segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Entrevista exclusiva a Pedro Clara, atleta de Boccia do FC Porto

Pela primeira vez no Pronuncia do Dragão teremos o prazer de entrevistar um atleta do nosso FC Porto. 

E não é um atleta qualquer, trata-se de Pedro Clara, atleta de boccia, possuidor de um palmarés invejável, e que muito tem honrado, aqui e além fronteiras o FC Porto e o nosso País. 
Trata-se de uma entrevista pós Jogos Paralímpicos, nos quais apenas conquistamos 3 medalhas, e nada melhor que Pedro Clara para nos falar da actual situação da modalidade que pratica em particular, bem como do Desporto Adaptado. 

Honra-nos a nós portistas o ecletismo do nosso clube, e o brio com que os atletas do desporto adaptado azul e branco, disputam cada competição, mesmo em condições difíceis, e muitas vezes sem os apoios devidos. 

Iremos também abordar algo que muito se fala na altura dos Jogos Paralimpicos. 
O porquê da imprensa não dar a cobertura das competições ligadas ao desporto adaptado a nível de clubes, e só se lembrarem destes valorosos atletas quando vencem uma medalha, e o porquê do Estado Português, por intermédio dos seus ministros, só aparecer na altura de posar para a foto com o medalhado. 

Estes e muitos temas serão abordados nesta entrevista. 

Antes de mais, obrigado por ter aceite o convite para esta entrevista, onde iremos abordar o Desporto Adaptado, e em particular o Boccia, na qual é um atleta referência, conquistando inúmeros títulos para o nosso FC Porto.
Em primeiro lugar pedimos-lhe uma pequena apresentação pessoal, pois infelizmente para muitos dos leitores do Pronuncia do Dragão, é um desconhecido dada a pouca visibilidade que é dada ao boccia?
Sim, infelizmente a visibilidade é quase nenhuma. Chamo-me Pedro, tenho 29 anos, vivo na Maia e pratico boccia no FC Porto há 8 anos. 

Como surgiu a oportunidade de ser atleta na modalidade e no FC Porto? 
Em 2004 soube que o clube tinha desporto adaptado e na altura indicaram-me a natação. Mas depressa percebi que nessa modalidade, não tinha hipótese de competir contra pessoas que tinham condições físicas muito superiores a mim e, como sou uma pessoa que só gosto de desporto de alta competição e adoro jogar para ganhar, tive que descobrir se existia outra coisa. No início de 2005 surgiu-me a possibilidade de experimentar o boccia. Percebi logo que aquela era a minha modalidade e hoje isso confirma-se! 

Explique aos nossos leitores em que consiste o Boccia? 
O boccia é uma modalidade que qualquer pessoa, independentemente da lesão muscular ou cerebral pode praticar. Existem 4 tipos de classe: BC1 – atletas com paralisia cerebral que necessitam de um acompanhante para lançar a bola ou direcionar a cadeira. BC2 – atletas com paralisia cerebral, mas que conseguem ser independentes durante o jogo, quer a lançar as bolas, quer a direcionar a cadeira. BC3 – atletas com paralisia cerebral ou não (deficiências motoras incapacitantes ao ponto de não conseguirem lançar as bolas sozinhos) que necessitam não só de um acompanhante mas também de uma calha (rampa) para efetuarem o lançamento das bolas. BC4 – que é o meu caso – atletas apenas com deficiência motora ou física que são capazes de jogar sozinhos, quer para lançar as bolas quer para direcionar e movimentar a cadeira.                                         

José Carlos Macedo
Tem algum ídolo na modalidade? 
Pode-se dizer que sim ... O atleta do SC Braga José Carlos Macedo. 

Qual o momento mais marcante da sua carreira? 
Felizmente, já tive vários momentos marcantes, aquando das conquistas de alguns títulos, quer a nível individual quer em pares, mas o momento mais marcante foi sem dúvida quando decorria o ano de 2007, onde em Fátima fui Campeão de Portugal e no regresso fui convidado para ir ao Estádio do Dragão para ser homenageado, no último jogo do campeonato. Lembro-me que em muito jovem, um dos meus sonhos era sentir o calor de uma moldura humana a apoiar-me e a ovacionar-me. Nesse dia esse sonho foi concretizado e ainda hoje quando me recordo disso, me consigo sentir completamente “arrepiado” da emoção do momento indescritível e sem dúvida mais marcante da minha carreira! 

Que título lhe deu mais gozo vencer? 
Costuma-se dizer que o primeiro título é sempre o mais saboroso e ambicionado, comigo foi exatamente igual. Em 2007, e embora o título não tenha sido o mais importante, na altura fui campeão regional, mas teve um sabor ainda mais especial, porque na altura venci o Tri Campeão do Mundo e Vice - Campeão Paralímpico, Bruno Valentim. Para mim, nesse jogo da final esqueci o tipo de campeonato que era e só quis desfrutar do momento de defrontar um gigante como ele e claro, o facto de ter ganho o meu primeiro título dessa forma, foi sem dúvida o título que me deu mais gozo vencer. 

Na sua opinião qual o melhor jogador da actualidade português e estrangeiro? 
Falando apenas em atletas da minha classe, em Portugal há neste momento 3 excelentes atletas e penso que estamos mais ao menos ao mesmo nível e por isso, temos partilhado os títulos entre nós, nos últimos 2 anos. Estou a falar dos meus adversários mais diretos, Fernando Pereira (APPC do Porto) e Domingos Vieira (SC Braga). Quanto ao estrangeiro, a concorrência é elevadíssima e existem uns 10 atletas que poderemos dizer, estarem todos a um nível equiparado, onde muitas vezes é a sorte que decide quem vence. Mas posso dar alguns exemplos: do Brasil, existem dois que até agora continuam invencíveis já há 4 anos. Depois há os atletas de países como China, Canadá, Inglaterra, Espanha, Rep. Checa, Hong Kong, todos eles a um nível excecional! 

O SC Braga é uma referência na modalidade e tem fomentado imenso a mesma, pensa que o FC Porto está a perder caminho para o SC Braga? 
São duas realidades completamente diferentes uma da outra e a verdade é que não as podemos comparar da mesma forma os dois clubes e a maneira como estão no boccia. O SC Braga abriu a secção do boccia e consegue sustentá-la através de patrocínios que conseguem pagar as despesas dos atletas e seus acompanhantes. As pessoas envolvidas lutam para que a modalidade possa ser sustentada e conseguem. No FC Porto as coisas não acontecem da mesma forma. Há apenas um patrocínio de uma empresa quando muito, como por ex. a TMN ou o BANCO ESPIRITO SANTO mas essa verba não chega para quase nada, até porque o FC Porto não tem apenas o boccia, tem também a natação e o ténis de mesa. Nós atletas, achamos que o desporto adaptado não é apoiado como devia e não sei porque é que por exemplo, uma vez que cada vez é mais difícil suportar as despesas de tantos atletas, em deslocações e estadias, O FC Porto não admite que não tem as condições necessárias para o fazer e não pede ajuda às empresas para que nos patrocine, como faz por exemplo a equipa do SC Braga. Eu, que já estou no boccia há 8 anos sempre fui apoiado, quer com equipamentos, quer com despesas de deslocação a campeonatos, o ano passado vi a minha participação ao campeonato nacional no Seixal condicionada, porque fui eu que tive que pagar a deslocação. Facto que achei lamentável, uma vez que sempre representei o meu clube com todo o respeito e dedicação. Portanto, quando se fala do facto de o FC Porto “estar a perder terreno” para o SC Braga, a verdade é que o FC Porto na modalidade do boccia, nunca teve à frente do SC Braga, quer pela forma como sustentam o boccia, quer pela forma exemplar que lidam com os seus atletas e lhe dão o ânimo necessário e que qualquer atleta gosta de receber! 

Li há uns dias uma notícia de que o Boccia se encontra em crise, e que Portugal deixou de ser uma potência no boccia. Acha que o problema reside onde? 
A grande questão não será essa ... Não penso que o facto de já não sermos a potência que éramos se deve a uma crise no boccia, mas o principal reside na forma como os outros países se preparam. Portugal prepara-se da mesma forma de sempre, ao longo de vários anos, os outros países é que atualmente se preparam de uma forma muito superior e claro que os resultados têm que aparecer. Estou convencido de que se o Estado investisse no desporto adaptado como por exemplo, o Brasil, a China e a Inglaterra os resultados seriam bem melhores. 

O que pensa do actual panorama do Boccia e do desporto adaptado em geral em Portugal e do seu futuro? 
O atual panorama é o mesmo que referi na pergunta anterior ... o Estado Português não investe nem apoia os seus atletas e no futuro será muito difícil garantirmos a participação nos Jogos Paralímpicos de 2016 em algumas das classes. Sem condições os resultados não irão aparecer com certeza. 

Corrobora da opinião do Presidente do Comité Paralímpico de Portugal (CPP), Humberto Santos, que existem falta de patrocínios e outros apoios do sector privado ao desporto adaptado? 
Sem dúvida que os patrocínios são praticamente nulos. Só quando temos uma alma “caridosa” a dar este ou aquele patrocínio, como por ex. em 2008 quando o futebolista Luís Figo e a Galp doaram uma verba para os Jogos Paralímpicos. Caso contrário, os apoios não existem. Mas ao falar de falta desses apoios, também não nos podemos esquecer que mais uma vez o Estado não dá o exemplo. Paga sempre mal, e como se não bastasse ainda paga atrasadíssimo. Só o mês passado me foi liquidado por ex. o valor de uma medalha ganha no campeonato da Europa que já foi no ano de 2009!! Quanto às bolsas, o atraso já vai em 7 meses! Isto já para não falar da grande descriminação que fazem em relação a atletas olímpicos e paralímpicos. Somos atletas portugueses todos mas pelos vistos não nos consideram como aos outros, e até no valor das medalhas e prémios fazem sentir essa diferença! 

"Gigantes somos nós. Uma pessoa que supera uma deficiência, vem aos Jogos Paralímpicos e vem dar o seu melhor não merece muito mais louvor que quem dá dois chutos numa bola" e “um atleta paralímpico merece muito mais reconhecimento do que quem dá dois chutos numa bola", afirmou Simone Fragoso nadadora paralímpica, lançando uma dura crítica a Cristiano Ronaldo, que poderia no entender dela ter dado apoiado a missão portuguesa. Que pensa desta declaração? 
Penso que todos os atletas com deficiência sentem essa revolta e nessas declarações não falou só por si mas por nós todos. E quanto ao facto de “pedir” apoio a um atleta tão conceituado, claro que não podemos exigir nada a ninguém, mas penso que ficaria bem, não só ao Cristiano Ronaldo como a tantos outros futebolistas portugueses que não ficariam pobres se nos apoiassem um pouquinho que fosse. 

Como comenta a prestação portuguesa dos seus colegas de boccia nas olimpíadas? 
Em geral, penso que foi uma prestação positiva dos meus colegas. As duas medalhas vieram do sítio onde eu pessoalmente mais esperava. São os 3 melhores atletas da classe em Portugal e por isso, os que melhores condições reuniam para o fazer. Mais uma vez, Parabéns!! 

Ficou surpreendido pelo facto de Portugal no conjunto de todas as modalidades, ter só obtido três medalhas, duas no boccia e uma na prova do salto em comprimento F20? 
 Sinceramente não me surpreendeu, uma vez que sabia a forma como os outros países se estavam a preparar. Investiram de uma forma monstruosa nas várias modalidades e por isso digo que apesar de tudo, 3 medalhas em geral foi bastante positivo. Em comparação com os olímpicos mais uma vez, o país foi melhor dignificado! 

Gostaria que na página oficial do FC Porto fosse dado o devido destaque, quer ao boccia como às restantes modalidades do desporto adaptado? 
Sim, infelizmente ainda aparece muito pouco do que realmente se passa. Penso que qualquer atleta gosta de ser tratado como um outro dito “normal”. Incomoda-me o facto de algumas vezes publicarem uma notícia sobre mim e nem uma fotografia colocarem. 

Sentem-se injustiçados, pelo facto da imprensa e poder político, só se lembrarem que existem na altura dos Paralímpicos? 
Sem dúvida. Durante o ciclo de 4 anos ninguém se lembra. Há provas muito importantes como os Campeonatos da Europa e do Mundo e a imprensa nada diz. E mesmo nos paralímpicos praticamente só passam as notícias em rodapé e acabam por não divulgar quase nada. Quanto à classe política, sinceramente enoja-me a hipocrisia dos nossos ministros. Na altura de receberem os nossos atletas, a forma como fingem importarem-se connosco e elogiar-nos para passar a boa imagem para Portugal, é absolutamente ridícula. Esquecem-se que não vivemos de palavras e que queríamos justiça, nada mais, e ser bem tratados como merecemos! 

Quais os objectivos colectivos da equipa de Boccia do FC Porto, e os seu individual? Quer numa categoria quer noutra, o objetivo será vencer sempre. Manter o 1º lugar do ranking a nível coletivo e recuperar o 1º lugar a nível individual são os grandes objetivos. 

Que dirigentes, companheiros de equipa e treinadores mais o marcaram na sua carreira, e em que medida? 
Há sempre um atleta que não posso deixar de falar, o qual me lançou neste desporto e com quem durante alguns anos fiz dupla no FC Porto e vencemos títulos atrás de títulos que é o Fernando Pereira. Inclusivamente, também venceram uma medalha de prata no Europeu 2009, o ponto mais alto a que cheguei até agora! O treinador também é uma pessoa importante, infelizmente no boccia o treinador é um voluntário e não pode passar tanto tempo como gostaria com os atletas, mas isso são fatores que não podemos contornar. É o mesmo treinador de há 8 anos, além de ser um treinador já é mais que isso, ensinou-me muitas das coisas que sei hoje e claro que não pode deixar de ser uma pessoa marcante para mim! 

Que pensa do papel dos blog’s na divulgação do deporto adaptado? 
Acho muito importante, sem dúvida! Será triste dizer isto, mas a verdade é que o facto de existir este blog e sentir que nos dão cobertura, compensa sempre a falta de apoio que de certa forma sinto por parte do meu clube. Mais uma vez digo que, se não for o trabalho voluntário das pessoas à volta dos atletas, não temos mais nada onde nos agarrar! 

Qual o conselho que quer deixar aqui, a todos os jovens que queiram ingressar no boccia, ou noutras modalidades do desporto adaptado do FC Porto, e como o podem fazer? 
Se quiserem praticar não pensem duas vezes e venham fazê-lo, porque apesar das críticas que há sempre para fazer, o desporto acima de tudo, faz bem e ajuda-nos também na nossa integração social. Posso dizer que o boccia foi um grande responsável para uma certa mudança na minha vida, quer a nível desportivo, quer social. Quem quiser é só deslocar-se ao Estádio do Dragão e pedir para falar com a D.ª Rosa Maria, que é uma excelente pessoa e faz muito para que o desporto adaptado continue. 

Três perguntas pessoais: Cidade predilecta? Hobbies? Sonho por cumprir? 
Cidade preferida: Dubai e Sidney; Hobbies: Internet, TV, Música, Ler…; Sonho: Ganhar um título internacional. 

Agradecemos a sua amabilidade para esta entrevista. Foi uma honra para o Pronuncia do Dragão e seus leitores. Quer deixar alguma mensagem aos nossos leitores? 
Felicitar pelo excelente trabalho que têm feito e agradecer a forma como têm divulgado o desporto adaptado. Tudo o que for preciso para continuar a divulgar eu também farei! 

Palmarés de Pedro Clara

4 comentários:

ℙΣ₦₮∀ ➀➈➆➄℠ disse...

Paulo,

ao ler esta entrevista apercebi-me das futilidades desta vida, de como somos pequeninos e da felicidade extrema que tenho (temos?) em poder desfrutar da Vida.

parabéns! e obrigado!

abr@ço
Miguel | Tomo II

Dragus Invictus disse...

Bom dia Miguel,

Acredita!

Obrigado e abraço

Paulo

Ricardo Almeida disse...

Não deixa de ser curioso que um atleta com este palmarés não seja levado aos Jogos Paralímpicos. Isto só mostra que a seleção é uma "panelinha", cheia de interesses.

Grande Pedro, continua a lutar, continua a ganhar. É a forma de "abanar" as pessoas que mandam no Boccia. Sim, porque aquela malta age como se a modalidade e a seleção lhes pertencesse.

Parabéns pelo artigo!

Dragus Invictus disse...

Obrigado pelas suas palavras Ricardo.

Volte sempre

Boa semana