domingo, 12 de maio de 2013

Eles são Bons, mas nós é que estamos em 1º!!!

Os dirigentes do clube do regime continuam a demonstrar que são uns meros aprendizes no mundo do futebol. O plano tinha tudo para ter sucesso mas a arrogância falou mais alto. Este sintoma passa para a equipa técnica e por fim chega aos jogadores!

Senão vejamos…

A final da Taça da Liga não podia ser ganha pelo FC Porto. Assim, em caso de sucesso nas 3 provas, o FC Porto continuaria à frente em relação ao número de títulos conquistados. E assim surgiu Capela… Já nem vale a pena voltar ao tema da exclusão do FC Porto da prova e dos esforços redobrados da LPFP em excluir o FC Porto...

Depois, quando se aproximou os jogos decisivos, Sporting e Marítimo, primeiro Capela, depois os jogadores do Marítimo, pois uma equipa que tinha claras hipóteses de ir à Liga Europa, abdicou em troca de algo, e abdicou mesmo, pois quem provoca um penalti aos 4 minutos e faz um auto-golo e assim dá os 2 golos ao adversário, não quis correr o risco do clube do regime perder pontos…

Com o sucesso a transbordar pela cabeça, eis que surgem os primeiros festejos, a conquista da Liga, a conquista da Liga Europa e só não falaram da Taça de Portugal, porque essa está mais que ganha!!!

E quando pensavam que o jogo do Estoril não seria preciso intervenção divina da Terra, eis que caem ao tapete e só não se estatelaram ao comprido porque o Estoril e o árbitro erraram e muito!

É normal que quando souberam que Pedro Proença, o melhor árbitro de Portugal e dos melhores do mundo, ia apitar o clássico, ficassem ansiosos. Pedro Proença erra, mas não erra a pedido e isto é algo que sai fora do controlo dos dirigentes do clube do regime e não gostam!

Ontem o FC Porto deu uma grande lição de humildade e espírito de sacrifico colocado em campo e não fora de campo.
O jogo não foi bonito porque o adversário tinha que defender a vantagem, vencer no Dragão nunca foi objectivo daquela equipa, porque não estava confortável com a arbitragem, porque estava cansado e porque sabia que ia ter um FC Porto forte. O medo de ser goleado pairava no ar e entende-se que tenham chegado ao Dragão, como uma equipa que luta para não descer de divisão e que iria ficar muito contente com 1 empate!

O FC Porto no ano que conquistou a Liga Europa, foi a Lisboa e não quis perder a possibilidade de ser Campeão no reduto deles. A isto chama-se ambição, garra e no entanto, também chegou à final da Taça de Portugal, ou seja, o cansaço e a gestão dos jogadores não é desculpa, pois o FC Porto já passou pelo mesmo e venceu mesmo, não as 3 provas que Jorge Jesus tanto fala, mas ainda venceu a Supertaça frente ao clube do regime.

Chamam a isto época fantástica do clube do regime? Tenham vergonha e respeitem o FC Porto…

O FC Porto ganhou e ganhou bem. Ganhou porque foi a equipa que até ao fim acreditou e queria ganhar, ganhou sem ajudas dos árbitros, ganhou com fair play e até no final do jogo deu uma lição de sabedoria e concentração ao abandonar o relvado sem entrar em festejos ridiculos, até porque falta mais 1 vitória.



Precisamente, falta mais 1 vitória e a concentração tem de continuar até ao último minuto na Mata Real. O facto de o Paços ter assegurado já a Champions pode em teoria facilitar mas há que estar preparado para tudo, e o tudo, é a extra-motivação do adversário, tipo a do Marítimo frente ao clube do regime, mas na versão para não perder e a equipa de arbitragem a ser nomeada.

Mas uma coisa é certa…

Estes jogadores ganharam uma dose extra de força e com a Mata Real a transbordar de Azul e Branco nada nos irá impedir de conquistar o 27º título e o 73º título oficial da história do clube.

Última nota para o ambiente fantástico que esteve no Dragão. Os adeptos acreditaram e os jogadores corresponderam. Esta sintonia é para se manter na Mata Real no próximo fim de semana.

O dia está a chegar…

Força Porto.
Ricardo Nuno Goncalves Jorge

3 comentários:

dragao vila pouca disse...

Houve muito Proença e ainda bem. Ninguém pode acusar o árbitro de Lisboa de ter favorecido o F.C.Porto, pelo contrário. Proença arbitrou condicionado, pressionado, na dúvida, sempre contra a equipa dos Dragões.

Houve muita emoção, entusiasmo, muito público e muito apoio, um final que deixou marcas positivas e para mais tarde recordar nos portistas e marcas que se tudo correr normalmente, os benfiquistas tão cedo não esquecerão, mas não foi um grande jogo.

E houve pouco Porto. Pressionado pela necessidade de ganhar, frente a um adversário que jogou apenas para empatar, o F.C.Porto esteve ansioso, nervoso, pouco esclarecido, acusou a importância do jogo, não esteve inspirado. Se se juntar a isso, o facto de alguns dos seus principais jogadores não estarem numa noite feliz, estão explicadas as razões para a vitória, justa, mas muito difícil do F.C.Porto. Foi uma vitória na amarra, da crença, da alma e de um espírito consolidado. É a marca do Dragão, aquilo que mais ninguém tem e que nos leva a acreditar e nunca desistir, mesmo quando as coisas parecem perdidas. Foi assim nesta parte final do campeonato, em particular depois de ficarmos a 4 pontos da liderança, foi assim hoje, quando o sonho parecia estar a fugir-nos . Não estava. Mais uma vez, o herói improvável, Kelvin, entrou e a passe de Liedson - o Levezinho não decidiu, mas ajudou a decidir -, resolveu.

É verdade que tivemos mais bola, quisemos mais ganhar, mas nunca fomos uma equipa dominadora, organizada, profunda, contundente. Não seria fácil, o tempo corria a favor do clube do regime, o maior desgaste físico e mental foi de quem só lhe servia a vitória, é verdade, mas e como já disse, faltou brilho e qualidade à exibição portista. Faltou, principalmente, o talento de James e o Jackson da 1ª volta. Valeu o mal amado Varela - grande bofetada de luva branca está a dar o Dragba da Caparica a alguns portistas ...- e tal como frente ao S.C.Braga, o puto Kelvin, capaz de perder bolas fáceis, mas também capaz de tirar coelhos da cartola.

Estamos no nosso habitat natural a uma jornada do fim e quando assim é, não costumamos facilitar. Mas termino como comecei: calma e caldos de galinha, não fazem mal a ninguém. É esse o nosso lema. Quando não se embandeira muito em arco nas vitórias e não se dramatiza muito as derrotas, estamos sempre protegidos e as desilusões, mesmo as mais difíceis de suportar, duram apenas um ou dois dias.

Abraço

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Ao fim de 29 jornadas estamos no nosso lugar, e temos uma oportunidade única de conquistar o Tri, quando a imprensa já anunciava os encarnados como campeões nacionais.

O nosso adversário apresentou uma estratégia de contensão e de anti-jogo e teve em Pedro Proença o aliado perfeito.

A partir dos 70 minutos da segunda metade, foi um anti-jogo constante dos encarnados, que ora atrasavam reposições de bola, ou se atiravam para o tapete a solicitar assistência médica.

Fomos felizes na obtenção do golo, quando muitos de nós já não acreditava, mas acabamos por merecer face à atitude do adversário.

Nada está ganho, pois iremos ter um difícil jogo na Mata Real, mas o nosso adversário também não terá vida facilitada pelo aflito Moreirense.

Será importante o apoio da massa adepta do FC Porto que rumará a Paços,e juntos seremos Tri Campeões.

Abraço e boa semana

Paulo

André Pires disse...

Um Bom Blogue para Seguir: Patadas no Borges!
Passem por lá!

Patadas no Borges