terça-feira, 13 de setembro de 2011

Vitória assegurada mas é preciso mais…

Objectivo cumprido. O FC Porto nunca tinha perdido o primeiro jogo da Champions no Dragão e hoje voltou a entrar com o pé direito nesta edição da Champions.

O calendário ditou que o FC Porto defrontasse nos primeiros jogos os adversários teoricamente mais complicados e com uma vitória sobre um directo concorrente perspectiva para os Dragões uma ida a St. Petersburg mais tranquila e do lado contrário uma pressão maior sobre Shakthar.

Vítor Pereira surpreendeu ao colocar Defour no lugar de Belluschi, quando a grande dúvida residia se jogaria Fernando, Souza ou Defour. Aparentemente, pretendeu um meio campo mais de posse e recuperação, mas desde logo percebeu que o FC Porto começou a sentir dificuldades em penetrar na defensiva do adversário.

O FC Porto controlava o jogo, apesar do adversário mostrar muito boa troca de bola e depois de ter criado o primeiro lance de perigo com o remate de Hulk a embater na barra, surgiu o lance do penalti que Hulk não conseguiu desfeitear.

O lance não esmoreceu o FC Porto mas logo de seguida depois de um lapso tremendo de Helton tem, talvez 1 vez por época, o Shakthar aproveitou e em pouco tempo o FC Porto viu a oportunidade de estar na frente transformada em desvantagem no marcador.

A equipa continuou a dominar, sem causar muito perigo sobretudo porque até ao último passe corria tudo bem, mas depois perdiam-se os lances. Muitos cruzamentos foram feitos, mas foram quase nulos os aproveitados.
O golo tinha que surgir de fora e assim foi, Hulk redimiu-se e marcou mais um grande golo no Dragão. O empate era mais que justo até porque o adversário não criou nenhuma oportunidade digna de golo.

Foi uma atitude super defensiva desta equipa o que acredito que tenha surpreendido o FC Porto. É caso para dizer que não mostraram que têm capacidade para atingir o primeiro lugar do grupo. Adicionalmente, um dos defesas perdeu a cabeça numa entrada violentíssima que acabou por aniquilar as hipóteses de uma resposta ao FC Porto.

Realçar a chamada de atenção do senhor treinador Lucescu para o seu jogador quando abandonou o relvado. Aqui se vê os grandes treinadores do futebol mundial.

A partir daqui o FC Porto não permitiu mais qualquer domínio do adversário e foi para cima à procura do golo da vitória. Os últimos minutos da primeira parte mostraram aquilo que iria ser a segunda parte.

E assim foi, Vítor Pereira entendeu manter os mesmos onze, e foi uma entrada muito forte do FC Porto, com mais pressão e velocidade. Com alguma naturalidade e muito génio de James Rodriguez o 2º golo apareceu bem cedo por Kléber, um golo muito festejado com Vítor Pereira em jeito de agradecimento pela aposta.

E quando se pensava, com a saída de Fernando e a entrada de Belluschi, que o FC Porto iria apertar um adversário em inferioridade, a equipa entrou numa estratégia, algo irritante, de posse de bola praticamente até ao final do jogo. Foram muitos minutos a fazer circular bola, pelo meio algumas desmarcações sem brilho no momento final, muito remate sem nexo à baliza e dois calafrios arrepiantes em jogadas de contra ataque do adversário com a ajuda de algumas falhas inacreditáveis.

Depois da segunda expulsão e já com Djalma e Varela em campo, substituindo Kléber e Hulk, nem assim o FC Porto abdicou da posse de bola.

Tal como Vítor Pereira disse, era importante a gestão da posse de bola, mas o FC Porto correu alguns riscos, principalmente nos lances de bola parada, foram no mínimo 3 cantos em que o mais alto foi sempre um jogador adversário, riscos que poderiam ter sido evitados com mais alguns minutos depois do 2º golo na procura do 3º e assim matar o jogo.

Mas convém igualmente referir que estamos na Champions, era o primeiro jogo, e o FC Porto vinha de 2 jogos em 3 dias e com alguns jogadores indisponíveis o que não permitiu gerir o esforço dos que entraram em campo. Vítor Pereira estava lá no campo e pode ter percebido algum desgaste da equipa.

Fica a dúvida, mas fica também o alerta que esta prova não permite muitas falhas num jogo, hoje percebemos o nível dos nossos adversários e teremos que ser melhores já no próximo jogo.

Dragão Azul TV



Em destaque esteve mais uma vez Hulk e James.

O primeiro melhor na primeira parte, o segundo melhor na segunda.
Hulk, pelo golo, ainda na primeira parte e por manter em alerta a defesa contrária acaba por ser o homem do jogo, mesmo tendo falhado um penalti.
James, com um toque de génio acaba por ser decisivo ao assistir na perfeição Kléber.

Quem também esteve muito bem foi Fernando, já fez um jogo muito concentrado e foi decisivo em alguns lances de perigo do adversário. Moutinho esteve ao seu nível, mas mais focado em tarefas defensivas.

Mas nem todos estiveram num nível aceitável e acima da média. Maicon revelou mais uma vez ser um jogador muito irregular, continua a ficar marcado por excelentes intervenções e falhas inacreditáveis. Quanto a Kléber, até marcar o golo, era claramente uma unidade a menos no FC Porto, nota-se muito a diferença de qualidade para com os companheiros. Depois do golo deslumbrou-se com uma oportunidade de marcar novamente, quando tinha James isolado. E por último Djalma que claramente não trouxe nada de novo ao jogo, nem velocidade, nem recuperação de bola, nem desequilíbrios.

Continua ao nível da pré-época e tenho algumas dúvidas que possa acrescentar muito mais a este FC Porto que tem em James e Hulk níveis de qualidade muito superiores aos restantes.

Quanto ao árbitro, muito nervoso mas acabou por acertar bem em praticamente todas as decisões. As expulsões nada a discutir, o penalti sobre Hulk poderia ser marcado já que houve contacto e existe ainda um lance de golo do Shakthar que não se viu a repetição mas dá a ideia que Defour poderia estar a colocar em jogo o último jogador Ucraniano.

O Dragão não encheu mas teve uma casa muito boa. Foram perto de 40 mil a apoiar o FC Porto nesta vitória importante para a caminhada que aí vem. No outro jogo, com alguma surpresa, o APOEL venceu o Zenit, próximo adversário do FC Porto, que não contará com Bruno Alves para esse jogo em virtude de ter sido expulso.

Feitas as contas, o FC Porto soma 3 pontos e soma igualmente uma vantagem idêntica para com os mais directos adversários. O APOEL, ainda que tenha vencido o Zenit, não é candidato e iremos comprovar nos próximos jogos.
Este foi o terceiro jogo de um ciclo de 7 jogos em menos de 1 mês.



Todas as imagens dos jogos do FC Porto.
(Clique na imagem para entrar)
O FC Porto soma a sua 3ª vitória e tem agora pela frente o Feirense para a Liga. Este ciclo é bastante importante, por estarmos no inicio da época, pela sua exigência, podendo já definir algo no que diz respeito à Champions e sobretudo à Liga, onde iremos defrontar, para além do Feirense, o rival Benfica e a Académica.

Tempo agora de recuperar os jogadores já para o próximo jogo, onde as opções já serão mais e melhores devendo Vítor Pereira gerir o plantel de forma a dar garantias de frescura física em todos os jogos.

Força Porto.
Ricardo Jorge

7 comentários:

P. Ungaro disse...

Boas,

Não concordo com o titulo, estamos em inicio de epoca, e com jogadores que ainda não estão em pleno, Defour, James, Alvaro ... por isso nesta altura na minha modesta opinião estamos bem

Quanto ao jogo de hoje uma inequívoca demonstração do valor do FC Porto, contra um adversário difícil fomos personalizados e tivemos uma atitude de garra e de determinação. Não nos deixamos abater por dois lances infelizes (a falha do Helton e do Hulk), voltamos a ter 3 bolas aos ferros, e demonstramos que temos equipa para chegar longe na champions.
Destaques: Hulk com um remate soberbo ... incrível (só o palhaço do Otávio machado achou que era um frango, mas coitado) e James !!! O miúdo joga à bola que é um prazer assistir.
Estamos no bom caminho.

Um abraço

http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com

100% Dragão disse...

Boas

Era importantíssimo ganhar este jogo, jogamos bem e tendo em conta os acontecimentos iniciais (penalti falhado e frango do Helton) o Porto nunca perdeu a cabeça e mostrou capacidade para dar a volta ao resultado, contra uma equipa ucraniana que é muito boa. No Porto continua a falhar uma maior ligação entre o kléber e o resto do ataque, ele ainda esta em crescimento mas tem que entrar mais no jogo. Enfim... estou satisfeito com o resultado e com a exibição de toda a equipa, e o Zenit perdeu, o Bruno Alves foi expulso e já não joga contra nós... Óptimo.

Abraço

http://100porcentodragao.blogs.sapo.pt/

dragao vila pouca disse...

Estôfo de Champion

36.612 espectadores, uma boa casa, assistiram a um jogo intenso, bem jogado, duas excelentes equipas, muitos e bons jogadores, um grande ambiente e um apoio vibrante do público portista, mesmo quando o resultado não era o mais favorável - gostei de ver o apoio dos Super ao capitão Helton, no lance do golo do Shakhtar.

Quando falo em estôfo de Champion, quero dizer que nestes jogos e nesta prova, entre equipas semelhantes, onde muitas vezes tudo se decide nos pormenores, uma equipa que entra bem na partida, beneficia de um penalty, falha a oportunidade de ficar a ganhar e no lance imediato, sofre um golo, numa infelicidade do seu guarda-redes, mas não se deixa abater, reage contra a contrariedade, que não merecia, parte para cima do adversário, domina, joga bem, marca e pelo que fez, já devia ir para o descanso em vantagem, é uma equipa que dá garantias e tem qualidade para pensar em mais qualquer coisa que os oitavos-de-final.
Foi este o filme da primeira-parte, onde, tirando um ou outro lance de bola parada, mal abordado, vimos um Porto de boa colheita, bem organizado, profundo, pressionante, com largura e criatividade.

Na etapa complementar e até ao 2-1, foi o mesmo Porto, a mesma qualidade, a mesma posse, a mesma pressão, o mesmo domínio. Depois, a ganhar, contra dez e mais tarde contra nove jogadores "ucranianos", se continuamos a mandar, a ser os donos da bola, faltou contundência, o killer instinct de que falava o saudoso Bobby Robson, para matar a partida e dar um colorido ao resultado que, ninguém terá dúvidas, mereciamos.

Em resumo, ganhamos e nesta prova e em casa, ganhar é fundamental. Assim, partiremos para o jogo frente ao Zenit com confiança, tranquilidade e sem pressão, que, é bom referi-lo, estará todo do lado dos russos de São Petersburgo e isso pode ser aproveitado a nosso favor, como a nosso favor estará a tradição de bons resultados conseguidos frente a equipas do maior país do mundo.

O melhor, para mim, foi esse menino, feito homem, James Rodríguez, esse poeta da bola, que quando é tocada pelo talentoso colombiano, deve sorrir de prazer, pela forma como ele a trata e acarícia. Ainda bem que James é jogador do Porto e nós aqui não temos tendência, nem precisamos de nenhum D.Sebastião... Caso contrário lá viriam as comparações, seria o novo Hernâni, Oliveira, Futre, etc. Assim será apenas James, o nome dele é James...Rodríguez. O golo que deu a marcar a Kléber, é mais uma obra prima, de um génio do futebol.

Mas houve muita gente a jogar bem e Hulk, na primeira-parte, foi fantástico no golo que marcou e no que jogou, mesmo, viemos a saber pela boca de Vítor Pereira, com problemas físicos. Idem para a exibição de Alvaro, pelas mesmas razões. Enorme Moutinho, grande Defour, muito bem Fernando, Fucile, Belluschi e os centrais, com o senão, das bolas paradas, apontado. Varela e Djalma, pareceram-me demasiado ansiosos e Helton, tirando o frango, esteve bem... O último, Kléber, até marcou, mas, em alguns momentos, faltou melhor abordagem dos lances e mais calma na hora de decidir, passar ou rematar.
Quando sabemos que não jogaram Bracali, Mangala, C.Rodríguez, Sapunaru, Guarín, Souza, Walter, Rolando e os que nunca vi ao vivo, Iturbe e Alex Sandro, para não falar de Danilo que só vem no fim do ano, só podemos concluir que temos muita qualidade, gente que dá garantias de mais uma boa época do Dragão.

Um abraço

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Tal como se previa ontem tivemos um jogo complicado, perante um adversário valoroso, que se tem vindo a afirmar na Europa.

O jogo iniciou dividido até que o FC Porto ganha a grande penalidade que Hulk não converte.
Para complicar ainda mais, Helton tem aquela infelicidade, e sofremos o golo.

Os adeptos de imediato reagem, empurrando a equipa para a frente, e é com naturalidade que chegamos ao empate, naquele golo de apologia do Hulk. Grande míssil!

Após a expulsão ainda na primeira parte do central da equipa ucraniana, as coisas complicaram-se para nós, embora se possa muitas vezes pensar que contra 10 é mais fácil.

Os ucranianos encostaram o bloco defensivo, e exploravam o contra-ataque através de Wiliam e Luiz Adriano. É neste típico jogo que o Shahktar é perigoso.

Todavia o FC Porto continuou a carregar, e sempre que acelerava no último terço, vinham à tona as fragilidades defensivas do Shahktar.

Foi então que o melhor em campo - James, saca um coelho da cartola, e num lance de magia senta o defensor adversário e assiste Kléber para o golo da vitória.

Até à expulsão do outro central do Shaktar, foi uma fase complicada do desafio.
Nós não conseguíamos marcar o terceiro golo, e alguns dos nossos jogadores já estavam desgastados, como é o caso de Hulk, e tiveram de ser substituídos.

Com o resultado pela margem mínima, o Shahktar revela-se sempre perigoso, daí alguma prudência atacante.

Depois da expulsão do outro central, os ucranianos abandonaram a disputa do resultado, e até final foi o gerir do tempo.

Grande apoio do público, muito importante no empurrar da equipa, depois de um penalti falhado e de um erro de Helton.


O FC Porto está no patamar das melhores equipas da Europa, e ontem sentia-se que ganharíamos o jogo com maior ou menor dificuldade, apesar dos ucranianos terem uma excelente equipa.

Estamos de volta ao nosso lugar, e acredito no apuramento para a fase seguinte.

Abraço e boa semana

Paulo

Gaspar Ribeiro Lança disse...

Parecia o melhor começo possível, mas o penalty falhado e o erro do Helton levaram-nos à desvantagem no marcador.

Apesar de tudo, conseguimos recuperar (a confiança?) e o nível de jogo a pouco e pouco e não demorou a surgir resposta, com um excelente golo do Hulk. O resto foi... Magia! James Rodríguez é craque, e a continuar assim não deverá - infelizmente - ficar muito mais tempo no Dragão.

No final dos 90' minutos acabámos por conseguir a vitória, depois dum período em que sofremos por não estarmos a ganhar por mais.

Foi, afinal de contas, um bom resultado, e o que interessa são os três pontos!

Um abraço

Armando Pinto disse...

Felizmente correu bem, com a equipa a mostrar ter já assimilado a mística clubista e a postura de saber estar nas grandes competições. Faltou apenas o 3º golo para tranquilizar a malta, mas como mais vale um pássaro na mão... também está bem assim. Aliás está muito bem, tendo acabado bem.

TertúliaPortista disse...

Oi amigo. Foi um jogo que correu bem apesar de tudo,fica a vitória e ganhar é importante.
Saudações Portistas
Muito sucesso!
Melhores cumpriemntos
http://tertuliaportista.blogspot.com/igsne