domingo, 18 de setembro de 2011

A pior exibição da época so far...

O FC Porto perdeu os primeiros pontos do campeonato esta noite, em Aveiro, frente ao Feirense, ao empatar a zero num jogo que deixou muito a desejar!

Em primeiro lugar é de salientar que Vítor Pereira se comportou para este jogo quase como se se tratasse de um jogo para a taça da liga, ao poupar Hulk e Álvaro Pereira! 

Ora, o campeonato é, para qualquer equipa, a competição mais importante da época, aquela que se tem que ir conquistando desde cedo. Poupar jogadores nesta fase foi uma atitude inconsequente.  Arriscou ainda ao colocar Mangala como titular, num jogo com tantas alterações, sendo que uma delas era a entrada de Sapunaru, vindo de uma lesão... Foi um onze totalmente diferente do do último jogo...

A primeira parte foi absolutamente deprimente, sem cabeça, com um mau futebol, muitos passes falhados, muitas bolas perdidas! A equipa nunca se encontrou a meio-campo, estava completamente desinspirada, pelo que o jogo não fluía... Por outro lado, a equipa do Feirense jogou com atrevimento e sem medo, e foi criando ao longo do jogo, com mais evidência na segunda parte, algumas oportunidades que poderiam ter custado ao Porto a sua primeira derrota no campeonato, chegando a ser prejudicado num lance em que Diogo Cunha foi amarelado por alegada simulação, quando na verdade teria sido mesmo falta para grande penalidade.

Face ao empate sem golos no final da primeira parte, e ao nível exibicional muito abaixo daquilo que se tem apresentado nesta época, seria de esperar que Vitor Pereira tomasse uma atitude radical ao intervalo, e fizesse entrar Varela e Defour. Varela entrou, de facto, mas para substituir Kléber, pelo que o Porto passou a jogar sem ponta-de-lança... 
Não se compreende esta substituição e, tal como se esperava, não surtiu qualquer efeito. Apesar de ter imprimido mais velocidade ao jogo, a equipa portista continuou a jogar sem pés nem cabeça. À medida que os minutos passavam e o Feirense ia também criado algumas oportunidades de golo, e já com Defour em campo no lugar de Rodriguez, notou-se um aumento do nervosismo nos jogadores azuis e brancos, e foram-se acumulando as oportunidades de golo falhadas. Aos 81 minutos Djalma não trouxe nada de novo.

Depois da perda de pontos ser praticamente garantida, aconteceu o pior: James Rodriguez agride Rabiola, em resposta à falta cometida por este, e é expulso já para lá do minuto 90', pelo que ficará de fora do clássico frente ao Benfica! Atitude completamente infantil e inconsequente, e que só vem colocar a equipa numa situação ainda pior...

Ora, é claro que o principal responsável por esta má exibição de hoje terá sido Vítor Pereira. Poupou quando não deveria poupar, teve más opções no onze inicial (por exemplo, colocar Guarín a jogar na posição 6, quando tem alternativas bem melhores para essa posição, e lançar Mangala a titular num jogo com tantas alterações), e quando poderia ter feito alguma coisa para tornar este Porto mais perigoso no ataque, retirou o único ponta-de-lança em campo para colocar mais um extremo. Também os jogadores não reagiram bem a estas alterações.

Ora, está na hora de Vitor Pereira estabelecer um onze base, e só a partir daí ir rodando os jogadores conforme as competições para as quais esteja a jogar...é incrível como ainda não conseguimos ter o mesmo onze dois jogos consecutivos... Desta vez correu mal, pelo que o nosso treinador terá forçosamente que rever a sua metodologia!

Dragão Azul TV



Esperemos que o jogo frente ao Benfica seja bem diferente deste que ficou marcado pela pior exibição da época até então... Uma vez que James ficará de fora, esperemos que seja Varela a assumir o protagonismo, e que tenha uma exibição como aquela que teve no jogo da Supertaça do ano passado...

Sei que haverá uma tendência para crucificar já Vítor Pereira, mas não vale a pena fazê-lo tão cedo... O Porto deste ano já demonstrou que é capaz de boas exibições...Assim esperamos!

9 comentários:

ℙΣ₦₮∀ ➀➈➆➄℠ disse...

caríssimo(s):

é verdade que perdemos dois pontos, antes do clássico com os lampiónicos coisinhos da agremiação de Carnide. e é verdade que poderíamos ter feito melhor, bem melhor.

mas não sejamos "josés filipes" depois do jogo desta noite. estar a colocar em causa tudo o que o que já foi feito e tendo em conta um passado recente, é uma demonstração de algo que os portistas não são: catastrofistas crónicos.
deixemos as pessoas que são pagas para pensarem e resolverem os problemas da gestão do plantel desenvolverem o seu trabalho.
mais do que criticar por criticar (e sem razão, naquele caso), apoiemos quem ainda nos vai dando alegrias numa vida cheia de agruras. e tal não deverá ser só na próxima Sexta-feira, mas sim sempre!


«este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

saudações desportivas mas sempre pentacampeãs! ;)

Miguel | Tomo II

dragao vila pouca disse...

Começando pelo fim... Mesmo que o árbitro tenha errado na expulsão de James e errou, o amarelo era mais que suficiente, ao contrário do que disse o debilóide do Valdemar Duarte, não culpem o juíz pelo empate. A culpa foi toda nossa. Começou na abordagem ao jogo e continuou na postura durante o jogo e mais, o resultado é justo. Dito isto, vamos ao que interessa...

Entre um jogo da Champions que era importante ganhar e ganhamos e outro frente ao clube do regime que também queremos vencer, sem Hulk e Alvaro, jogadores importantes na manobra da equipa, o lateral pela profundidade, o Incrível pela capacidade de desequilibrar e decidir, o F.C.Porto fez uma 1ª parte que só com um grande esforço de contenção sou capaz de qualificar. Nada se aproveitou na 1ª parte portista. Desinspiração total. Defesa tremida, meio-campo apático, lento e sem imaginação e ataque completamente inexistente e que ainda conseguiu ser pior que os outros dois sectores. É preciso recuar até aos piores tempos de Jesualdo, para me lembrar de uma exibição igual. Pareciamos um grupo de amigos que se tinham juntado, pela primeira vez, para fazer um jogo de futebol...

A segunda foi melhor na atitude, o ritmo aumentou, criamos mais lances de perigo, mas faltou organização, cabeça fria, discernimento. Foi um Porto trapalhão, sem criatividade, incapaz de massacrar e se tivemos algum azar, também e é justo referi-lo, tivemos alguma sorte. Só na parte final, mais com o coração do que com a cabeça, encostamos o Feirense lá atrás.

As razões para a péssima prestação da equipa de Vítor Pereira, começam na abordagem ao jogo. Se Hulk e Alvaro não estavam a 100% e em condições de jogar, compreendo que não tenham jogado, o plantel dá garantias, mas se já tinhamos fora dois jogadores nucleares, porquê ainda mais mexidas? Porquê a descaracterização de uma equipa que tinha vindo a jogar bem, principalmente no meio-campo? Mas continuou durante o jogo, com várias decisões que não entendo...

O que está Walter a fazer no banco? Se está no banco, é porque tem condições de jogar e com Kléber a não dar uma para a caixa, porque não sai o ex-Marítimo e entra o Bigorna? O que ficou tanto tempo Belluschi, completamente desastrado, a fazer no campo? Porque não saiu para uma simples troca com Defour, que entrou para o lugar de Rodríguez, numa altura que o uruguaio estava a melhorar e tinha mandado uma bola de cabeça à barra? Ainda, porque entrou Djalma e não Walter, quando tinhamos Varela na direita, James podia encostar à esquerda e não tinhamos ninguém na área? Então não podiamos passar o Fucile para a direita, Rolando no meio e Mangala na esquerda, ficando a jogar com três defesas, quando Sapunaru saiu em dificuldades e entrou o angolano? James no meio, tudo bem, mas com alguém com quem possa jogar, tabelar, para aparecer a finalizar. E a referência, na área, quem era? Tinhamos alas e ninguém para aparecer a dar seguimento aos cruzamentos?

Foram erros a mais, para um jogo só. Quando se erra tanto, até se pode ganhar, mas a maioria das vezes não se consegue. Foi o que aconteceu, numa noite para esquecer de todos, técnicos e jogadores.
Dito o que precisava de ser dito, assunto arrumado, é necessário olhar para a frente a aprender com os erros, para que não se voltem a repetir. A lição que fica é: todos os jogos são importantes e quando não são todos encarados da mesma forma, as surpresas acontecem. Agora, a melhor forma de ultrapassar este contratempo, é ganhar aos vermelhos e mostrar que o que aconteceu, foi uma excepção que vai confirmar a regra: um Grande Porto, em 2011/2012.

Notas finais:
Lamentavelmente, tinha dito, na antevisão, que a forma como abordassemos o jogo seria fundamental para o que seria o desenrolar da partida. Infelizmente tive razão, o que temia aconteceu... Até no cartão a James que foi muito injusto. Não critico o colombiano, foi uma reacção a quente, que só não compreende, quem nunca jogou à bola.

Os últimos são os primeiros e os únicos que hoje não fizeram falta de comparência, foram os adeptos, incansáveis no apoio. Parabéns!

Abraço

Carla Correia disse...

Não me parece que a expulsão de James tenha sido injusta...Temos que nos colocar no lugar do árbitro. Ele levantou-se repentinamente, esboçou uma agressão de punho cerrado, e chegou mesmo a tocar no abdómen de Rabiola, embora se tenha arrependido no caminho. À primeira vista, e dado que Rabiola também fez teatro, pareceu mesmo agressão. Se eu estivesse no lugar do árbitro também tinha mostrado vermelho directo.

Dragaopentacampeao disse...

Dois pontos perdidos por culpa de uma exibição deplorável, caracterizada por uma atitude contraproducente, que eu imaginava já completamente erradicada do seio deste valioso plantel. Engano meu e quiçá do próprio treinador que ao invés de corrigir alguns excessos de confiança ajudou a complicar a situação.

Quem porfia, mata caça, quem relaxa passa «traça». Foi o que aconteceu exactamente.

O nulo no marcador reflecte a atroz incapacidade de acertar na baliza. Na primeira parte os nove remates portistas não foram na direcção da baliza e na segunda, os remates mais perigosos esbarraram nos ferros. Varela teve a baliza escancarada e atirou para fora...

Mau de mais para um plantel composto de gente capaz de fazer imensamente melhor. As faltas de Álvaro Pereira e Hulk não chegam para justificar tamanha incompetência.

Que todos aprendam a lição pois exibições similares serão certamente repudiadas pelos incansáveis apoiantes portistas, únicos que mereciam a vitória.

Um abraço

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Ontem fizemos um jogo muito fraquinho. Fizemos uma primeira parte que mais parecia um filme do Manoel de Oliveira.

Perdemos 2 pontos, por culpa própria, pois não encaramos o jogo com a devida atitude desde o apito inicial.

O lance da expulsão de James foi o culminar de um jogo para esquecer.
James levantou-se impetuosamente na direcção de Rabiola, que se aproveitou para teatralizar, levando o árbitro a expulsar o seu colega de profissão. Rabiola pelo menos no teatro terá futuro.

Kléber segundo Vítor Pereira estava tocado e por isso foi substituído.
Não compreendo porque é que Walter não entrou na partida, na qual com a pressão do Porto se adivinhavam muitas bolas perdidas na área, impondo-se por isso a sua presença à falta de melhor.

Ontem ficou claro que sem pudermos contar com Hulk, escasseiam soluções para jogar no centro do ataque.
Iturbe ainda está a marinar e tarda a aparecer, e há que decidir de uma vez por todas se Walter conta ou se é só para fazer número.

O resultado foi justo e mau antes da recepção ao Benfica.

Podíamos com uma vitória ontem e outra diante do Benfica, disparar na tabela classificativa.

Valeu o fantástico apoio dos portistas que se deslocaram a Aveiro, que não mereciam este empate.

Agora há que rever o de menos bom, melhorar e recuperar os jogadores para o jogo diante do Benfica.

Abraço

Paulo

TertúliaPortista disse...

Oi amigo, temos de continuar a apoiar a nossa equipa e acreditar que vai fazer melhor no próximo jogo sim.
Saudações Portistas
Muito sucesso!
Melhores cumprimentos
http://tertuliaportista.blogspot.com/

Artigosonline/ana disse...

Boas,
Antes do clássico frente ao Benfica, o FC Porto tinha um jogo, onde era importante somar três pontos, mas os dragões apenas somaram um. Foi um jogo sofrido e muito pouco bem jogado, com sorte e azar a mistura. A equipa acusou demasiado a ausência de Hulk, o que não justifica tudo. É certo que o incrível é um jogador fantástico, mas também é certo que a equipa tem de saber viver sem ele, porque Hulk não é de ferro, logo não é imune a lesões ou a castigos, por isso à que saber jogar e ganhar sem ele. Esperava outra resposta portista, é certo que estava a espera de um jogo complicado, mas esperava que os dragões dessem a resposta certa, assim não aconteceu. Confesso que não percebi as alterações do treinador, mas não vou ser eu a crucificá-lo. O pior é que uma desgraça nunca vem só, como se não bastasse perder pontos, ainda ficamos sem James para o clássico. Ó James, que infantilidade. De uma coisa o FC Porto não se pode queixar, apoio não faltou.

Força FC Porto!

Cumprimentos

Ana Andrade

www.portistaacemporcento.blogspot.com
www.artigosonlineanaandrade.blogspot.com

P. Ungaro disse...

Boas,

Os adeptos foram os melhores no estadio.

Primeiro penso que o Vitor Pereira não esteve muito bem nas opções, primeiro na convocatória, depois nas opções para a equipa titular e por ultimo nas substituições.
Depois a aquipa esteve apatica, a jogar a passo, sem rasgo.
Espero que o resultado sirva de exemplo para futuro.

Um abraço

http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com

Armando Pinto disse...

Na verdade custou a engolir este empate, mais por se notarem certas insuficiências que, talvez ainda mais que adivinhadas, se temiam. Mas o importante é que tenha servido de lição, quem dera que na esteira do empate do ano passado em Guimarães que serviu para empertigar o moral. Pois o próximo embate, diante dos mouros, se a lição tiver servido para alguma coisa, pode recolocar tudo no lugar e acabar com o pio das aves.

Posto isto, aproveito para endereçar uma missiva geral, à malta da blogosfera Portista: Por ter recebido algumas mensagens, que muito agradeço pela amizade e preocupação demonstradas, quero descansar o pessoal por não ter actualizado o meu blogue, durante já alguns dias, além de não ter comentado nos dos amigos, nem andado pelo facebook, nos últimos tempos. Apenas aconteceu que, felizmente, tive o meu neto comigo e, como tal, todo o meu tempo foi para ele.

Um abraço.