscano falhou clamorosamente... - dominamos - mais de 60% de posse de bola -, marcamos e em que apenas pecamos nos faltou contundência no último terço do campo, para matar o jogo - um golo é pouco para tanto domínio -, jà na segunda, deixamos rolar, acreditamos que estava ganho e só viriamos a reagir quando sofremos o empate. Não pode ser! Não podemos, com uma vantagem,
apenas tangencial, pensar que temos o jogo ganho. Espero que, definitivamente, a lição tenha sido aprendida e que estes adormecimentos, no futuro, não se voltem a repetir.


Conclusão: não me perturba nada que ao fim de 11 jogos consecutivos a ganhar, tivessemos empatado. Temos uma óptima vantagem e às vezes, um passo atrás, permite dar dois à frente. Não andamos em busca de recordes, mas em busca de recuperar o título e portanto, nada de desanimos, mas atenção, as coisa não vão ser fáceis, a gritaria é constante e para isso é preciso um Porto a correr, a lutar, a pressionar os 90 minutos e não um Porto apenas a querer fazer os serviços mínimos. Tiremos a devidas ilações deste jogo e toca a partir para uma nova série de vitórias consecutivas.

Um abraço

Dragus Invictus disse...

Olá bom dia,

Ontem dominamos e controlamos o Vitória o jogo todo.
O Vitória apenas teve duas oportunidades além da que deu golo.
João Moutinho e Fernando estiveram enorme no meio campo, o que nos permitiu ter controlo sobre o adversário.
Se empatamos foi por culpa própria. Uma equipa mesmo a controlar o jogo deve sempre procurar o segundo golo para matar o jogo. A partir dos 15 minutos da segunda parte, fizemos o que aconteceu na Bulgária, excedemos em demasia a confiança de que o resultado estava feito.
Só que o futebol é imprevisível e num erro defensivo do Fucile, o Vitória consegue sem saber ler nem escrever empatar a partida.
Fucile esteve muito mal ontem. Após ter levado o primeiro amarelo, sabendo que do outro lado estava um árbitro à espera de uma nesga para nos prejudicar, junto à linha lateral num encosto de braço faz demasiado teatro na queda. Teve sorte porque era mesmo falta, senão veria o segundo amarelo.
Comete um penalti na primeira parte escusado sobre o Edgar. Na segunda parte depois da asneira de deixar fugir o recém entrado marroquino, tem aquela entrada imprudente no calcanhar do adversário, o que lhe vale a expulsão, numa altura em que o Porto estava a tentar vencer a partida.
Ainda não vi o citado penalti aos 77 minutos. A reacção de AVB foi a quente. Xistra teve algumas decisões erradas, nomeadamente a não expulsão de João Paulo e alguns fora de jogo mal assinalados, como aquele em que Alvaro na primeira parte se preparava para isolar, e já nos últimos minutos aquele do Falcao.
Na primeira parte podíamos ter selado a partida, não fosse a excelente defesa de Nilson diante do isolado Moutinho.
Resta-nos levantar a cabeça, e continuar a lutar dentro do campo, e nunca mais cair do erro de pensar que o controlo do jogo é garante de vitória.

Abraço

Paulo

Armando Pinto disse...

Os mouros já estão a conseguir tirar resultados do seu trabalho de toupeiras mafiosos. Obviamente que os árbitros vêm que se forem justos lhes cai em cima a comunicação social e os próprios órgãos oficiais do futebol, tudo para ser feito os fretes ao clube do regime...
Em tempo de comemoração do centenário da República, este país (como dizia um amigo meu, num comentário no meu blog ao m/ recente post) é uma república das bananas...
Agora, também penso que a nossa equipa tem de fazer mais pela vida, pois se tivesse havido outra postura, teríamos ultrapasado essas manobras de bastidores, do péssimo e desonesto trabalho da arbitragem...
Contudo, do mal o menos, empatamos onde os galinácios perderam. E isto foi um aviso, ou deve ter servido de aviso, pois temos equipa e tudo mais para superarmos tudo isso. E vamos ser Campeões no final, por mais que custe à corja dos malandros que só jogam por fora da justiça e do bem...

http://www.longara.blogspot.com/

Dragus Invictus disse...

Anda a circular este vídeo, em que aparentemente o jogador marroquino controla a bola com a mão para fazer o empate.

http://www.youtube.com/watch?v=VcNwcMDPgIY

ultrafcporto disse...

Caros Portistas, foi uma arbitragem fraca, não esteve altura do jogo praticado por as duas equipas, a equipa do fcp também não está isenta de culpas neste empate que só acontece porque foram “anjinhos”, depois do golo houve um bom período que adormeceram completamente, atitude que não compreendo e nem vejo motivos para que isso acontecesse, visto que o Guimarães em nada foi melhor que nós, à excepção de 2 lances perigosos. Mesmo com 10 jogadores em campo fomos superiores, em relação ao Fucile teve uma atitude parva e irresponsável, tanto no golo como na expulsão. O mister AVB teve uma atitude semi-parva, teve muito bem a defender a honra da sua dama, mas com atitudes demasiado exageradas. Mas já diz o ditado quem não se sente, não é filho de boa gente.

Cumprimentos,
Ultrasfcporto

Dragaopentacampeao disse...

Em alta competição a eficácia é um dos factores mais importantes. O FC Porto criou neste jogo oportunidades para vencer confortavelmente. Apenas concretizou uma.

Os erros também se costumam pagar caro. Mais uma vez se confirmou, quer no golo sofrido quer mesmo na expulsão. Embora considere que o primeiro amarelo a Fucile é injusto porque o uruguaio joga a bola, já no segundo é merecido. A imprudência do defesa ao entrar daquela maneira, sabendo que já estava amarelado é de bradar aos Céus!

Foi uma exibição na linha das anteriores, com excepção para o jogo da Supertaça e do jogo frente ao Braga, em que o FC Porto jogou muito mais.

Há jogadores que começaram muito bem e que têm vindo a perder fulgor (A. Pereira,Belluschi e Varela). Creio que está na hora do treinador tomar medidas.

Quanto ao Xistra, ainda que considere que esteve ao seu habitual nível, não o podemos responsabilizar por este empate. Perdoou-nos uma grande penalidade cometida por Fucile (ele outra vez!) e não consigo vislumbrar o tal penalty que terá custado a expulsão de André Villas-Boas. De acordo com a informação de Rui Cerqueira, na Conf. de Imprensa o lance ter-se-à desenrolado aos 77' e 53''.

Tenho o jogo gravado, já revi várias vezes e não é perceptível qualquer irregularidade. Nem sequer o esboço de qualquer reclamação dos jogadores portistas.

Empatamos, perdemos dois pontos, mas continuamos na frente com uma vantagem confortável.

Não percebo a necessidade do tipo de reacções que o treinador protagonizou no final. Acho que elas são dignas daqueles que asperamente criticamos.

Um abraço

Anónimo disse...

Ontem empatamos não por culpa do arbrito mas por nossa culpa. Deixemo-nos de falar que somos sempre os prejudicados e que toda a gente nos quer cair em cima.Tinha-mos o passaro na mão mas deixamo-lo fugir por culpa da displicênçia demosntrada após o 1ºgolo,e já não é a primeira vez que a equipa adormece a sombra do 1 a zero,temos de manter a mesma intensidade durante os 90 minutos.Não á dramas por este empate com sabor a derrota,temos é de aprender a ser mais consistentes e que não existem equipas invençivéis.A atitude do AVB de culpablilização do arbrito é ridicula e esta semana vamos ser enxovalhados por isso,ele devia ter mantido a compostura.
Agora como dizia um grander senhor o próximo que vier vai pagar as favas.Força FCPORTO