domingo, 20 de março de 2011

Consagração marcada para Lisboa

Curioso, tal como o ano passado, o futuro campeão terá a primeira oportunidade para ser campeão no estádio do principal rival.

Curioso, tal como em 2005, o futuro campeão terá a oportunidade de se sagrar campeão na cidade do principal rival.

Por muito que se tente controlar esta vontade, é um facto, o FC Porto quer ser campeão em Lisboa. Querem os jogadores, quer a equipa técnica, quer o Presidente, querem os adeptos.

O FC Porto entrou tranquilo na partida, tranquilo até demais, permitindo à Académica, que troca bem a bola, sobretudo em contra ataque, ir realizando algumas jogadas interessantes. Muitas perdas de bola, maus passes, ritmo muito baixo, muito fraco para a assistência que estava no Dragão.

Mas tudo mudou a partir do momento que a Académica marca o golo, numa jogada de contra ataque finalizada por Addy, que surpreendeu pela forma como surgiu na área e pela forma como vibrou com a marcação do golo!

O FC Porto aumentou o ritmo e criou mais perigo nos últimos 10 minutos da primeira parte do que nos primeiros 35. Esteve muito perto de marcar antes do intervalo, mas quer a eficácia do guarda-redes, quer a pontaria desalinhada dos jogadores do FC Porto, assim não o permitiu.

Na segunda parte, foi tudo diferente, diferente da primeira parte e ao nível do que o FC Porto tem vindo a mostrar. Aumentou o ritmo, melhorou a qualidade de passe e com naturalidade chegou ao primeiro golo, mais uma vez por Guarin, mais uma vez, num remate bem colocado.

Claramente, o jogador do FC Porto em melhor forma e com os mais altos níveis de confiança. Nos últimos 4 jogos marcou sempre e em momentos cruciais. Não tenho dados oficiais, mas creio que ainda não renovou o contrato que tem até 2012. Com apenas 24 anos, completa 25 em Junho, penso que é tempo para renovar o contrato, aumentar a cláusula de rescisão, pois no verão, temos Copa América. Claramente um jogador a manter para o ano, para a Champions League.

E como seria normal, ao marcar cedo na segunda parte, seria natural o que aconteceu a seguir. O FC Porto não abrandou, voltou à carga e num lance típico de jogo, Maicon marcou o segundo, na sequência de um canto. Maicon, que esteve novamente bem em jogo, estreando-se a marcar esta época.

Depois deste golo, as coisas ficaram mais tranquilas para o FC Porto e mais complicadas para a Académica, que ainda teve um ou dois lances de contra ataque que poderia ter feito melhor. Os espaços começaram a surgir e numa boa jogada, mais uma, do FC Porto, Varela aproveita um mau alivio para fixar o resultado final. Varela que hoje esteve bem mais activo do que nos últimos jogos.

Até ao final, tempo ainda para mais algumas oportunidades para o 4º golo do FC Porto, mas também uma boa ocasião para a Académica voltar a marcar. O ritmo baixou, a clarividência também, mas era normal, a vitória estava assegurada, era tempo para gerir a vantagem, sobretudo quando se vinha de uma sequência de jogos complicados e exigentes.

Houve vários jogadores que se evidenciaram, mas é justo destacar novamente Guarin, pela sua presença em campo e a eficácia no momento certo. Outra das boas exibições foi sem dúvida Fucile, bem a defender e muito bem a atacar. Parece que o Uruguaio voltou a ganhar a posição de defesa direito. Fernando foi outro dos jogadores que se evidenciaram e sem sombra de dúvida, está novamente ao seu melhor nível.

Quem voltou a estar um pouco à margem das suas capacidades, foi Hulk e Falcão. O primeiro voltou a perder várias bolas e vários dribles, curiosamente, não me recordo de um remate com perigo à baliza, e Falcão, que voltou a ter algumas boas oportunidades e não esteve com a eficácia que todos reconhecemos.


Mas globalmente a equipa esteve bem, concentrada no objectivo que acabou por conseguir.

Destaque não menos merecedor para os adeptos que aplaudiram a equipa no momento do golo da Académica e que estiveram em número significativo no Dragão, numa das melhores assistências da época.

Por último dizer que o árbitro teve uma arbitragem negativa, tecnicamente e disciplinarmente com alguns erros, a questão do penalti do Rolando é discutível o critério, pois não existe intenção mas por outro lado a bola muda de trajectória e alguns cartões completamente sem sentido, como foi o de Maicon, que nem tocou no adversário e na entrada violenta de Luis Nunes que apenas viu o amarelo, situação completamente absurda comparativamente com outros cartões amarelos mostrados.

Declarações de Villas-Boas:


Ainda não foi desta que os críticos viram o FC Porto perder para a Liga. E talvez não vejam antes da conquista matemática do título.

Esta vitória fixa uma série de 12 vitórias consecutivas para a Liga. Algo que nenhum clube este ano conseguiu nem conseguirá. Não me recordo, nos últimos 30 anos, algum clube ter conseguido.

Esta vitória permite alcançar os 68 pontos, os mesmos com que o FC Porto terminou o ano passado a Liga, quando ainda faltam 18 pontos até final da época.

Esta vitória, permitiu igualmente passar dos 100 golos na época, em jogos oficiais, estando apenas a 8 golos de passar a marca do ano passado.

Esta vitória faz com que o FC Porto continue, há mais de 1 ano, sem perder para a Liga, a última derrota foi em 28/2/2010 com o Sporting.

Tempo agora de recuperar forças e preparar de forma tranquila os próximos jogos, esperando que os vários jogadores que vão representar as selecções regressem sem lesões.

Vem aí um mais um ciclo importante, mas que pode trazer 1 título e importantes decisões na Liga Europa e Taça de Portugal, dois dos objectivos que se seguem.

Força Porto. O dia está a chegar.
Ricardo Jorge

5 comentários:

Armando Pinto disse...

Está quase...
Mais uma boa vitória, fruto do muito querer.
Segunda-feira, no jogo entre os lampiões e o Paços de Ferreira, pela primeira vez não quero uma derrota dos gayvotas, isto é uma derrota dos mouros vermelhos não aquece a nossa vontade, prefiro que empatem... para a festa ser no galinheiro e... a um fim de semana.
Abraço.
http://www.longara.blogspot.com/

dragao vila pouca disse...

Uma entrada lenta, adormecida, pouco esclarecida, trapalhona até, da equipa portista, que estava à espera que a vitória lhe caísse do céu, sem ter de lutar, trapalhar, fazer pela vida. Com um Porto assim, a Académica arrebitou cabelo, defendeu bem, foi rápida a sair para o ataque e quase se pode dizer, sem surpresa, adiantou-se no marcador, curioso, por D.Addy, jogador emprestado pelo F.C.Porto, que para além de marcar o golo, fez uma exibição prometedora e a pronunciar que temos ali gente.

Com a vantagem coimbrã o conjunto de André Villas-Boas começou a despertar, chegou a ameaçar empatar por Hulk, mas não conseguiu e foi para o intervalo com o castigo, justo, de ter feito uma primeira-parte muito abaixo dos mínimos exigíveis.

Na etapa complementar tudo foi diferente. Entrando forte, dinâmico, rápido, pressionante e jogando a um nível alto, ao nível que se lhe exíge, o F.C.Porto dominou, demoliu a boa organização da equipa de Ulisses Morais, deu a volta ao resultado e acabou a partida em apóteose e aos gritos de campeão, campeão. Foi um jogo em que o Dragão teve de fazer apelo a tudo o que tem e viu-se que tem muito para dar. A segunda-parte também mostrou uma equipa capaz de jogar muito bem, mesmo com alguns dos seus principais jogadores, Hulk e principalmente Falcao, claramente cansados e a jogarem abaixo do que podem e sabem.

Um abraço

Dragaopentacampeao disse...

Mais um jogo de duas faces que terminou em grande.

Primeiros 30/40 minutos de um Porto irreconhecível (lento, sem dinâmica nem inspiração) e o restante um Porto à Campeão.

Boa moldura humana no Dragão, engalanado para o ensaio geral do título que já não fugirá (isto se não houver nova emboscada na Luz!).

Destaques: Guarín, mais uma vez, a marcar golo decisivo na reviravolta e a rubricar excelente exibição; 100º golo da temporada, da autoria de um estreante nestas lides (Maicon); 22ª vitória no Campeonato, em 24 jogos (2 empates); Título à distância de uma vitória... na Luz!

Um abraço

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

É inadmissível a entrada em jogo do FC Porto.

Tudo bem que vimos de uma jornada europeia, havia que gerir esforço, mas entrar numa atitude passiva, lenta e sem pressing, à espera que a nossa superioridade fizesse com que o golo aparecesse, é totalmente errada.

Os primeiros 35 minutos, sem tirar mérito à Académica, foram complicados muito por culpa nossa.
A Académica muito bem posicionada, num rápido contra-ataque chegou ao golo, e ainda bem ... pois só assim a nossa equipa acordou para o jogo, e ainda nos últimos 10 minutos da primeira parte poderíamos ter empatado.

A segunda parte foi totalmente diferente. Um FC Porto a jogar rápido, acutilante, e as oportunidades a surgir em catadupa.
Após a entrada de Moutinho, a equipa ficou mais pressionante e com naturalidade marcamos 3 golos, poderíamos ter marcado mais, mas também seria injusto para uma Académica que se bateu bem no Dragão.

Melhor em campo Guarin, que está a fazer uma época fantástica.
Fernando muito bem nas suas tarefas, mas a partir do momento que precisávamos virar o jogo foi bem substituído por Moutinho, que mais uma vez se mostra uma peça determinante no esquema de Villas-Boas. João Moutinho é fantástico, equilibra a equipa... tácticamente é perfeito.
Fucile esteve muito bem a atacar e a defender, fazendo o melhor jogo da época.
Belluschi muito bem nas transições e nas ruturas.
Varela fantástico a desequilibrar pela ala.
Falcao, Hulk e Alvaro Pereira estiveram menos bem.

O árbitro teve alguns erros. Duvida no lance da intencionalidade ou não de Rolando em jogar a bola com a mão. É um lance difícil de avaliar, pois Rolando parece-me ter exclusiva intenção de cabecear a bola e esta ressalta ao braço.
Duvida também num suposto penalti por marcar sobre Hulk na primeira parte, embora seja discutível se o jogador da Académica começa ou não a puxar a camisola fora da área.
Amarelo ridículo a Maicon, nas barbas do fiscal de linha, que ainda se achava com razão.
Luiz Nunes teve entrada violenta sobre Belluschi que deveria ter sido sancionada com cartão vermelho.

Espero que a Académica consiga a manutenção, e que consiga alcançar a final da Taça de Portugal. É uma equipa que pratica um futebol positivo, e não fosse a saída de Jorge Costa, estaria nesta altura já a salvo da descida.

Fantástico o apoio dos mais de 46 mil que ontem se deslocaram ao estádio e tiveram a paciência, para levar com 35 minutos enfadonhos, e que puxaram pela equipa para mais uma vitória rumo ao 25º. título.

Falta-nos uma vitória para sermos campeões. Se for na Luz terá um sabor especial, e o título será comemorado do relvado até ao fim do túnel!

Abraço e boa semana

Paulo

Tripeiro disse...

Eu quero ver o PORTO ser CAMPEÃO, esta ALEGRIA, no CORAÇÃO!