domingo, 6 de maio de 2012

Este é o nosso Destino

Por muito que se fale na “roubos de igreja”, como Toni recentemente falou, ou se faça publicidade gratuita a compilações no youtube, como o vice-presidente do clube do regime falou na SIC, ou venha o treinador Jorge Jesus dizer que já chegou ao topo da carreira e não quer andar para trás, certo é, que o FC Porto ganhou mais um campeonato, sem jogadores de clubes adversários castigados irregularmente, sem marcações de jogos fora do reduto dos clubes, conseguiu ser campeão a 2 jornadas do fim, somou 14 pontos em 16 possíveis frente aos 2 principais adversários, ganhou no reduto dos candidatos ao título, será a melhor defesa do campeonato, é actualmente o melhor ataque, tem jogadores valiosos, formou nos últimos 8 anos 2 treinadores portugueses que estão no Top, é recordista das transferências mais caras em Portugal, é o clube que mais ganha no século, é o clube que mais títulos oficiais têm em Portugal, e consegue essa marca histórica que é ter o dobro dos títulos oficiais europeus do que todos os clubes Portugueses.

Por tudo isto, o FC Porto é, há já algum tempo mas desde a época passada, o melhor clube Português de todos os tempos, que se goste ou não, os números estão aí!

Este ano o título estava destinado a outros, que curiosamente, em ano de eleições apostavam tudo, mas a curva descendente do FC Porto, quando foi derrotado em Barcelos com a ajuda fundamental de Paixão, serviu de anestesiante para um Benfica que entendeu que o caminho estava livre e que não se justificava outros meios que não jogar à bola.
Curiosamente, só à 20ª jornada é que o clube entendeu começar a falar de árbitros, depois de ter sido derrotado em Guimarães. Até lá, nunca foram beneficiados e o FC Porto prejudicado?
O papel de hipócrita não me assiste! Mas se o ridículo surgiu nessa altura, quando por várias vezes dirigentes, equipa técnica e jogadores respeitava os árbitros, teve o seu topo na jornada seguinte, onde mais uma vez viram o FC Porto vencer no seu reduto.
O mais fantástico, para além da vitória do FC Porto, é ver um clube queixar-se da arbitragem, quando antes tinham marcado um golo precedido de uma falta inexistente, ou quando um jogador entendeu jogar com os dois braços na bola dentro da área. Curiosamente, num jogo recente do clube do regime com o Marítimo é possível vê rum lance no mesmo local do golo do FC Porto (o terceiro), onde não é marcado fora de jogo a 5 jogadores do clube da casa, com a diferença que quem cabeceou tem a cabeça torta e não marcou golo. Será que este fiscal de linha é tão corrupto como o outro que Jorge Jesus, diplomaticamente, acusou-o?!
Esta análise fica para mais tarde ser feita, pois, é preciso desmascarar estes agentes do futebol fora das 4 linhas para que não intoxiquem a opinião pública. Os adeptos, lúcidos e inteligentes do clube do regime, parece que finalmente começam a entender o que se passa, mas nós Portistas queremos Luís Filipe Vieira como presidente e Jorge Jesus como treinador, pois, mesmo numa das piores épocas do FC Porto, com o treinador adjunto promovido a principal, durante 6 meses, sem avançado centro, conseguimos ser campeões, o que demonstra que nem na nossa maior incompetência os outros conseguem ganhar!

Ontem foi dia de festa. Dragão cheio, homenagem aos campeões, troféu exibido à familia Portista, vitória justa frente ao Sporting e para final a consagração. O jogo teve um grau de dificuldade esperado, o Sporting apresentou-se forte, era esperado contudo o FC Porto até às expulsões, foi sempre uma equipa individualista, com ritmo baixo, preocupada em não sofrer golos é certo, mas adormecida. Era um cenário esperado por parte de uma equipa que fazia a festa e já tinha o título, mas parece que quando os adeptos começaram a assobiar a equipa que acordaram.

Em resumo foi esta a história de um jogo, correcto, apesar de ter tido 3 expulsões, duas delas algo exageradas, como foram as de Polga e Fernando. Mas daí a justificar a derrota com a arbitragem de Pedro Proença é um exagero tremendo, fruto provavelmente dos ares de Lisboa do outro lado da 2ª circular, ou será que Polga a não ser expulso o penalti não seria convertido? Ou será que o Sporting com 10 e a perder 1-0 a 15 minutos do fim, conseguiria virar o resultado?
Não foi um grande jogo a partir das expulsões, mas também não foi um grande jogo antes das expulsões, o Sporting teve uma clara oportunidade de golo em todo o jogo, e foi por intermédio de Polga, um defesa, que rematou fora da área ao poste, convém referir isto!
Para quem tinha que ganhar no Dragão, fez muito pouco…







O FC Porto viu assim cumprida mais uma época sem perder no Dragão para a Liga, somou apenas 2 empates, somou o 5º jogo consecutivo a ganhar para a Liga, confirmou o 5 jogo consecutivo sem sofrer golos, curiosamente, desde que se formou a dupla Maicon e Otamendi, Hulk, deu mais um passo decisivo para ser o melhor marcador do FC Porto com 7 golos nos últimos 5 jogos, tendo bisado pelo terceiro jogo consecutivo.

Ainda falta mais uma jornada, apesar de ontem termos visto um encerrar da época desportiva 2011/2012. Muito provavelmente Victor Pereira irá permitir a jogadores como Mangala, Bracali, Iturbe, Kléber e Djalma de terem mais uma oportunidade nesta época, mas é espectável que a equipa que entre em Vila do Conde seja competitiva ao ponto conquistar os 3 pontos.

Uma nota particular para Iturbe, um miúdo incompreendido, que passou uma época inteira sem somar 90 minutos de jogo, em todos aqueles que fez.
Ontem surgiu bem disposto e enquadrado nos festejos, até parecia que tinha jogado muito no Dragão. É preciso os responsáveis da SAD estarem atentos, o jogador tem valor, admito que não se enquadre no esquema táctico do FC Porto, mas é preciso trabalhar com o jogador.

Quanto a Victor Pereira, apresentou-se muito confiante, sobretudo quando decidiu agradecer aos adeptos numa volta ao estádio a aplaudir muitos daqueles que o assobiaram durante toda a época. Como ele disse, foi uma época de aprendizagem e se Pinto da Costa insistiu em mantê-lo até final, das duas uma, ou confia no trabalho dele, ou então há já algum tempo que tem treinador para a próxima época.
A confirmar nos próximos dias…

Quanto à SAD, muito erros no inicio da época, mas teve dois momentos fulcrais para o sucesso do FC Porto, que foi a contratação de Lucho para limpar um balneário desfeito por alguns jogadores que queriam e exigiam sair (acabaram por sair em Janeiro), e Paulinho Santos que veio fortalecer o espírito do FC Porto no seio da equipa técnica, provavelmente a mais fraca que tenho memória nos últimos anos.

Todas as imagens dos jogos do FC Porto.
(Clique na imagem para entrar)

Todas as imagens dos jogos do FC Porto.
(Clique na imagem para entrar)

Última nota para os adeptos que entusiasticamente estiveram no Dragão e foram parte activa da bonita festa que ocorreu. Nós como adeptos tivemos momentos de repudio à equipa, mas não deixámos de os apoiar. Somos exigentes porque somos Portistas. Não estamos habituados a perder nem queremos estar.



Foi um final feliz para todos, mas há que perceber o que correu mal para que na próxima época não aconteça o mesmo e possamos voltar a brilhar na Europa, e no caso concreto na Champions, que foi a maior frustração da época, e onde, por muito mal que estava o FC Porto, exigia-se que tivesse sido apurado em detrimento de um APOEL!

Depois de amanhã, a equipa volta a treinar para preparar o jogo com o Rio Ave.

Força Porto.
Ricardo Jorge

9 comentários:

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Ontem para além da justa vitória alcançada, assistimos a uma linda festa da família portista.

Foi magnifico e épico.
Após uma época difícil, ontem os jogadores e equipa técnica tiveram a justa homenagem dos seus adeptos.

Somos o melhor clube português, o clube que mais ganha no século, o clube que mais títulos oficiais têm em Portugal, e consegue essa marca histórica que é ter o dobro dos títulos oficiais europeus do que todos os clubes Portugueses.

Abraço e bom fim de semana

Paulo

Artigosonline/ana disse...

Boas,
Já está, o último jogo da época em casa já está jogado e ganho… para o ano há mais! Pode este ter sido o último jogo de algumas das nossas estrelas no nosso
estádio e com a camisola deste grande clube? Não sei… talvez… quem sabe. Mas de uma coisa eu tenho a certeza, a resposta está no mercado de transferências.
Mas não vamos falar disso agora, não enquanto a época não acabar. Concentremo-nos no essencial e hoje o essencial é o jogo frente ao Sporting. Gostei do
jogo, mais da segunda parte que da primeira, mas eu não esperava que fosse fácil, pois o Sporting ainda perseguia o objectivo de chegar ao terceiro lugar.
E, por isso, o primeiro tempo foi tão equilibrado. No segundo tempo as coisas foram ficando mais fáceis para os dragões, em parte fruto das alterações
de Vítor Pereira, que devolveu Hulk à ala e Janko ao centro do ataque. Mas as expulsões no Sporting também ajudaram a desbloquear uma muralha defensiva
que prometia dar água pela barba. Hulk, sempre Hulk, deu a vitória ao FC Porto, mais uma vez marcou de grande penalidade e de bola corrida. O incrível
soma 16 golos, será que ainda vai a tempo de apanhar os dois lideres da tabela de melhores marcadores? Em suma, foi um jogo de festejos, mas com a garra
de campeão em campo e por isso com mais uma vitória.

PS 1 Grande enchente, 50212 grande ambiente nas bancadas!

PS 2 Grande festa no final e mais uma vez acompanhei os festejos no Porto Canal.

Força FC Porto!

Cumprimentos

Ana Andrade

www.portistaacemporcento.blogspot.com
www.artigosonlineanaandrade.blogspot.com

Rui Anjos (Dragaopentacampeao) disse...

Festa muito bonita, principalmente a partir das bancadas, muito bem preenchidas e coloridas, a construir um espectáculo só ao nível dos maiores clubes do Mundo.

O jogo podia ter sido de melhor qualidade já que os intérpretes eram de fino recorte técnico. Mas acabou por ser o espelho de toda a época. Futebol pausado, pouco intenso, com momentos fastidiosos e outros de muito bom nível. Hulk, em noite em que as coisas nem sempre lhe saíram bem, acabou por ser a figura da noite, com mais dois golos.

Vitória justa num jogo mal arbitrado, com prejuízos claros para a equipa da casa.

Um abraço

dragao vila pouca disse...

Um estádio cheio, a maior enchente da época, 50.212 espectadores, um público vibrante, belíssimas coreografias, uma festa linda, antes, durante e no fim do jogo. Isto é o F.C.Porto, indiscutivelmente o melhor clube português... o resto é inveja típica dos perdedores.

Foi um Porto já campeão, em festa, mas sério e sem descurar as suas obrigações profissionais, aquele que se apresentou esta noite no Dragão e venceu com toda a justiça. Frente a um Sporting forte, que lutava pela vaga na 3ª pré-eliminatória da Champions e por isso discutiu o jogo, O F.C.Porto foi competente, teve qualidade, fez pela vida e mereceu os 3 pontos. A réplica leonina, deu ainda mais brilho à festa e à vitória portista.

A primeira-parte foi equilibrada, sem grandes lances de perigo, mais posse e mais domínio do Bi-Campeão, mas a que o Sporting respondeu sempre bem, a partir de um bloco baixo, bem organizado e com saídas rápidas para o ataque. Tudo somado, resultado justo, partida entretida e correcta.

A segunda e até à primeira expulsão, indiscutível, de Onyew, foi muito parecida com a primeira. O jogo continuou equilibrado, a ser mais disputado no meio-campo, os guarda-redes continuaram tranquilos, com a excepção a ser um remate de ressaca de Polga que bateu no poste da baliza de Helton e que daria um injusto 0-1.
Apesar de já se notar um ligeiro ascendente da equipa treinada por Vítor Pereira, só depois da saída do central leonino é que o jogo ficou desequilibrado, quase só teve um sentido e como consequência surgiu o golo - penalty claro e expulsão justa de Polga, sobre James, com Hulk a transformar. Em vantagem e o Sporting reduzido a 9, acabou o jogo e só a falta de pontaria, alguma displicência e azelhice na hora de finalização, retardaram o segundo golo, que só viria a acontecer, novamente por Hulk, já perto do minuto 90.
Em resumo, na festa do Campeão ganhou bem o Dragão e por números certos. Arbitragem sem qualquer influência no resultado, embora tratando-se dos calimeros, nunca se saiba, mesmo que durante o jogo e em particular na primeira-parte, Proença tivesse errado mais contra o F.C.Porto.

Abraço

Armando Pinto disse...

Voltei ontem a ser campeão no sofá (lá teve de ser)...e gostei de ver a reportagem do Porto Canal, antes e depois, bem completa desta vez. Escusando necessitar de acrescentar muito mais, pois todos vimos e sentimos o mesmo. Continuamos em grande, felizmente, com estas vitórias e toda a vivência que isto de ser Portista continua a proporcionar!
Abraço.

Anónimo disse...

Olá.
Viva o Porto!!!!!
Uma pergunta se me permitirem.
Porque designam o SLB de clube do regime?
cumps
Antonio, Franca

Dragus Invictus disse...

Bom dia António,

Antes demais, obrigado pela sua visita.

Parte I

Geralmente os portistas, associam o SLB ao regime fascista de Salazar, tempo em que o Fado, Fátima e Futebol entretinham um povo que passava necessidades.

Benfica, Sporting e Belenenses, clubes da capital eram protegidos pelo poder centralista. O resto do país era a designada província.

António de Oliveira Salazar adoptou o centralismo económico e concentrou em Lisboa não apenas o poder político e económico como também cultural e desportivo. Salazar, grosso modo, separou Lisboa do resto do país.

No futebol o "Sistema Político Fascista e Centralista-Salazarista" foi claramente favorável aos clubes de Lisboa, principalmente ao Benfica, que era o mais popular. O Regime Fascista utilizava as vitórias e conquistas dos clubes de Lisboa e, especialmente, do Benfica para enaltecer a sua grandeza e usar o futebol como um meio de “entretenimento” e um escape à fome e a miséria que trouxe o fascismo.

Não é por acaso que o Benfica é conhecido por “encarnados”. O vermelho sempre esteve associado ao comunismo, que, por sua vez, era antagónico ao fascismo. Logo, o Benfica não podia ser referenciado como os “vermelhos”, jamais! Por isso os benfiquistas são “encarnados”.

a continuar...

Dragus Invictus disse...

Parte II

É bem conhecido o Caso Calabote. O árbitro Inocêncio Calabote na tarde de 22 de Março de 1959, na célebre arbitragem do Benfica - Cuf (7-1) da última jornada do campeonato de 1958/59 (ganho pelo FC Porto), prolongou o jogo por 15 minutos, à espera de um golo que daria o título ao Benfica.

Os jogadores do FC Porto desesperavam sentados no relvado do Torreense, à espera que terminasse o jogo para celebrarem o título. Numa entrevista que deu sobre o caso, o "inocente" Calabote afirmou: «Na manhã seguinte, em Évora, preenchi o relatório do jogo, que mandei para a Comissão. Tinha assinalado três pénaltis e expulsado três jogadores da CUF. Creio que não houve mais nada de especial a registar. (...). Além disto o guarda-redes da CUF, numa misteriosa tarde infeliz sofreu 7 golos. O Porto conquistou o campeonato por ter mais golos marcados.

O FC Porto, e a cidade do Porto, eram o foco de resistência, o símbolo do contra-poder, o baluarte do Norte.

Com o fim do fascismo, em 25 de Abril de 1974, foi restabelecida a democracia e, mais ainda, com a chegada de Jorge Nuno Pinto da Costa a presidente do Futebol Clube do Porto em 1982, o futebol português também teve a sua revolução de Abril. Passando assim as conquistas futebolísticas também a caber a clubes como o Fc Porto e Boavista.

Há uns tempos a RTPN decidiu realizar um programa do “Trio da Ataque” na estação ferroviária do Maputo em Moçambique. Este programa era para recordar e homenagear algumas glórias do Futebol Moçambicano que fizeram carreira em Portugal, e no Benfica em particular, tais como Eusébio e Mário Coluna.

Eusébio e Coluna foram importantes nos sucessos e êxitos do Benfica na década de 60/70 e da Selecção Nacional, nomeadamente o 3º lugar alcançado por Portugal no Mundial 66.

No referido programa esteve Mário Coluna e o jornalista Hugo Gilberto na entrevista trouxe ao lume a passagem de Coluna pelo Benfica. Mário Coluna era um jogador muito respeitado no seu tempo, era o capitão, e até os seus colegas do Benfica e da selecção não o tratavam por “tu”, mas sim por Senhor Coluna, como já referiu muitas vezes Eusébio.

Foi nesta entrevista que Coluna confirmou e reforçou orgulhosamente que o Benfica, tinha o respeito do regime de Salazar. Para bom entendedor meia palavra basta, era o clube do regime. Se alguma duvida ainda houvesse, Mário Coluna, desfez essa dúvida. Com muito orgulho, Coluna confidenciou que foi convidado pessoalmente por Salazar para cortar a fita de inauguração da Ponte Salazar (agora 25 de Abril) em 1966, uma das obras mais proeminentes do Estado Novo, pois tratava-se à data da 5ª maior ponte suspensa do mundo. Estiveram igualmente presentes na inauguração os três grandes pilares do regime: Américo Tomas, António Salazar e o Cardeal Manuel Cerejeira. Esta entrevista de Coluna é uma confirmação para todos nós, que o Benfica era o Clube do Regime o que lhe permitiu durante décadas consolidar a sua supremacia no Futebol Português.

Entre 1933 e 1974 o Benfica conquistou à custa do apoio do regime, que inclusive até jogadores desviava, tais como Eusébio, desviado do Sporting, jogadores do FC Porto que se evidenciavam eram logo desviados para os mouros, e treinadores como Béla Guttmann que foi campeão em 1959 no Porto, e que foi desviado também, e que deu ao Benfica as duas únicas taças dos campeões europeus que possuem. Bela Guttmann foi recebido por Américo Tomás (Presidente da República) e Oliveira Salazar (presidente do Conselho de Ministros) e feito comendador, tal como os jogadores do Benfica.
Durante o Estado Novo o SLB obtiveram a maioria absoluta do seu palmarés. Conquistaram 1 Campeonato de Portugal em 1934/35, e 20 Campeonatos Portugueses, além das inúmeras taças de Portugal.

Pode ainda ler mais isto http://dragaodoente.blogspot.pt/2008/11/carta-de-adriano-lima-rui-moreira.html

Abraço

Paulo

Dragus Invictus disse...

A título de curiosidade o FC Porto foi campeão nacional em 1955/1956, e não foi por direito convidado a participar na Taça Latina, pois estávamos no Portugal Fascista, e por conseguinte foi o Belenenses que participou a CONVITE, mesmo sem ter sido campeão.

Abraço

Paulo