domingo, 16 de janeiro de 2011

No aproveitar é que está o ganho

Foi com mais uma vitória que o FC Porto entrou nesta 2º volta da Liga, esta noite frente à Naval 1º Maio. Num jogo que era esperado a superioridade do FC Porto, face ao último classificado, desde logo imprimiu uma boa dinâmica e pressão logo no meio campo do adversário, que fez com que nos primeiros 10 minutos, conseguisse já algumas jogadas de perigo junto da área adversária.

Mas após este ímpeto inicial, o FC Porto, por mérito do acerto defensivo do adversário, começou a ter mais dificuldades de criar perigo, com excepção do lance de Varela, que isolado frente ao guarda-redes desperdiçou, até então, a melhor oportunidade do jogo. A Naval começou a procurar terrenos mais avançados e teve igualmente uma excelente oportunidade para marcar.

O jogo continuava muito morno e num lance em que os jogadores do FC Porto aproveitaram uma desatenção do adversária, de forma inteligente, colocaram rapidamente a bola em jogo e a passe de Varela, Falcão regressou aos golos, no seu primeiro jogo de 2011.


Foi uma primeira parte onde claramente se destaca a eficácia e o aproveitamento dos erros do adversário, não obstante o domínio claro do jogo, durante toda a primeira parte.

Com 2-0 ao intervalo, o FC Porto baixou um pouco o ritmo contrastando com maior poder ofensivo que a Naval trouxe para a segunda parte. Isto permitiu ao FC Porto ter mais espaço para controlar a bola e criar perigo e em mais uma desatenção da Naval, Hulk não desperdiçou e bisou na partida.

Depois do 3-0, e com as substituições, sobretudo de Belluschi, que estava a levar a equipa para a frente, o FC Porto ainda assumiu mais uma atitude passiva para o jogo, fazendo algum sentido uma vez que este mês de Janeiro, serão 2 jogos em todas as semanas, algo que os adeptos terão que compreender, face a uma vantagem no marcador, este tipo de atitude. Ainda assim, existiram mais algumas oportunidades, que com mais calma, poderiam ter dado um outro golo.

Já perto do fim, foi a vez do FC Porto cometer uma desatenção, com uma falta na grande área, escusada, que permitiu à Naval reduzir a vantagem, isto depois de duas boas defesas de Helton.

No aproveitar é que está o ganho, mas notou-se no jogo desta noite, uma dinâmica totalmente diferente no ataque, e a diferença esteve claramente no regresso de Falcão à equipa. Não é apenas mais uma solução, mas sim o melhor atacante para a zona central que o FC Porto tem.



Para além de Falcão, pela sua influência e posicionamento em campo, também Hulk, mais uma vez, pela capacidade de decidir, Otamendi, que com a sua frieza e concentração, é raro perder uma bola e a dupla Belluschi e Moutinho, que mais uma vez, pegaram no jogo e levaram-no para a frente. Guarin, destaque nos últimos jogos, não esteve tão em evidência, mas deixou muitas vezes a sua qualidade em campo, quer com recuperações, quer com remates perigosos, um dos quais de calcanhar que seria com certeza o golo do jogo.

Pela negativa, menos bem que os restantes, esteve Fucile, pouco interventivo nas acções atacantes e defensivamente nervoso ao ponto de cometer um penalti a 2 minutos do fim e Varela, que apesar da assistência para o primeiro golo, esteve sempre muito lento, e perdeu inúmeras bolas, muito longe do Varela do ano passado e já do inicio deste ano, sobretudo no jogo da Supertaça.

A nível de cartões, nem Belluschi nem Hulk viram o cartão amarelo logo continuam aptos para o próximo jogo da Liga, em Aveiro.

Última nota para a equipa de arbitragem, cometeu alguns erros, mas acabou felizmente por não ter influência no resultado.

Declarações de Villas-Boas:



Mais uma vitória rumo à conquista do 25º título de campeão nacional. Faltam 12 vitórias para saborear esta conquista, e com alguns jogadores já completamente recuperados o FC Porto está mais forte para assegurar muitas vitórias até final da época.

Força Porto.
Ricardo Jorge

8 comentários:

austria87 disse...

PRIMEIRO PARABÉNS PELO TEU BLOGUE.

Um minuto chegou para derrubar o muro da Naval. Um minuto de opera.
ABRAÇOS

VIVA O NOSSO FC PORTO

DC disse...

subscrevo totalmente!

Armando Pinto disse...

Uma bela vitória e, pelo que vejo, com uma exibição também boa, a reforçar a normalidade, felizmente.
Pena que os mouros estejam, novamente, a ser levados ao colo, a começar pela nomeação propositada do árbitro que deu frutos, perante uma arbitragem habilidosa, a dar a vantagem aos vermelhos com um golo mais que irregular...
Temos de continuar a ser muito superiores, para superar as manobras de bastidores. Mas se a atitude for a que hoje prevalegeu, vamos ser campeões, contra tudo.

http://longara.blogspot.com/

ultrafcporto disse...

Caros amigos portistas, as tabelinhas sucessivas que assistimos de Moutinho-Belluschi-Falcão-Belluschi-Hulk a finalizar de primeira num dos golos mais bem conseguidos colectivamente em todo o campeonato, são as tais jogadas que a mim, pessoalmente me satisfazem e reforçam e adoçam o gosto que eu tenho pela mágica do futebol.
Cumprimentos,
www.ultrasfcporto.com

dragao vila pouca disse...

Não foi Ópera, mas é difícil conseguir grandes recitais quando alguns músicos falham as notas mais fáceis... De qualquer forma foi uma exibição suficiente para conseguirmos uma vitória justíssima, tranquila e isso nesta fase é o mais importante.

Um abraço

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Sem termos rubricado uma excelente exibição, jogamos mais que o suficiente para vencer e convencer.

A Naval entrou no jogo para queimar tempo e enervar os jogadores do FC Porto e o público.
O GR Salin abusou e o árbitro e bem admoestou o com o cartão amarelo, pelas perdas de tempo nas reposições.

Na segunda parte a Naval apresentou se melhor, e começou a explorar através de combinações entre o médio interior Bolivia e o extremo direito João Pedro, a nossa fragilidade defensiva cujo rosto era Fucile.
Tantas vezes Fucile foi ultrapassado nas costas, que só mesmo Otamendi ia apagando os erros do colega.
Numa dessas investidas pelo nosso ponto fraco a Naval acabou por marcar o golo de honra.

Belluschi, Moutinho e Guarin foram um motor que fez jogar o nosso magnifico tridente ofensivo Hulk/Falcao/Varela

Na Naval nota positiva para o central João Real que fez cortes cruciais que impediram golo (pena este central ter aparecido na primeira liga tão tarde na sua carreira). Também nota positiva para Fábio Júnior que penso ser um jogador com bastante qualidade.

Ganhamos e convencemos. Os jogadores deram prova que estão confiantes e com garra para vencer, e juntamente com os adeptos a apoiar iremos conquistar o título.

Abraço

Paulo

Dragaopentacampeao disse...

Jogo em que o FC Porto evidenciou as dificuldades habituais para ultrapassar a bem organizada defensiva do Naval. Primeira parte de domínio quase territorial, com algumas boas oportunidades para marcar (a de Varela não se pode falhar!) e com dois excelentes golos em apenas um minuto, aproveitando falhas do adversário.

Segunda parte com mais algumas oportunidades não aproveitadas e mais um golo de nova falha clamorosa do defesa figueirense. Depois foi deixar passar o tempo, dar alguma iniciativa ofensiva ao adversário e oferecer-lhe um penálty.

Apesar de tudo um jogo agradável com o segundo golo em jogada de sonho.

Um abraço

Dragus Invictus disse...

Bom dia amigos, austria87 e DC,

Obrigado pelos vossos comentários no blogue e voltem sempre.

Rumo ao título.

Abraço

Equipa pronuncia do dragão