sábado, 27 de novembro de 2010

Falta de ambição e arbitragem desastrosa dá empate

Numa análise distante das incidências do jogo este empate acaba por ser um resultado positivo, uma vez que às 12º jornada, empatar com um dos candidatos ao título, em sua casa e tendo 10 pontos de avanço para o segundo.

Mas este jogo fica claramente associado à falta de ambição do FC Porto e à desastrosa arbitragem de Jorge Sousa, aquele que se diz que pertence à claque do FC Porto.

De resto quanto à outra equipa em campo, dizer que conseguiu ganhar motivação enquanto era empurrada para tal. Quando um candidato ao título, em sua casa, marca o seu único golo de forma irregular e contra 10 não conseguiu pressionar nem ter ocasiões de perigo é caso para se dizer que foi mero espectador no duelo FC Porto e equipa de arbitragem.

Ainda sobre o Sporting, todo o país deverá ficar atento ao que os seus dirigentes, por norma os donos do fair play, da verdade desportiva e que têm os adeptos mais bem comportados, têm a dizer sobre as maças que quer de um lado quer do outro, maças de tonalidade verde que fica a dúvida se o objectivo era que fizessem mais mossa ou simplesmente para que ficasse bem com as cores de quem as enviou, choveram em campo.

O FC Porto entrou em campo com 1 novidade, Rafa e com a inclusão de Fernando no onze inicial. Penso que Villas Boas cometeu aqui 1 erro grave. Rafa acabou por justificar a aposta, não comprometeu, mas Fernando foi a unidade em foco pela negativa na primeira parte. Aparentemente muito confiante valeu-lhe um conjunto de passes errados, alguns deles causadores de perigo para a defesa portista. Ora, para um jogador que se tem destacado pelo inverso, é caso para dizer que não estava nas melhores condições. Neste caso, Villas Boas deveria ter optado por Guarin.

Ainda assim e numa primeira parte com mais bola do Sporting, ainda que sem perigo, o jogo começou a ficar marcado por entradas sistemáticas sobre João Moutinho, com a permissibilidade de Jorge Sousa. E tal foi o mau jogo na primeira parte, parte a parte, que o único golo só podia surgiu num lance irregular.

Claramente o FC Porto, com uma atitude muito passiva, com o meio campo a perder bolas e a não conseguir lançar o ataque, entregou o jogo ao adversário, que é como se diz, deu 45 minutos de avanço ao adversário.

Na segunda parte tudo mudou, o FC Porto entrou forte, mais pressionante e até aos 68 minutos dominou o jogo e sentiu-se sobretudo após o golo de Falcão, que a vitória não iria escapar. O Sporting, tal como aconteceu frente ao Vitória de Guimarães bloqueou mas desta vez o árbitro continuou a dar uma ajuda.



Aliás, Jorge Sousa demonstrou claramente que nem tecnicamente nem disciplinarmente esteve à altura de um clássico, erros atrás de erros, não impôs respeito, perdeu o controlo do jogo ao não mostrar mais cedo uma série de amarelos e se não fosse a tranquilidade de ter 13 pontos de avanço, muito provavelmente o FC Porto teria mais jogadores expulsos.

Fala-se tanto da arbitragem escandalosa do Vitória Guimarães-Benfica, mas nenhum dos 3 lances apontados teve influência tão directa no resultado como o caso de um golo irregular validado e uma expulsão cuja falta não existiu. O que terá Victor Pereira a dizer sobre isto?
A partir dos 70 minutos terminou o jogo. O que se assistiu foi a um Sporting à imagem do que tem mostrado este ano, incapaz, lento, sem qualidade de jogo, perdido, face a um FC Porto com 10 elementos, e um FC Porto que percebeu que era preciso segurar o meio campo e quem sabe num lance individual poder surpreender o adversário.

Face à falta de ambição o FC Porto acaba por ser penalizado com um empate, resultado que bem que poderia ser diferente, se o FC Porto tivesse entrado na primeira parte como entrou na segunda.
De destacar nesta equipa do FC Porto, a defesa do FC Porto, foi suficiente para este Sporting e claro Hulk e Falcão, que construíram o lance do golo.



Pela negativa, Fernando, que não deveria ter sido titular, Belluschi que nunca conseguiu segurar a bola e ser o tal elemento criativo do meio campo, Varela, que tal como Fernando mostrou que não estava em condições e Villas Boas, pela expulsão e pelo facto de ter apostado em Fernando e ter retirado Varela, a não ser que o jogador não estivesse a 100%, prematuramente e no momento que estava mais activo do que tinha estado na primeira parte.

Mas a critica é construtiva, Villas Boas tem esse espírito e certamente percebeu que não se tira jogadores do onze que estão bem e coloca-se outros pelo estatuto que têm na equipa. Desta vez deu empate, mas podia ter corrido pior, caso o adversário fosse bem mais forte do que este.

Declarações de Villas-Boas:



Última nota para os adeptos que estiveram em bom número em Lisboa a apoiar o FC Porto.


Clica nas partes a negrito para visualizar os vídeos.

Força Porto.

Ricardo Jorge

6 comentários:

Armando Pinto disse...

Depois do Sporting - F. C. Porto: Manteve-se a distância pontual entre os dois contendores e o Porto segurou o primeiro lugar com grande distância, como, sobretudo, conservou a invencibilidade.
Pese o empate ser o mal menor, para ambos os clubes que estiveram em compita neste Sporting-Porto, ficou contudo um sabor sem paladar pela forma como aconteceu, atendendo a que o golo do Sporting foi obtido em posição de fora-de-jogo, e, assim sendo, a arbitragem teve influência no resultado... além de uma escandalosa dualidade de critérios patenteada em não ter expulsado directamente um atleta, Maniche, do Sporting, que praticou uma autêntica agressão vista por todo o mundo, enquanto do outro lado da barricada pôs o Porto a jogar com menos um elemento, após o artista do costume, Liedson, se ter lançado para o chão ao sentir um ínfimo contacto... Só que, apesar de o F C Porto ter ficado em inferioridade numérica, demonstrou superioridade em valor e querer até ao fim, acabando a contenda sem que os lisboetas conseguissem os seus intentos e os Portistas continuem no cimo do pódio deste Campeonato da Liga Portuguesa.
Mais, depois da celeuma anterior que animou o cenário... Moutinho teve interferência directa, perante uma boa exibição e assistência no golo - em jogada saída dos pés precisamente de João Moutinho para Hulk e deste para a entrada vitoriosa do goleador Falcão...!

http://longara.blogspot.com/

Orgulhoazulebranco disse...

Baaaaah detesto empates,mas foi só o segundo em 12 jogos,sendo que o resto acabou sempre em tons de azul,menos mal,então,que o sporting para mim não é candidato ao título coisíssima nenhuma(nem clube "grande")mas transcende-se a jogar em casa contra nós.

Faltou mais garra,mais atitude,mais determinação(e a ser roubados ainda pior!).Só as tivemos desde o início da 2ª parte até à expulsão do Maicon.Acredito que se não tivesse sido essa expulsão ridícula o resultado seria outro,o Porto estava claramente por cima e a ganhar embalagem.Depois,foi tomar a opção mais sensata - segurar o empate.

Pode ser que esta pequena e provável perda de pontos sirva para reanimar de vez a equipa,que já tenho saudades de uma vitória aliada a uma boa exibição.

Gaspar Lança disse...

Jogo fraquinho, o de ontem. Valeu o golo de Falcao, e se não fosse a expulsão o jogo poderia ter um rumo diferente.

Um abraço.

Dragus Invictus disse...

Boa tarde,

Ontem o empate arrancado pelo FC Porto, é mal menor, depois de analisadas as incidências do jogo, e a péssima arbitragem que nos prejudicou de forma evidente.

Ao Sporting temos de dar o mérito de ter manietado Hulk e Varela na primeira parte, fechando bem as alas, demonstrando-se melhor do ponto de vista de agressividade.

Tivemos contudo, a primeira grande oportunidade do jogo por Falcao.

Mas esta agressividade, e capacidade de ganhar as segundas bolas, nunca se traduziu em perigo, e o Sporting apenas teve na primeira parte um tímido remate perigoso à barra por Pedro Mendes.

O Sporting chega ao intervalo em vantagem fruto de um golo em fora de jogo mais que evidente, dos mais fáceis de tirar, e que só um fiscal de linha distraído ou incompetente, deixa passar em claro.

Não se percebe a agressividade dos ex-companheiros de Moutinho, sobre o seu ex-capitão. Na primeira parte muitos amarelos ficaram por mostrar e talvez duplos amarelos.

O Porto na segunda parte, entrou disposto a mudar o jogo e em poucos minutos criou mais uma oportunidade por Falcao, e a seguir noutra ocasião empata justamente o jogo.

Senti nessa altura que íamos vencer o jogo, estávamos nitidamente por cima do Sporting, que estava a ter grandes dificuldades em deter o nosso ataque.

Mas eis que aparece mais um erro clamoroso de arbitragem, com a expulsão de Maicon.
Se o contacto físico que Maicon tem sobre Liedson é para falta, bem mesmo amigos, deixa-se de poder jogar futebol. Foi uma disputa normal de bola com um mergulho típico de Liedson.

Este mesmo árbitro que dizem que é portista, não viu minutos antes uma agressão barbara de Maniche a Moutinho, que a acertar com pé firme na relva, lhe partiria a perna.

Todavia, esta arbitragem que nos prejudicou, não iliba a nossa equipa que não soube libertar-se do colete na primeira parte, como o fez na segunda.

Destacaram-se individualmente, Falcao, Hulk, Moutinho e toda a defesa, incluindo o Rafa, que teve uma estreia muito positiva.

Destaque para os milhares de portistas que apoiaram mais uma vez a equipa.

Abraço

Paulo

AZUL DRAGÃO disse...

..."Aliás, Jorge Sousa demonstrou claramente que nem tecnicamente nem disciplinarmente esteve à altura de um clássico, erros atrás de erros, não impôs respeito, perdeu o controlo do jogo "...


O que é verdade !

Dragaopentacampeao disse...

Jogo do FC Porto com duas faces. A primeira correspondeu a um FC Porto expectante, dando a iniciativa ao adversário. Pouca agressividade, nenhuma dinâmica, pouca velocidade, incapacidade de progredir no terreno, que durou praticamente toda a primeira metade do encontro, onde Falcao podia ter sido o primeiro a marcar, logo aos 9'.

A segunda, com uma nova atitude, a de campeão, que empurrou o Sporting para a sua área. Criou oportunidades de golo e marcou mesmo.

Depois da expulsão de Maicon, AVB teve de fazer ajustes à equipa e ao objectivo. Defender foi a palavra de ordem.

Resultado possível face a uma arbitragem inclinada!

Um abraço