terça-feira, 1 de março de 2011

Atletismo * Os atletas "lusos" do Sr. Fernando Mota

Em 22 de Setembro de 2010, como todos se recordam, o FC Porto decidiu suspender a histórica secção de atletismo devido à actuação “ilegal, intolerável e indecorosa” do presidente da Federação Portuguesa de Atletismo (FPA), Sr. Fernando Mota.

A FPA alterou os regulamentos, e segundo Fernando Mota, o “ FC Porto podia inscrever atletas comunitários mas que não podia participar nos campeonatos nacionais.”... Ridículo!!




Esta alteração nos regulamentos prejudicou gravemente o FC Porto, que havia se sagrado campeão nacional no sector feminino, de pista coberta e ao livre , após 15 anos de domínio do Sporting, e que iria participar na Liga dos Campeões desta época. 
O FC Porto investiu forte para quebrar a hegemonia leonina, contratando as lituanas Kris Saltanovic , Natalja Cakova, Lina Grincikaite, Egle Balciunaite, e a letã Ineta Radevica, (única letã a conseguir uma medalha em Jogos Olímpicos).

Segundo Fernando Oliveira (responsável pela secção no clube) “entretanto, o FC Porto já tinha contratado quatro atletas para a nova temporada e perante este cenário decidiu accionar o departamento jurídico contra a Federação portuguesa de atletismo para ser ressarcido de danos patrimoniais e morais”, rematou na altura.

Estava assim confirmado o fim da modalidade de Atletismo que tantas alegrias proporcionou a nós portistas e que medalhas trouxe ao nosso país.

De recordar, que a mudança dos regulamentos  é absolutamente ridícula e ilegal, pois tal alteração  viola o artigo 39 do Tratado da CE relativamente aos princípios da livre circulação de trabalhadores dentro do espaço Europeu.

"O artigo 39.º do Tratado CE aplica-se ao chamados trabalhadores migrantes, isto é, aos nacionais de países membros da UE que deixam o seu país para ir trabalhar num outro país da UE. Aplica-se também aos nacionais da UE que regressam ao país de origem após terem exercido este direito à livre circulação, mas não abrange as pessoas que nunca deixaram o país de origem.

Um trabalhador é uma pessoa que

* realiza um trabalho real e efectivo
* sob a direcção de outra pessoa
* pelo qual é pago.

Os desportistas profissionais pertencem a esta categoria.

Há alguma restrição quanto ao exercício deste direito?

* limitações justificadas por razões de ordem pública, segurança pública e saúde pública
* limitações quanto ao emprego na administração pública do país de acolhimento."

Caíu mal  a conquista na época passada da medalha d' Ouro pela letã Ineta Radevica  no Campeonato da Europa de Atletismo realizado em Barcelona,  onde a saltadora, portista ao serviço do seu país, "roubou" a medalha de ouro à atleta lusa Naide Gomes ( nascida em São Tomé e Príncipe, Naide Gomes representou o seu país, na prova de 100 metros barreiras nos Jogos Olímpicos de Sydney, na Austrália, em 2000. Depois de um processo de naturalização moroso concluído em 2001 representa Portugal pela primeira vez no Campeonato da Europa de Pista Coberta em Viena em 2002).

Os atletas comunitários do FC Porto, deveriam ter agido judicialmente contra a FPA, pois estamos na presença de outro caso semelhante ao Bosman!

A lei Bosman permitiu que os futebolistas, que são também considerados trabalhadores comunitários, não se vissem impedidos de jogar noutro país da União Europeia por normas internas da UEFA e das respectivas Federações Nacionais de Futebol.

Até hoje mais nada se soube se o FC Porto accionou mesmo todos os meios legais para nossa defesa e posterior indemnização.

Parece que o "machado de guerra" foi enterrado pelo nosso clube, e tudo se esqueceu.
O FC Porto não é só futebol.
Há que lutar pelas modalidades do nosso clube, quando estas são "atacadas," como foi o atletismo, caso contrário estes caciques tomam conta de tudo.
O Sr. Secretário de Estado da Juventude e do Desporto Laurentino Dias não cumpriu o seu papel, o que é lamentável!!!
O FC Porto é uma instituição com o estatuto de Utilidade Pública, pois substitui o Estado, num papel fundamental - Permitir aos jovens que pratiquem desporto, seja qual for a sua natureza.
Aliás também não percebo o silêncio da Associação de Atletismo do Porto que foi fundada em 1926 (e que tem como clubes mais representativos o FC Porto, o Centro de Atletismo do Porto, o FC da Foz, o SC de Espinho, Boavista FC, CIPA, e Maratona da Maia, os quais se empenharam na promoção da modalidade, ao longo destes anos). Foi dos clubes desta Associação,  e principalmente do FC Porto que saíram nomes como Rosa Mota, Fernanda Ribeiro, Aurora Cunha, Albertina Dias, no sector feminino, e  José Sena, José Regalo, José Leitão, António Pinto etc no sector masculino, que trouxeram alegrias ao atletismo Português.

Para saberem mais da história do Atletismo no FC Porto recomendo que leiam no Blogue do Sr. Armando Pinto - "Lôngara - Actividade Literária e Memória Alvi-Anil - os seguintes posts:


E os senhores da Federação Portuguesa de Atletismo que choram de alegria com as conquistas do atletas lusos, Naide Gomes (atleta natural de São Tomé e Príncipe), Nelson Évora (atleta natural da Costa do Marfim, filho de pai cabo-verdiano e mãe costa-marfinense, acabou por ficar com nacionalidade cabo-verdiana, mas o pai trouxe-o para Portugal aos 5 anos, adquirindo posteriormente nacionalidade lusa), Francis Obikwelu (atleta nigeriano naturalizado português em Outubro de 2001) e Rasul Djabó  ... continuam de pedra e cal nos seus lugares!!!

Post Scriptum:
Ao lerem esta última parte do post, não me julguem xenófobo ou racista. Pelo contrário sou totalmente o oposto. Tudo o que digo é no contexto do impedimento regulamentar de atletas europeus contratados pelo FC Porto, poderem competir nas competições nacionais.

Aliás, até acho que o Sr. Fernando Mota, deveria juntamente com o Professor Moniz Pereira, deslocar-se à Etiópia ou Burkina Faso ... soltar uma lebre no deserto e fazer umas captações de atletas locais para naturalizar portugueses, pois depois da "machadada" num clube como o FC Porto que formava atletas, daqui a uns anos, só teremos atletas naturalizados nos jogos olímpicos a competir por Portugal.

6 comentários:

Armando Pinto disse...

É precisamente isto que tem de ser vincado, é mesmo assim...
Vamos ver se o clube faz algo mais, também, pois isto está a ser muito esquecido na comunicação e opinião pública.
O que a Federação fez, por meio do tal lagarto Mota, foi para manter o domínio do Sporting nessa modalidade, já que os sportinguistas apenas conseguem ganhar alguma coisa no atletismo. Mas vão matar a modalidade, e pelo menos retirar-lhe qualquer ponta de interesse. Veja-se o que aconteceu com o ciclismo, a Federação também quiz afastar o F C Porto, e conseguiu-o com a machadada da Mako Jeans quando roubou ao Porto a equipa completa, com o aplauso da Federação, e depois, mal o Porto deixou aquilo, o ciclismo perdeu o entusiasmo dos despiques dos lisboetas com o Porto e ficou sem despertar qualquer atenção, decaindo por completo...

Dragus Invictus disse...

Bom dia Sr Pinto,

Parece que o "machado de guerra" foi enterrado pelo nosso clube, e tudo se esqueceu.
O FC Porto não é só futebol.
Há que lutar pelas modalidades todas, e quando estas são atacadas, como foi o atletismo e o ciclismo (que por ser novo não conhecia o episódio que o Sr Pinto aqui citou), caso contrário estes caciques tomam conta de tudo.
O Dr. Laurentino Dias, nada fez, e isso é lamentável.
O FC Porto é uma instituição com o estatuto de "Utilidade Pública", pois substitui o Estado, num papel fundamental, permitir aos jovens que pratiquem desporto, seja qual for a sua natureza.
Aliás também não percebo o silêncio da Associação de Atletismo do Porto...

Abraço

Paulo

Anónimo disse...

parece-me incrivel a posicao do nosso clube... nao da fecha tudo? .. nao da deviam por o caso em tribunal. parece que se resignou e acabou... e os la de baixo com isso "melhor para nos".

Dragus Invictus disse...

Tem razão amigo! Da SAD nada se sabe se estão a fazer algo.

Um abraço

Paulo

KOSTA DE ALHABAITE disse...

Excelente post. Serviu de mote para que o meu blogue assinalasse a minha homenagem a este magnífico espaço Dragoniano.
Um abraço

Dragus Invictus disse...

Boa noite amigo KOSTA DE ALHABAITE,

Obrigado pelas suas palavras.
Não podemos calar a nossa revolta pelo fim de uma modalidade tão querida para nós portistas.

Por coincidência no mesmo dia que publiquei este post, o Sr. Fernando Mota demitiu-se por causa da não inscrição da atleta Sara Moreira nos 3000 metros ... vamos ver se bons ventos se avizinham após a demissão deste centralista.

http://pronunciadodragao.blogspot.com/2011/03/atletismo-fernando-mota-fez-um-favor-ao.html

Abraço e volte sempre

Paulo