sábado, 21 de agosto de 2010

É incrível o que estão a fazer a Queiroz

(Artigo escrito há cinco dias.)



É incrível o que estão a fazer a Queiroz.

Desde que há uns anos o neo-liberalismo se apoderou de Portugal, e de quase todo o mundo, é assim. Quando os de cima – que nem sempre são os mais inteligentes e raramente são os melhores – querem despedir os de baixo, inventam uma atoarda, dão fio à estrela e lançam o mais odioso enxovalho sobre aquele que querem publicamente denegrir, para depois o poderem pôr na rua.

Então, no mundo associativo, a peste é bem pior do que aquela que na Idade Média assolou a Europa.

Homens sem escrúpulos, como abutres de bico sangrento num campo de batalha, estão hoje alojados em muitas áreas do movimento associativo para, na primeira oportunidade, descer num voo guloso de carne podre sobre as vítimas incautas.

É claro que não estou a falar da Direcção da Federação Portuguesa de Futebol, que muito prezo, estou a avisá-la, não vá ela confundir-se com esta casta, que ninguém controla e até tem palco televisivo.

Então Queiroz cometeu tais despautérios em Maio e só agora é que se deu conta?

Os Senhores da Federação que se enxerguem, se não querem ir na enxurrada dos abutres.

É que, tal como os vampiros do Zeca Afonso, “eles comem tudo, eles comem tudo, eles comem tudo e não deixam nada”.

3 comentários:

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Não podia concordar mais consigo Azulibranco.
Mais assertivo acerca deste assunto não podia ser.
Na minha opinião tentaram a todo o custo arranjar um motivo para despedir com justa causa o seleccionador.
Tiveram azar...porque desta vez, FC Porto e Benfica uniram-se na defesa de Queiroz ... e o plano dos abutres caíu por terra.

Abraço e bom fim de semana

Rage disse...

Neste caso esquisito há duas partes estranhas na minha opinião, uma que é a tentativa de despedir o treinador com justa causa através destas manobras paralelas e outra é a vitimização do próprio treinador quando até este processo iniciar tudo era um conto de fadas. O Queirós quando saiu anteriormente da Selecção disse que se tinha de varrer a porcaria mas parece que ficaram lá todos.
A solução ideal era todos colocarem o seu lugar a disposição e reformular novas ideias para um organismo que esta fora da lei.

Cumprimentos e bom fim de semana!!

Ricardo Jorge disse...

Boas, eu por acaso tenho uma opinião diferente deste caso e daí estar mais contido nas opiniões. A cena de pugilato no aeroporto da portela, com um jornalista tb foi culpa da FPF? A convocatória para o mundial sem coerencia de critério? A forma como a equipa abordou os jogos da Costa do Marfim, Brasil e Espanha? O caso Nani? A falta de pulso para com Ronaldo e pulso a mais para Deco?
Bom, o que eu acho que a FPF está a fazer é claramente livrar-se de Carlos Queiroz, da forma menos dispendiosa. Se é honesto e justo? Não, mas qual das partes é que se pode queixar mais uma da outra? O que está provado é que Carlos Queiroz, seleccionador nacional, que representa Portugal ao mais alto nível do desporto, insultou um membro do conselho de dopagem, em pleno estágio da selecção. Depois criticou o relvado onde a selecção estagiou, entre outras coisas...
Quanto à união dos clubes, é normal. Nem Porto, nem Benfica querem pactuar com a FPF, a qual têm ambos razões de queixa e para além disso, Carlos Queiroz esteve perto de ingressar no Benfica, pela mão do actual presidente e fala-se que tb foi sondado por Pinto da Costa, pelo que é politicamente correcto esta posição dos clubes.
Para mim é simples: É pegar na frase de há 1 década atrás de Carlos Queiroz sobre a limpeza a efectuar na FPF, ou seja, Cristiano Ronaldo perder a braçadeira de capitão (se quiser representar Portugal representa se não quiser que fique com Mourinho, que ou muito me engano ou um deles irá sair no final da época de Madrid), Carlos Queiroz ter a dignidade de se demitir e a direcção da FPF demitir-se em bloco, incluindo claro, o Presidente Madail.
Quanto ao secretário de estado para o Desporto, lamento que no caso do FC Porto e do impedimento da Champions, ter tido o silêncio e o distanciamento, e agora desdobrar-se em comentários sobre este caso.
Será que as pessoas não percebem que temos e produzimos dos melhores jogadores do mundo, bons treinadores (vejam Fernando Santos na Grécia) e depois na organização somos um zero à esquerda? É isto que tem de mudar.

Ricardo Jorge