quinta-feira, 26 de maio de 2011

Hóquei em Patins * FC Porto 7 - Física 3

28ª. Jornada * Campeonato Nacional

Pavilhão Dragão Caixa, no Porto
Assistência: 748 espectadores

Árbitros: Rui Torres (Minho), Paulo Rainha (Minho) e Nuno Sequeira (Porto)

FC PORTO: Edo Bosch (g.r.), Pedro Moreira, Reinaldo Ventura, Pedro Gil e André Azevedo
Jogaram ainda: Filipe Santos «cap.», Emanuel Garcia e Gonçalo Suíssas
Treinador: Franklim Pais

FÌSICA DE TORRES VEDRAS: Carlos Coelho (g.r.), German Dates, Carlos Gomes, Samuel Lima e Carlos Godinho «cap.»
Jogaram ainda: Alan Fernandes, Vítor Fortunato, Vicente Alves e Filipe Grileiro
Treinador: Vítor Fortunato

Ao intervalo: 3-2
Marcadores: Reinaldo Ventura (9m, pen., 23m, pen., 36m, pen., e 46m), Samuel Lima (10m), Pedro Gil (13m e 37m), German Dates (13m e 43m) e André Azevedo (43m)
Disciplina: cartão azul para Samuel Lima (13m e 36m) e Alan Fernandes (46m)

Publicado em fcporto.pt

O FC Porto Império Bonança bateu, esta quarta-feira, a Física de Torres Vedras (7-3) e continua a liderar o campeonato nacional. Mais importante do que isso, está apenas a duas vitórias do decacampeonato. Barcelos é o próximo destino (sábado, 18h) e, depois, fica a faltar a recepção à Oliveirense. No Dragão Caixa, Reinaldo Ventura foi a figura de destaque, com quatro golos (três deles de penalti).

O filme da primeira parte pode ser contado em poucas palavras: muita posse de bola do FC Porto, várias intervenções difíceis do guarda-redes forasteiro, Carlos Coelho, e muita eficácia da equipa de Torres Vedras, que fez poucos remates e que se apresentou muito fechada. Os Dragões responderam com um alto índice de aproveitamento nas “bolas paradas”, que lhes garantiria o triunfo.

Os azuis e brancos chegaram à vantagem aos nove minutos, através de um penalti apontado por Reinaldo Ventura, castigando falta sobre Pedro Gil. A Física empatou no minuto seguinte. Aos 13, uma carga de Samuel Lima sobre Pedro Gil deu origem a um livre directo, convertido pelo espanhol. Tal como aquando do 1-0, os forasteiros empataram no ataque seguinte. Mas os Dragões sairiam para o intervalo em vantagem: Reinaldo Ventura converteu novo penalti, após falta de Vítor Fortunato sobre Gonçalo Suíssas.


Edo Bosch também não deixou de ter um papel neste triunfo e isso foi visível, por exemplo, aos 29 minutos, quando evitou que Carlos Gomes, isolado, empatasse a partida. Sete minutos volvidos, nova falta na área de Samuel Lima valeu-lhe o cartão azul e um penalti para o FC Porto. Reinaldo Ventura não perdoou e deu pela primeira vez uma vantagem de dois golos à formação da casa. Em situação de “power-play” (mais um jogador em pista), Pedro Gil, de meia distância, fez o 5-2 e resolveu a questão do vencedor da partida.

Os forasteiros estenderam-se, então, um pouco mais na pista, proporcionando mais situações de remate aos azuis e brancos. Foi assim que André Azevedo, de primeira, assistido por Pedro Gil, fez o 6-2, aos 43 minutos. Reinaldo Ventura, em mais um livre directo, estabeleceu o resultado final, aos 46 minutos.

Figura
Reinaldo Ventura
O homem das bolas paradas

Pedro Gil voltou a dar espectáculo e foi importante nas recuperações de bola e nas jogadas de perigo, mas Reinaldo Ventura foi o homem dos penáltis que levaram o marcador de 2-2 para 4-2, permitindo novo fôlego a uma equipa obrigada a ganhar para chegar ao deca. Dos sete golos portistas, cinco foram de bola parada, e Ventura ainda marcou o sétimo de livre-directo.

Na sala de imprensa, o técnico Franklim Pais analisou o encontro: “Foi uma vitória difícil, mas já contávamos com isso. Jogámos frente a uma equipa com muita experiência e que não proporciona contra-ataques. Viemos de uma competição europeia, com dois jogos consecutivos, muito desgastantes, quer a nível físico quer psicológico. Conseguimos ser muito eficazes nas ‘bolas paradas’, numa vitória que foi muito valorizada pelo adversário. O campeonato vai-se ganhar nos pormenores e quem aguentar a pressão vai ser campeão. Nós estamos habituados à pressão”.

O Deca está à distância de dois jogos:

28 de Maio * 18h00 * Óquei de Barcelos - FC Porto

4 de Junho * 18h00 * FC Porto - Oliveirense

4 comentários:

penta1975 disse...

@ Paulo

sabes a razão por que será Tó Neves o próximo treinador do hóquei patinado azul-e-branco?

abraço

«este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

saudações desportivas mas sempre pentacampeãs! ;)

Miguel | Tomo I

Dragus Invictus disse...

Bom dia amigo Penta1975,

Franklim Pais vai assumir funções de dirigente e Tó Neves a de treinador, e isto irá reforçar e renovar a estrutura da modalidade.

Sem estar a especular talvez Ilídio Pinto, dirigente histórico do hóquei portista, esteja de saída... que a se confirmar, será uma perda tremenda.

Após 9 anos (que podem ser 10) a fio sempre a vencer, por vezes é salutar renovar, para manter a vontade de vencer.

Eu pessoalmente não concordo com a teoria de renovar para haver mais ambição.
Sou apologista de "equipa que vence não se mexe", e muito menos no cargo de treinador, pois se Franklim venceu 9 campeonatos é por ser competente na posição que ocupa. Concordo que por vezes é necessário renovar planteis, pois novos jogadores vêm com vontade de conquistar e triunfar.

Mas o que mais me intriga foi a notícia ter saído no início de Maio, quando a equipa estava a lutar e continua por novas conquistas. Isto não é "típico" da nossa casa!

Quanto ao Tó Neves, é uma boa decisão, é um homem da casa e que percebe como ninguém a mística.

Abraço

Paulo

http://pronunciadodragao.blogspot.com/

penta1975 disse...

@ Paulo

esclarecido ;)

como é óbvio, não tenho nada contra a vinda do Tó Neves - é um filho da casa. a minha inquietação era precisamente por «se Franklim venceu 9 campeonatos é por ser competente na posição que ocupa».

abraço

Dragus Invictus disse...

@Miguel

O timing da divulgação é o que mais se estranha.
No FC Porto não estamos habituados a que tal suceda.

Na altura saiu no jornal "O Jogo", e talvez tenha sido fonte próxima ao Tó Neves que divulgou, ou a própria Oliveirense.

Um abraço e boa semana

Paulo