quinta-feira, 7 de abril de 2011

Mais uma grande noite…


É caso para dizer, os adeptos portistas nem tinham ainda digerido a noite mágica do passado domingo e hoje voltaram a ter outra grande noite.

Villas Boas manteve praticamente toda a equipa com excepção da chamada de Maicon ao onze inicial em detrimento de Otamendi. Maicon correspondeu com uma boa exibição, rápido a recuperar bolas, talvez esta a justificação para a opção.

Foi uma primeira parte em que o FC Porto não teve ao seu nível, muito por culpa do adversário que trocou muito bem a bola, sobretudo no meio campo, e esteve sempre muito concentrado e tranquilo a defender. Teve o mérito de conduzir o FC Porto a muitas perdas de bola e sem capacidade para penetrar na defesa adversária.

Por outro lado, parecia que o FC Porto estava preso de movimentos e sem velocidade de jogo até ao momento em que acelerou e começou a criar situações de penetração na defesa adversária, umas vezes cortadas em falta, outras vezes sem grande inspiração no último passe.

Apesar do bom inicio do Spartak, fruto deste crescendo do FC Porto, o Spartak começou a dar mais espaço e face ao aumento de velocidade, numa boa jogada, Falcão abriu o marcador, no melhor golo da noite. Fantástico o cruzamento de Alvaro Pereira e soberba finalização de Falcão, golo à ponta de lança.

A partir daqui só deu Porto. Apesar da magra vantagem ao intervalo, o resultado aceitava-se perante a partilha do domínio do jogo.
Na segunda parte tudo mudou. Uma equipa que marca 4 golos em 45 minutos é sinal que dominou o adversário, que criou várias oportunidades de golo e sobretudo que teve um poder de concentração e qualidade nas jogadas e sobretudo no momento da finalização.

Varela, voltou aos golos e teve o dom de tranquilizar o FC Porto e provocar o efeito contrário no adversário e passado poucos minutos, Maicon, na sequência de um pontapé de canto, e com alguma sorte, fez o terceiro golo.
Caminhava-se para uma goleada se bem que a estratégia seria mais de contenção. Mas ao ver o adversário nos minutos seguintes a reduzir para 3-1, o FC Porto viu-se na obrigação de pelo menos marcar mais 1 golo. Foi impressionante a capacidade de imprimir novamente velocidade ao jogo.

Esta era sem dúvida a noite de Falcão. Numa boa jogada, num excelente cruzamento, mais uma finalização à ponta de lança. Mas a história não ficaria por aqui, mais uma fotocópia dos outros golos, cruzamento excelente e finalização ainda melhor. O FC Porto chegava ao 5º golo e a uma vantagem que ninguém imagina que possa vir a ser anulada em Moscovo na próxima semana.

E caso existisse mais minutos para jogar seria bem provável que o FC Porto chegasse ao record de golos nesta época. James esteve muito perto de conseguir o 6º golo, o que seria demolidor.



Claramente a figura do jogo foi Falcão. Melhor marcador desta Liga Europa, assume-se claramente como candidato a goleador nesta prova. Este hat-trick permite igualmente aproximar-se de Hulk no melhor marcador do FC Porto nesta época. Luta saudável que tem um claro beneficiário: FC Porto.

Destaque igualmente para Maicon e Alvaro Pereira, estiveram muito bem, Maicon defensivamente e Alvaro Pereira a destacar-se pelas incursões no ataque e Fernando, que voltou a realizar uma grande exibição.

Menos expressivo do que nos últimos jogos, Guarin e Hulk não marcaram e demonstraram alguma falta de frescura física, ainda assim, com papeis importantes para o colectivo.

O FC Porto pela terceira vez está época aplica a chapa 5 no Dragão. Número mágico que surgiu frente ao União de Leiria e teve o seu auge frente ao Benfica. Hoje, os adeptos do FC Porto foram brindados por mais uma noite de futebol de ataque e muitos golos.

Um passe de gigante rumos às meias-finais ficou hoje aqui demonstrado. Em Moscovo vai ser um jogo diferente, mas não será novidade quer a temperatura quer o terreno de jogo. Ainda assim, tal como Villas Boas disse, é preciso fazer um jogo sério e com os níveis de concentração no máximo, pois um golo cedo do adversário poderá ter um efeito de motivação acrescido.

Declarações de Villas-Boas e Falcao:



O Dragão não encheu mas esteve muito bem composto, mais uma vez. Não foi a consagração dos campeões, mas sentiu-se no ar, essa homenagem dos adeptos aos campeões nacionais. Nada como regressarem ao Dragão, depois de carimbarem a passagem às meias-finais da Liga Europa e com mais uma vitória no campeonato, naquele que será o jogo da consagração e logo frente a um rival.

Última nota para o jogo entre Villarreal e Twente onde tal como no Dragão parece que não resta dúvidas que as meias-finais terá um duelo luso-espanhol.

Parabéns aos campeões.
Ricardo Jorge

5 comentários:

dragao vila pouca disse...

No primeiro jogo em casa após se ter sagrado vencedor do campeonato, Liga Zon Sagres e perante 38. 219 espectadores, em clima de festa, o F.C.Porto venceu categoricamente a excelente equipa do Spartak e por números que lhe dão grandes esperanças de seguir para as meias-finais da Liga Europa.
Mas até não entramos bem, pelo contrário, entramos preguiçosos, desconcentrados, abúlicos, ainda a festejar o título - o que é compreensível, ainda está bem fresca na memória a fantástica noite de domingo e as fortes emoções não se apagam com uma borracha, nem por mais avisos que se façam.

Com isso deixamos o Spartak ser perigoso e tivemos alguma sorte em não sofrer um golo, em duas boas oportunidades criadas e desperdiçadas por Welliton. Numa o brasileiro atirou para fora e noutra Helton, com uma excelente defesa evitou o golo moscovita. Aos poucos fomos despertando, reagindo, marcando melhor, começando a equilibrar e se não tinhamos feito muito para chegar à vantagem, também é verdade que acabamos a primeira-parte fortes, a encostar os russos e a mostrar o fogo do Dragão. Era o prenúncio do que estava para vir.
E o que veio, meus caros, foi um Porto de qualidade superior, um Porto intenso, fortíssimo, que faz acreditar e sonhar com tudo. Dominador, pressionante, jogando bem, naquele futebol de toque que nos encanta e atacando com contundência, o conjunto de Villas-Boas mostrou ao que vinha. Depois de Hulk ter deixado o aviso, aos 60 minutos, num livre superiormente marcado, que só a barra evitou e da recarga que Fernando desperdiçou, ao atirar para as núvens, o novo Campeão Nacional chegou ao dois a zero por Varela, passados 5 minutos, ao três zero passados 10, por Maicon. Pena que uma distracção, passados apenas 2 minutos após o golo do central e talvez motivada pela euforia da vantagem dilatada, tenha permitido aos russos diminuir, nessa altura, claramente contra a corrente de jogo.

Não acusamos o toque, voltamos a ir para a frente e ampliamos a vantagem, até aos cinco a um, curiosamente, já sem Hulk em campo e novamente por Falcao, que assim fez mais um hack trick na Liga Europa. O jogo acabou com a sensação que se durasse mais uns minutos podiamos conseguir um resultado histórico. Mas assim está muito bom, melhor era pedir de mais e se temos de manter a vontade, a determinação, o espírito correcto, que ainda há segundo jogo e cautela e caldos de galinha nunca fizeram mal a niguém, também é bem verdade que quem joga assim tem toda a legitimidade para cantar a música que os Super consagraram:
«Venceremos venceremos, venceremos outra vez, o Porto vai ganhar a Taça, como em 2003...»

É óbvio que quem marca três golos, tem de ser a figura do jogo, mas não muito, a equipa sim, é que merece o grande destaque. Este Porto tem muitos e bons jogadores, mas é cada vez mais uma grande equipa.

Um abraço

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Grande noite europeia do nosso FC Porto, com uma segunda parte de grande nível, e a conseguirmos um resultado que praticamente carimba a passagem às meias-finais onde iremos defrontar o Villarreal.

O Spartak entrou melhor no jogo, e o tridente de meio campo composto por Ibson, Alex e Rafael, conseguiram ganhar o duelo da posse de bola, e tiveram uma excelente oportunidade para marcar por Wellinton. Marcamos numa excelente jogada de ataque, e podíamos ter marcado mais 2 ou 3 golos, relembro os dois cabeceamentos falhados de Varela.

A partir do momento que Fernando conseguiu acertar na marcação ao criativo Alex, e Guarin a Ibson, o Porto partiu para uma exibição de grande nível.

Pena foi o golo sofrido numa desatenção defensiva, sem a devida compensação da subida de Alvaro no corredor. Já antes desse lance pela direita o Spartak tinha cruzado com perigo para área.

O nosso tridente ofensivo esteve excelente, com Falcao a realizar uma exibição fantástica e plena de eficácia.
Grande duelo com Rossi na luta pelo título de melhor marcador da competição.

Guarin esteve muito bem no lançamento dos colegas de ataque, e Moutinho foi o pêndulo que tapou buracos e fez aqueles cortes que ninguém dá por eles, mas que são importantíssimos.

Fucile e Alvaro muito bem a atacar, descurando por vezes a defesa.

Rolando e Maicon demoram a acertar a marcação ao irrequieto Wellinton, mas a partir do momento que Fernando fechou a tranca da defesa, foi-lhes facilitado o trabalho, acabando mesmo Maicon por marcar um excelente golo e Rolando muito perto de marcar também.

Helton ... fantástico, é como o vinho do Porto, quanto mais velho melhor!

Excelente o apoio dos nossos adeptos, que fizeram grande festa, e foram presenteados com um Porto Vintage na segunda parte.

Na segunda eliminatória temos de ter atitude séria apesar da vantagem alcançada nesta 1ª. mão, mas as dificuldades serão muitas devido à longa viagem e relvado sintético.

Temos tudo para ir à final e sonhar novamente com a conquista da Liga Europa.

Abraço

Paulo

P. Ungaro disse...

Boas,

Mais feito brilhante na carreira do FC Porto esta epoca, não só pela goleada mas fundamentalmente pela entrega ao jogo que podia ser complicado na "ressaca" da vitoria no campeonato.
Temos treinador, temos equipa, temos entrega e raça para estar e Dublin !!!

Um abraço

http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com

Dragaopentacampeao disse...

De vitória em vitória, o FC Porto vai cumprindo na íntegra o seu destino que é VENCER.

Depois de dois títulos já garantidos (Supertaça e Campeonato nacional) os Dragões lutam ainda em duas frentes (Liga Europa e Taça de Portugal).

Também nestas, a ambição continua intacta, apesar da desvantagem na TP.

O FC Porto deu ontem um passo decisivo para a passagem às meias-finais da LE, com mais uma vitória justa e contundente.

Apesar de uma entrada no jogo um pouco displicente que nos podia custar caro, a equipa, logo que se conseguiu soltar do espartilho russo, partiu para uma exibição segura e intensa, coroada com belos golos.

Falcao foi um dos heróis da noite ao apontar três dos cinco golos portistas. Mas quase todos estiveram em bom plano, ultrapassada que foi a primeira meia hora de desconcentração, precipitação e desacerto quase geral.

Bom, depois foi o bom e o bonito. Equipa dinâmica, esclarecida, demolidora e imaginativa. Os golos acabaram por ser a sequência lógica do melhor futebol ofensivo então praticado. Se o acerto no capítulo do remate fosse completo o resultado poderia ter sido por números escandalosos.

Com esta gorda vitória, a viagem a Moscovo ficou mais desanuviada. Mas teremos de ser competentes para garantir mais uma vitória para continuar a cumprir o nosso destino.

Um abraço

Artur Guedes disse...

Excelente segunda parte do FC PORTO e enorme jogo de R. FALCAO, que grande jogador:

(com musica de uma canção da Dina)

Jogou, marcou e "não" foi de cabeça
Falcão não há quem não te conheça
És um goleador ...
Fazes com que o Porto mais cresça

http://omundoazulebranco.blogspot.com/