domingo, 22 de abril de 2012

Quase lá!

O FC Porto recebeu e venceu ontem o Beira-Mar por 3-0 em jogo a contar para a 27ª jornada da Liga Zon Sagres.

O onze inicial não trouxe surpresas, e a equipa de Vítor Pereira entrou no jogo com vontade de resolver de imediato a situação. Entrou com uma boa dinâmica, a jogar em cima do adversário, mas o Beira-Mar estava concentrado simplesmente em ganhar pontos, defendendo, em certas alturas, com todos os jogadores atrás da linha de bola, e apostando mais no contra-ataque rápido, que por desatenção da defesa portista, poderia ter causado estragos. Felizmente tal não aconteceu, até porque Helton, apesar do pouco trabalho que teve, esteve sempre muito concentrado.

Apesar da maior posse de bola (70% contra 30% da equipa de Aveiro) e de circularem a bola quase sempre junto à grande área adversária, a equipa portista não estava a conseguir desbloquear o "autocarro" montado pelo Beira-Mar em frente à sua baliza. Também Janko desperdiçou umas quantas oportunidades, daquelas que um ponta-de-lança tem obrigação de finalizar favoravelmente.

Ao minuto 30, a Curva Sul fez uma homenagem aos 30 anos de Presidência de Jorge Nuno Pinto da Costa, passando então a chamar-se de Curva Pinto da Costa.

Em campo, o jogo continuava, e dois minutos depois desta homenagem Sapunaru é agarrado na grande-área do Beira-Mar por Ricardo Dias, e o árbitro é peremptório a assinalar a grande penalidade, a qual, na minha opinião, é perfeitamente justificável, mas o mesmo não acharam os comentadores da TVI que repetidamente ao longo do jogo foram arrancando argumentos para inviabilizar a decisão do árbitro. Hulk concretizou a grande penalidade.

Com o 1-0, a equipa começou, finalmente, a conseguir penetrar na defesa do Beira-Mar, principalmente após o intervalo.Foi assim que, numa jogada explosiva de Hulk, aos 51 minutos, depois de ter deixado uma série de jogadores aveirenses para trás, cruza para a grande área onde surge Janko, que só precisou de encostar o pé para marcar o 2-0. Foi uma jogada verdadeiramente incrível, de força e velocidade, e que permitiu a Janko redimir-se dos falhanços que até então tinha feito, quer em termos de remates, quer em termos de passes!

Depois deste golo, a equipa do Beira-Mar acabou por ceder à velocidade e pressão dos jogadores azuis e brancos, e o espectáculo começou verdadeiramente. Quatro minutos depois do segundo golo, depois de um centro vindo da esquerda a que Janko não chega, Maicon atrasa para Hulk que marca mais uma vez de forma brilhante, igualando James no topo dos melhores marcadores portistas deste campeonato. Estava feito o 3-0.

Infelizmente o jogo não trouxe mais golos, mas trouxe um bom espectáculo de futebol. O Beira-Mar limitava-se, agora, a tentar evitar a goleada portista, e os nossos médios, Lucho e principalmente Moutinho, construíram jogadas deliciosas, repletas de qualidade técnica e pormenores de encher o olho. James, com mais bola, tentou por várias vezes marcar, bem como Hulk. O jogo ficou marcado, também, pelo regresso de Fernando e Danilo aos jogos para o campeonato, sendo que o lateral direito deixou boas indicações no tempo que jogou.





E assim se construiu uma boa vitória, com uma primeira parte marcada pela dificuldade do Dragão em desbloquear a defesa do Beira-Mar, que ainda assustou com duas ou três oportunidades de golo que Helton conseguiu resolver, mas, ainda assim, com um Porto que tentou por todos os meios (e isso estava evidente nas estatísticas do jogo ao intervalo) marcar. Facturou com a concretização de uma grande penalidade, a que se seguiu uma segunda parte de bom nível. A estrela do jogo foi claramente Hulk, com dois golos marcados e uma assistência que valeu por mais um, e também o meio-campo se apresentou a um bom nível, como já referimos.

Janko começou muito mal, com muitas oportunidades falhadas, chegando a receber alguns assobios de impaciência por parte dos adeptos portistas, mas acabou por se redimir ao não falhar o golo que Hulk lhe entregou de bandeja.


Todas as imagens dos jogos do FC Porto.
(Clique na imagem para entrar)

Na próxima jornada, se o Porto vencer e o Benfica perder pontos, poderemos já festejar o bi-campeonato. A ver vamos, mas a verdade, é que a conquista deste campeonato está somente nas nossas mãos. Estamos quase lá!

Força Porto!

Saudações Portistas,

Carla Correia

3 comentários:

Rui Anjos (Dragaopentacampeao) disse...

O jogo de ontem voltou a mostrar um FC Porto de duas faces. A mais negativa, correspondendo a uma primeira parte de domínio inconsequente, com muitos passes falhados, dificuldades de progressão e sobretudo de uma intranquilidade defensiva de pasmar! As peças nucleares mostrara-se desinspirados e quando assim é, a máquina não carbura.

A mais positiva, correspondendo a toda a segunda parte, com incidência especial para os primeiros vinte minutos em que os Dragões foram arrasadores, construindo um resultado confortável. Nesta fase o futebol saiu fluído, rápido, incisivo e demolidor. O acerto defensivo e muita classe foram determinantes, com subidas exibicionais de todos os jogadores. Destaque para Hulk, uma vez mais decisivo.

O título ficou mais perto mas ainda faltam jogos muito importantes que vão decidi tudo, para o bem (espero) ou para o mal.

Um abraço

dragao vila pouca disse...

Não gostei da primeira-parte, gostei muito da segunda. Na primeira fomos lentos, previsíveis, trapalhões, erramos muito, defendemos mal, se é verdade que podíamos ter marcado mais um golo, também é verdade que o Beira-mar teve várias hipóteses de marcar.

Na segunda-parte tudo foi diferente, em particular depois do segundo e terceiro golo, que aconteceram quase de rajada. Com a vantagem de três golos e a vitória praticamente garantida, a equipa portista tranquilizou, ganhou confiança e a partir daí a qualidade subiu substancialmente, partimos para uma meia-hora final de muito bom nível. Vimos um Porto a ter bola e trocá-la bem, um Porto dominador, capaz de construir jogadas de belo efeito, de criar várias situações de golo, golo que só não voltou a acontecer por questões de pormenor, por algumas más opções na hora de finalizar. Para além disso, nunca o Beira-Mar voltou a ser perigoso, nunca mais, ao contrário do que tinha acontecido na primeira-parte, a equipa de Aveiro incomodou Helton.

Resumindo, vitória justa e inequívoca do F.C.Porto, num jogo com duas partes distintas na exibição do Campeão: má a primeira, muito boa a segunda. O resultado, talvez a mesma diferença, com mais um golo do F.C.Porto e o ponto de honra que o Beira-Mar merecia.
Gostei muito de Alex Sandro que só precisa de jogar para ganhar ritmo, confiança, já que talento tem de sobra. Se tudo correr normalmente, isto é, não houver lesões que impeçam a evolução natural dos jogadores, não correrei muitos riscos se disser que podem estar nas laterais da defesa do F.C.Porto, os dois titulares da selecção brasileira em 2014.
Hulk, com dois golos e uma assistências, foi o melhor, mas momentos houve que parecia apostado em nos irritar.

Nota final:
Estamos em primeiro lugar e com grandes possibilidades para conseguir o título, era o penúltima jogo em casa, mas apenas 33.412 espectadores estiveram esta noite no Dragão. De facto, o portismo de sofá e net, tem ideias para tudo, sabe tudo, é bom a criticar o treinador, a SAD, os jogadores, tudo e mais alguma coisa, mas ir ao estádio... Estava frio e a ameaçar chuva, dava o Barça/Real na televisão...

Magnificas homenagens ao criador dos Dragões, tanto do Colectivo como dos Super-Dragões, com a figura de Jorge Nuno Pinto da Costa a ter o merecido destaque.

Com os golos que marcou esta noite, Givanildo Vieira de Souza, o "Incrível Hulk", tornou-se a máximo goleador do Estádio do Dragão.

Abraço

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Foi uma excelente vitória, com uma primeira parte de alguma ansiedade, mas com uma segunda metade empenhada, com a garra necessária de quem quer ser bi-campeão.

Excelente o apoio do público no Dragão mesmo sendo o jogo numa noite fria e a uma hora já tardia.

Abraço e boa semana

Paulo