quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Número mágico e apagão já fizeram lembrar o Campeão

O FC Porto venceu esta noite, o jogo em atraso para a Liga, e para além da exibição bastante agradável, recheada de golos e de estreias de encher o olho, o FC Porto garantiu o primeiro lugar na Liga, posição que lhe encaixa na perfeição face aos 3 primeiros jogos oficiais.

Vítor Pereira não facilitou e apostou em Hulk de inicio. Era de esperar a integração no onze de Fernando, Belluschi e James e assim foi, com excelentes resultados.

O adversário desta noite prometeu e assim fez. Foi uma União de Leiria muito ofensiva e pressionante que só baixou os braços com o terceiro golo do FC Porto.
A primeira parte fica claramente marcada por um inicio forte da União de Leiria, a pressionar no meio campo e com muitas unidades no ataque, até os laterais surgiam com frequência a cruzar, facto que levou à conquista de muitos pontapés de canto.

Pelo meio, surgiram grandes oportunidades de golo por parte do FC Porto. Primeiro Kléber, depois Hulk isolado poderiam ter aberto o marcador.

E foi numa jogada perfeita de contra ataque que o FC Porto chegou ao primeiro golo e desequilibrou por completo um jogo que até aí estava equilibrado. João Moutinho conduziu, isolou James que acabou a jogada com classe ao rematar com excelente colocação.

A partir daqui o FC Porto ficou mais pressionante e controlou o jogo até final e fruto dessa pressão, Belluschi, um dos melhores em campo, roubou uma bola e decidiu-se bem pelo passe para Kléber marcar o segundo.

Na segunda parte aconteceu de tudo um pouco. O FC Porto cometeu mais erros, defensivos e ofensivos. Defensivamente esteve pouco rigoroso nas marcações e no preenchimento dos espaços. Ainda que no primeiro golo sofrido tenha tido algum azar, apesar de alguma displicência de Maicon na forma como abordou a bola, já no segundo golo, claramente ficou marcado por um erro algo infantil de marcação a um jogador, que num pontapé de canto, mal saltou para finalizar. Já parecia o Sporting a defender pontapés de canto!!!

Do ponto de vista ofensivo, Hulk evidenciava um desgaste físico e uma preocupação em não esticar muito o esforço, o que estava a provocar alguma inoperância atacante do FC Porto.

E eis que, no meio de alguma monotonia, surge mais um apagão. Já não bastava as péssimas condições do relvado, que por momentos, ficou no ar a necessidade de interromper em definitivo o jogo com consequências evidentes para o FC Porto que joga na próxima sexta-feira.

Os adeptos reviveram o momento, mas o melhor estava para vir.

Vítor Pereira substituiu Hulk, que estava queixoso, e com a entrada de Varela conseguiu impulsionar novamente o ataque. Primeiro ainda falhou uma oportunidade claríssima do 3º golo, mas depois redimiu-se isolando James que marcou outro grande golo, com uma precisão impressionante na colocação da bola.

Aqui foi claramente o KO da União de Leiria. O jogo ficou mais partido e controlado por parte do FC Porto, que continuava a ser pouco pressionante no meio campo defensivo – Fernando – e a dar muitos espaços na defesa.

Vítor Pereira promoveu mais uma estreia na equipa com a entrada de Steven Defour para o lugar de João Moutinho. Vitor Pereira, em todas as substituições esteve muito bem, quer na escolha, quer no timing das mesmas.

As oportunidades começaram a surgir em maior quantidade e com alguma normalidade, e num passe perfeito de James a isolar Alvaro este último a possibilitar a Kléber bisar, tal como James, na partida. Bom ensaio para Kléber, para libertar a pressão e ganhar confiança.

E pouco tempo depois o FC Porto selou a vitória com o 5º golo da autoria de Varela, numa boa triangulação de Belluschi, Defour e Varela, que finalizou em bom estilo e fez reviver o número mágico da época passada.

Muitos destaques nesta equipa. O principal, o melhor em campo, pelos golos, pela qualidade de passe e pelas assistências feitas, James Rodriguez. Sim tem 20 anos, mas já o no ano passado, com 19, nos deliciou com estas maravilhas. Quase ao mesmo nível, a diferença foi mesmo a ausência de golos, esteve Belluschi. Foi ele que levou o jogo do Porto para a frente, ainda que tenha sido Moutinho o interveniente no primeiro golo. Destacar igualmente Alvaro Pereira que deu uma profundidade ao ataque e uma segurança defensiva, ainda que na segunda parte permitisse alguns espaços.

De resto toda a equipa esteve num bom nível. Destacar ainda Fernando, que claramente aparenta falta de ritmo, com alguns erros e pouca pressão no seu sector e Fucile que não teve tão activo, provavelmente por questões físicas. Por último, destacar Steven Defour que mostrou qualidade de passe, confiança e boa colocação em campo, características que faziam parte do BI do jogador.

Dragão Azul TV



Quanto à equipa de arbitragem, passou algo despercebida, o que é naturalmente positivo.

Foi um regresso às boas exibições marcada por muitos golos. Do ponto de vista defensivo, claramente pontos a melhorar ainda que tenhamos que concordar que Fucile estava ligeiramente limitado e Alvaro Pereira fazia o primeiro jogo oficial, tal como Fernando, que se estreou a titular e foi igualmente notório que está ainda longe do ritmo dos seus colegas. Mas são pormenores que claramente são ultrapassáveis com o ritmo adequado.

Este jogo fica claramente marcado por um toque de qualidade e classe que jogadores como James Rodriguez, Alvaro Pereira e Belluschi evidenciaram. Com estes jogadores e mais os restantes que vinham jogando nos últimos jogos, as perspectivas de evolução são bastante grandes e para quem tinha as dúvidas (nós tínhamos a certeza que ia ser assim, tal como dissemos na antevisão) que alguns jogadores iriam entrar contrariados, esta foi sem dúvida uma resposta de grande nível.

Relembrar que estiveram ausentes Sapunaru, Otamendi e Guarin, mais 3 jogadores com potencial para serem titulares e claro, mais uma vez, colocar o foco em Iturbe, que tarda a estrear-se de Dragão ao peito, mas que existe uma convicção muito forte que irá acrescentar mais qualidade a um grupo, que seguindo o caminho de vitorias ganhará rapidamente a estabilidade e a confiança necessária para uma grande época.

O FC Porto joga dentro de 3 dias novamente, desta vez frente ao Vitória de Setúbal que irá anteceder o regresso à Champions. Começa o ciclo exigente de jogos, mas hoje claramente o FC Porto demonstrou estar no bom caminho, o que tranquiliza o grupo e os adeptos para os próximos jogos.



Todas as imagens dos jogos do FC Porto.
(Clique na imagem para entrar)


Força Porto.
Ricardo Jorge

11 comentários:

P. Ungaro disse...

Boas,

como antevia a entrada do Palito e do James fizeram toda a diferença. Não estivemos completamente por cima, tivemos alguns períodos que nos deixamos dominar e talvez adormecer, mas o resultado é inequívoco. Para as más línguas dos pasquins o Kleber já deu um cheirinho ... para quem gosta de futebol James demonstrou que é um predestinado.

Um abraço

http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com/2011/09/u-leiria-fc-porto-2-5-cronica.html

Mery disse...

Olá, amigo, eu digo Amém, amém, que o Porto seja mesmo o campeão, meu pai vai saltitar lá onde ele está.Assim seja!
Força Porto!
Beijos amigo, da Mery, sua admiradora aqui do Brasil.

ℙ℮₦☨∀➆➄ ♅ disse...

caríssimas(os),

escrevo só para reforçar a seguinte ideia: regressámos à nossa condição de líderes do campeonato!
e por pleno direito!


«este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

saudações desportivas mas sempre pentacampeãs! ;)

Miguel | Tomo II

100% Dragão disse...

Boas

(agora no sitio certo)

Tendo em conta o relvado e algumas ausências, fizemos um belo jogo, a nossa defesa esteve por vezes muito trapalhona mas nada que preocupe muito, faltava Otamendi. O adversário não é tão mau como parecia, acaba por ser uma excelente vitória. Estou satisfeito.

Abraço

http://100porcentodragao.blogs.sapo.pt/

dragao vila pouca disse...

Enquanto os dois amiguinhos de Lisboa, Vieira e Godinho, conspiram pelos hotéis - terá sido numa sala privada, no restaurante ou em algum quarto? - e Duque estava lá como pau de cabeleira ou a segurar a vela, como queiram, o F.C.Porto, agente provocador desta amizade conspirativa súbita - porque não se fundem? -, fez pela vida, fiel ao seu princípio, os jogos ganham-se no campo.
Depois de uns 25 minutos atrapalhados, muito por culpa de um Leiria atrevido, pressionante e bom a trocar a bola, mas também da má organização colectiva do Campeão, lento a recuperar, espartilhado no meio-campo e pouco intenso na pressão, já para não falar da permissividade de Hulk, que raramente impediu as subidas do lateral da equipa leiriense, o F.C.Porto melhorou, principalmente depois do 1º golo, por James, que aproveitou bem um contra-ataque conduzido por J.Moutinho, rápido a levar a bola e a soltá-la no momento certo, dando numa bandeja ao jovem colombiano a possibilidade de inaugurar o marcador.

A partir daí e até ao intervalo, só deu Porto, com Kléber a marcar o 2º golo, primeiro em jogos oficiais com a camisola do F.C.Porto, com mais uma assistência de excelência, agora de Belluschi. Depois do 2 a 0 os azuis e brancos passaram a dominar e até podiam ter aumentado a vantagem, o que seria injusto para o Leiria que, pelo que fez, em particular até metade da primeira-parte, não merecia maior penalização.

Na segunda-parte, a toada foi semelhante e apesar de sofrermos um golo, não por dominio do Leiria, mas num ressalto e nestas circunstâncias, com a diferença mínima, quem marca cresce, quem sofre abana, nunca estivemos em verdadeiro perigo de sofrermos o empate. Com o apagão e depois com o terceiro golo, novamente por James, o jogo ficou decidido apesar do conjunto de Pedro Caixinha nunca ter baixado os braços. Mais tarde Kléber faria o 4 a 1, o União ainda reduziria, para já nos descontos, Varela ter colocado o resultado final em 5 a 2, resultado justo, talvez exagerado, mas que coloca novamente o F.C.Porto na liderança do campeonato, isolado, é bom que se diga.


Conclusão:
Depois de um mercado como não há memória e de compromissos com as selecções que impediram o normal trabalho da equipa, obrigando a ter na convocatória dois jogadores, Hulk e Mangala que jogaram ontem pelas suas selecções, um facto que se não é inédito, eu não me lembro de nada igual, ainda não estamos bem, ainda cometemos erros que não podem acontecer, mas só podemos melhorar. Ultrapassar esta fase, ganhando, é importante, ajuda a equipa a ganhar confiança e a crescer. Uma certeza tenho: temos muita qualidade no plantel - hoje não puderam estar por compromissos com as selecções, Sapunaru, Otamendi e Guarín -, gente que estará à espreita de uma oportunidade - já se viu um cheirinho de Defour, na assistência para Varela marcar - e que vai obrigar os titulares a nunca se distraírem. Com dois golos, Kléber pode ter ganho a confiança que lhe faltava e no futuro ser aquele jogador que muito promete.
Regressou Fernando, regressou bem e sem má cara, o mesmo para Alvaro. Não vai ser por aí que eles nos vão distrair.


Uma palavra para Hulk: é com esse espírito e com essa disponibilidade que se fabricam os Campeões. Espero que a lesão não seja grave.


Notas finais:
Lamentável o estado relvado. Dois jogos fora, Guimarães e Marinha Grande, dois péssimos relvados. Porquê? Será estratégia para prejudicar o jogo de bola no pé e esbater a superioridade do F.C.Porto?

Parabéns aos milhares de adeptos portistas que foram até à capital do vidro. A uma terça-feira e à noite, fazer tantos quilómetros para acompanhar o F.C.Porto, merece ser registado.

E como os últimos são os primeiros, o último é esse jovem e talentoso colombiano, de apenas 20 anos, James Rodríguez, o melhor em campo, para mim, claro.

Abraço

Carla Correia disse...

Estou bastante satisfeita com a evolução quer demonstrámos... De facto há jogadores que fazem a diferença! Grande jogo de Bellluschi, grande regresso de James,espero que o Palito continue a jogar de corpo e alma no Porto, e exibição bastante mais positiva de Kleber...

Assim dá gosto de ver...:)

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Excelente vitória do nosso Porto. Grande exibição de James. Ontem tivemos um meio campo que funcionou e James trouxe velocidade ao ataque.

O triângulo de meio campo constituído por Fernando, Moutinho e Belluschi deu frutos. Com Fernando na equipa podemos libertar Moutinho para o transporte e construção de jogo, e corrigir um facto que tem condicionado o rendimento de Kléber, que é a falta de um homem nas suas costas a apoiar e a aproveitar os espaços por ele criados. Belluschi a jogar nas costas de Kléber, aproveita os espaços criados por Kléber, e daí resultam lances de perigo.

Grande jogo também de Belluschi e Kléber bem melhor, com um jogador no apoio. Fernando ganhou novamente o lugar.

O relvado estava uma vergonha.

Fantástico o apoio dos nossos adeptos à equipa.

Abraço

Paulo

pronunciadodragao.blogspot.com/

P.S

Última Hora:
Pedro Caixinha, afirmou que para além dos jogadores o SL Bosta emprestou também o electricista responsável pelo apagão!

Dragaopentacampeao disse...

A ausência de alguns internacionais não impediu que os Campeões nacionais escalonassem um onze forte, competente e eficaz. O plantel dispõe de óptimas soluções. Álvaro Pereira reapareceu a titular, tal como Fernando, Belluschi e James Rodríguez. E até Hulk, que jogara no dia anterior pelo Brasil, foi também titular.

O treinador do União de Leiria, apresentou um esquema de futebol no campo todo, com especial atrevimento ofensivo, como eu gostava aliás, que todas as equipas assumissem.

Resultado, uma goleada. Nem foi necessário ao FC Porto apresentar um futebol de grande gabarito. Limitou-se a marcar um ritmo intermitente, ora acelerando espalhando o pânico ou marcando golos, ora acalmando o jogo permitindo-se a devaneios que lhe haviam de custar dois golos muito consentidos.

James Rodríguez foi a estrela mais cintilante da constelação azul e branca onde brilhou também Belluschi. O colombiano mostrou-se muito inspirado e com pontaria afinada. Jogou, fez jogar, marcou e assistiu para golo. Já o argentino emprestou criatividade, foi importante na pressão alta, conseguindo ganhar dessa forma o lance que haveria de resultar no primeiro golo de Kléber. E por falar em golos, todos eles foram conseguidos de bola corrida, quiçá para calar determinadas vozes que empolavam o facto de o FC Porto só ter marcado, até hoje, de bola parada! CINCO num só jogo, isto talvez vos remeta para um determinado jogo da época passada.

Referência muito especial para a disponibilidade de Hulk, que apesar de desgastado mostrou-se sempre dinâmico, empreendedor e perigoso. Saiu logo a seguir ao «apagão» de que o Estádio Municipal da Marinha Grande foi acometido, queixando-se de um toque no joelho. Destaque também para os dois golos de Kléber, importantes sobretudo para a moralização e aumento da confiança de que o atleta vinha necessitando.

Um abraço

TertúliaPortista disse...

Oi amigo. Sim foi um jogos onde James brilhou a grande nível, mas outros jogadores também estiveram bem.
Muito sucesso!
Melhores cumprimentos
http://tertuliaportista.blogspot.com/

Reflexo em Coisas de Mulher disse...

Gente! Que efusão por aqui!
Mas vim te convidar para dar sua opinião em outro assunto la no meu blog.
te espero.
passa la?
Bjins

Ricardo Jorge disse...

Olá "Reflexo em Coisas de Mulher"!
Sim vou espreitar o teu blog.
Bjs
RJ