terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Feliz aniversário Presidente! 73 anos de vida ... 48 anos dedicados ao seu FC Porto!

Quem promete ... cumpre!

Lennart Johansson, Antigo Presidente da Uefa
"Jorge Nuno Pinto da Costa é verdadeiramente um homem de excepção (...) Ele pertence verdadeiramente ao restrito grupo dos grandes criadores de impérios, ao escasso número de grandes presidentes, juntamente com algumas lendas do futebol das gerações passadas, como Santiago Bernabeu e Ângelo Moratti."

Jorge Nuno Pinto da Costa Costa nasceu em 28 de Dezembro de 1937, na freguesia de Cedofeita, da cidade do Porto , fruto do casamento de José Alexandrino Teixeira da Costa com Maria Elisa Bessa Lima de Amorim Pinto, que acabariam por divorciar-se poucos anos depois, nasceram outros quatro filhos: José Eduardo, Maria Alice, António Manuel e Eduarda. Jorge Nuno faz a escola primária no colégio Almeida Garrett, tendo simultaneamente aulas particulares de Inglês e Francês. Aos 10 anos vai estudar para o Instituto Nun'Álvares, mais conhecido por Colégio das Caldinhas, em Santo Tirso, um colégio jesuíta. De regresso ao Porto, consegue o seu primeiro emprego aos 19 anos no Banco Português do Atlântico, onde foi colega de Artur Santos Silva. É mais ou menos por essa altura que inicia a sua ligação ao FC Porto como dirigente, mantendo contudo o seu emprego no banco e trabalhando mais tarde como vendedor de tintas e resinas, até passar a dedicar-se a tempo inteiro ao dirigismo. Publicou em 2005 a sua autobiografia, Largos Dias Têm Cem Anos, com prefácio de Lennart Johansson, presidente da UEFA entre 1990 e 2007. Dedicou-se a lutar pelo Futebol Clube do Porto.

De adepto a director

É por influência do tio Armando Pinto, entusiasta de futebol que fora presidente do Famalicão, que Jorge Nuno Pinto da Costa começa a interessar-se por futebol. É o tio quem paga os ingressos do FC Porto x Sporting de Braga, o primeiro jogo a que Jorge Nuno, com 8 anos, assiste no Campo da Constituição, na companhia do seu irmão José Eduardo. Desde então não mais se desligou do clube, nem mesmo quando se encontrava longe do Porto, procurando sempre que possível ouvir o relato das partidas. Quando completa 16 anos, em 20 de Dezembro de 1953, a avó materna inscreve-o como sócio do FC Porto. Torna-se o sócio número 26 636, a quota é de 20 escudos.

Após o regresso ao Porto, Jorge Nuno acompanha religiosamente os jogos do clube, sobretudo de futebol e hóquei em patins. Com cerca de 20 anos, é convidado pelo responsável pela secção de hóquei em patins para ocupar o lugar de vogal, e aceita. Em 1962 passaria a chefe de secção, cargo que viria a acumular com o de chefe da secção de hóquei em campo. Em 1967 passa a ser também chefe da secção de boxe, onde conhece Reinaldo Teles, na altura atleta da modalidade.

Em 1969, é convidado por Afonso Pinto de Magalhães a integrar a sua lista para as eleições desse ano como director das modalidades amadoras. Assim, Pinto da Costa assume pela primeira vez um cargo eleito no FC Porto, de 1969 a 1971. No final desse período, apesar de ter sido convidado por Américo de Sá a candidatar-se com ele, recusou o convite por considerar que o novo candidato deveria apresentar-se às urnas com uma lista totalmente renovada.


Em 1976, em conversa com um grupo de amigos e apesar de não se encontrar a desempenhar funções no FC Porto, alguns deles - boavisteiros - provocavam Pinto da Costa por o seu clube ter deixado que o futebolista Amarildo, praticamente contratado, "fugisse" para o Boavista. Em resposta, Pinto da Costa disse apenas que "largos dias têm cem anos", decidindo nesse preciso momento - soube-se mais tarde, aquando da publicação da sua autobiografia - regressar ao dirigismo desportivo. Conversou com o presidente Américo de Sá e comprometeu-se a fazer parte da sua lista nas eleições seguintes como director do departamento de futebol.


Ainda antes das eleições, acertou com José Maria Pedroto, treinador do Boavista, o seu regresso ao FC Porto, onde já havia sido jogador e treinador. Em Maio desse mesmo ano, Pinto da Costa volta a ser dirigente do FC Porto. É com Américo de Sá como presidente, Pinto da Costa como director do futebol e Pedroto como treinador que o FC Porto consegue quebrar, em 1977-78, o jejum de 19 anos sem vencer um campeonato nacional. Apesar disso, o final da década de 70 é um período conturbado para o FC Porto, e Pinto da Costa e Pedroto acabam por deixar o clube em 1980.
A presidência

Em Dezembro de 1981 as coisas continuam a correr mal ao FC Porto, e é então que um grupo de sócios se une com o objectivo de convencer Pinto da Costa a candidatar-se à presidência do clube. O "sim" demora a surgir, mas perante a insistência dos sócios Pinto da Costa acaba por aceitar, convidando Pedroto para voltar a treinar a equipa principal. Candidatando-se em lista única, Jorge Nuno Pinto da Costa vence as eleições de 17 de Abril de 1982, tornando-se o 33º presidente do FC Porto (ver a cronologia de presidentes do FC Porto no artigo relativo ao clube).

No mesmo ano, o hóquei em patins do clube, que não havia vencido qualquer título desde a sua implementação em 1955, vence a Taça das Taças, arrancando para um período de ouro que se prolonga até aos dias de hoje. Em 1984, o FC Porto chega à sua primeira final Europeia de futebol, na Taça das Taças, contra a Juventus, da qual sai derrotado por 2-1.



Em 1987 vence a Taça dos Clubes Campeões Europeus e a Taça Intercontinental, e depois a Supertaça Europeia relativa à mesma época, já no início de 1988.

 
A década de 90 seria gloriosa para o futebol portista graças à conquista de oito campeonatos, cinco deles consecutivamente - o Penta, feito inédito no futebol português. Já no século XXI o clube azul e branco aumentaria o seu palmarés internacional, vencendo a Taça UEFA em 2003 e a Liga dos Campeões em 2004 sob o comando de José Mourinho e a Taça Intercontinental do mesmo ano já com Victor Fernandez. No ano de 2009 conquista o segundo tetracampeonato da sua presidência e da história do clube, com a equipa sob o comando de Jesualdo Ferreira.


Ao FC Porto é lhe reconhecido internacionalmente, os pergaminhos na excelência da gestão desportiva. Pinto da Costa é o general.
Em termos de gestão de futebol e modalidades, medicina desportiva, formação, somos hoje um clube modelo a nível mundial.

Somos o melhor clube do mundo, porque temos o melhor gestor desportivo do mundo, de seu nome Jorge Nuno Pinto da Costa, que desde 17 de Abril de 1982 gere este clube de forma exemplar.
É um líder carismático, e fez se sempre acompanhar em todas as áreas da gestão desportiva de pessoas com altas competências, tais como Teles Roxo, Pedroto, Prof. Hermâni Gonçalves, Dr. Domingos Gomes, Dr. José Carlos Esteves, Dr. Nélson Puga, Rodolfo Moura, José Mario, José Luís, Prof. Jorge Araújo, Alberto Babo, António Livramento, Ílidio Pinto, Antero Henrique, Reinaldo Teles, Luís Castro, Urgel Martins, Artur Jorge, Ivic, Robson,Mourinho, Prof. Jesualdo Ferreira entre muitos outros, que sob a sua direcção escreveram páginas de glórias na história do clube.

Teve sempre o condão de contratar os melhores futebolistas, mediante as limitações financeiras do nosso clube, e valorizar esses activos.
Jogadores como Emerson, Futre, Madjer, Jardel, Lucho, Licha, Deco, Bosingwa, Maniche, Costinha, Derlei, Paulo Ferreira, Zahovic, Drulovic, Anderson e muitos mais, são o exemplo disso.
Nas modalidades também escolheu sempre atletas de eleição, tais como Victor Hugo, Pedro Alves, Paulo Alves, Franklin, Carlos Realista, Tó Neves, Pedro Gil, Reinaldo Ventura, Filipe Santos, Eddo Boch, Paulo Pinto, Nuno Marçal, Jared Miller, Carlos Resende, Filipe Mota, Petric, Aurora Cunha, Fernanda Ribeiro, Adérito Chaves, Teresa Figueiras, Daniel Sanchez, entre muitos outros.

Hoje o Jornal "O Jogo" dedica a sua edição a Pinto da Costa (clica para visualizar)

Extractos da entrevista do Presidente Pinto da Costa à revista Visão

A receita do sucesso
“É tudo uma questão de regras. Uma das minhas vantagens foi chegar ao FC Porto há quase 50 anos. Percorri as secções, dirigi as actividades amadoras. Vivendo por dentro, compreendi o que estava mal. A dada altura, até os directores do ciclismo e do ténis de mesa decidiam se um jogador de futebol ficava ou não no clube! Não podia ser. Hoje, as regras são as mesmas que segui quando tomei conta do futebol: treinador escolhido por mim, jogadores escolhidos por mim e pelo treinador, balneário blindado - só entra o director do futebol e o presidente — treinos a mesma coisa. Como correu bem, a tradição mantém-se.”
“Quem não respeita as regras e a disciplina, não vem, nem fica. Não interessa ser só bom jogador. No passado, os jogadores estavam sempre bem porque, se corresse mal, o treinador é que ia embora.”

O culto da personalidade
“O culto da personalidade é detestável. Se permitisse um busto ou o meu nome no estádio, fazia uma figura ridícula. A proposta de dar o meu nome ao novo estádio foi votada por unanimidade num plenário do FC Porto. Não vetei a decisão, mas disse que, se fosse, mantida, me demitia.”

A capital do império
”Gosto da zona das «partidas» no aeroporto (risos)...Lisboa tem coisas bonitas e sinto-me bem na cidade, onde tive e tenho muitos e grandes amigos. Um deles era o actor Artur Semedo, fanático benfiquista. Era visita de nossa casa.”

As Diferenças entre os rivais de Lisboa
“Distingo-os completamente. Com pessoas do Sporting sou capaz de conversar.”

Discurso directo em vídeo:

Herman José(Estebes) e Pinto da Costa

Pinto da Costa e a bomba, penhora das Antas !!!

Pinto da Costa e o Piu Piu Piu (e os Comentadores a Rir)

Pinto da Costa discurso antes da conquista do segundo tricampeonato

Pinto da Costa "ganhamos uma Taça a uns caceteiros"

Pinto da Costa e o jornalista "murcão"

2 comentários:

Armando Pinto disse...

Grande Presidente, o Maior! Do qual só posso acrescentar mais que, para mim, é o Dirigente que sempre mais admirei, o heroi que mais enche as minhas medidas... Portistas.
Parabéns, Presidente, nesta data feliz!

Um abraço
http://longara.blogspot.com/

C.Soares disse...

Este é o nosso Maradona, Pelé, Messi, Mourinho, Guardiola...