segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Honrem esta camisola

Amanhã o FC Porto parte para Manchester ainda com a esperança de poder continuar na Liga Europa, a prova que é o actual detentor do troféu, a prova que surge agora depois da eliminação precoce e constrangedora da Champions.

Depois do péssimo resultado no Dragão e de uma exibição onde não foi capaz de aguentar mais do que 45 minutos a jogar futebol, o cenário não é de facto o mais optimista para todos os Portistas. O resultado por vezes não demonstra a real capacidade das equipas, mas o que aconteceu no Dragão demonstrou claramente uma abismal diferença no ponto de vista físico e anímico de ambas as equipas.

A juntar às deficiências físicas esteve também um conjunto de jogadores que estiveram num nível exibicional constrangedor quase roçando a vontade própria em não querer fazer mais.

Por tudo isto, o FC Porto perdeu, mas o resultado não é impossível de virar. Para além dos golos necessários é preciso uma disponibilidade e concentração totalmente diferente da que existiu no Dragão.

Será que Vítor Pereira e os seus jogadores estão preparados?

A ver pela forma como se exibiram em Setúbal, o objectivo Liga Europa está presente como algo ainda possível de alcançar. Vítor Pereira geriu o esforço dos jogadores praticamente no limite e não será por limitação física que não teremos um FC Porto no seu melhor.

Aliás, esta é uma questão cultural. O futebol Português continua com maus hábitos, um jogo semanalmente, pausa de 2 semanas no Natal, recentemente reduziu-se em 4 jornadas a Liga, entre outras, e quando surge uma ou duas semanas com jogos de 3 em 3 dias é a desculpa habitual do esforço físico.

No futebol moderno, cada vez mais a questão física é fundamental. Até podemos ter técnica, mas se o adversário corre mais, pressiona mais, dificilmente se ganhará jogos.

Com apenas 17 jogadores disponíveis do plantel principal, Vítor Pereira não tem grande capacidade de escolha. Este é outro dos problemas de quem quer ser competitivo a nível nacional e internacional. O exemplo do Manchester City não pode ser aqui apresentado, pois meia dúzia de jogadores ganham mais do que todo o plantel do FC Porto, mas existe sem dúvida uma escassez de opções para a Liga Europa, tendo até saído já este mês Souza e quando se fala em Cristian Rodriguez poder também sair.

Mas será com estes jogadores que Vítor Pereira terá que motivar e definir uma estratégia para levar de vencida o adversário e consequentemente a eliminatória. A chamada do juvenil Tomás é a grande novidade, mas pelas referências que existem, é um jogador de topo que certamente no próximo ano até o poderemos ver na Equipa B.

Lista de convocados: Helton, Lucho González, Maicon, João Moutinho, Cristian Rodríguez, Kléber, Hulk, Rolando, Varela, James Rodríguez, Djalma, Sapunaru, Fernando, Alex Sandro, Otamendi, Bracali, Defour e Tomás Podstawski.

Não foi pela exibição do Manchester que se pode dizer que não temos hipoteses de seguir em frente. O adversário foi forte fisicamente mas poucomais. Aproveitou um auto-golo e uma perda de bola para marcar os dois golos e aproveitou a inexistência do FC Porto na segunda parte.

Se depois de amanhã o FC Porto conseguir estar concentrado e correr como correu todo o jogo frente ao Vitória de Guimarães no Dragão, então temos condições para discutir a eliminatória. Vai ser necessário um meio campo forte que liberte um do jogadores para tarefas ofensivas. Foi isso que Vítor Pereira tentou no Dragão, ao colocar Moutinho junto a Fernando, mas sem uma referencia atacante foi complicado produzir jogo ofensivo de qualidade.

Já é tempo de Vítor Pereira mudar o esquema de jogo. O 4X3X3 não funciona este ano para as competições europeias. É tempo de colocar em campo um 4X4X2 que até pode ser interpretado como mais ofensivo do que o 4X3X3, tudo depende da dinâmica que a equipa coloque em campo.

As soluções para este esquema são várias. Tanto pode avançar Defour como até Cristian Rodriguez jogar mais descaído para a esquerda, e com Lucho mais descaído para a direita, ficando Fernando e Moutinho no centro e lá na frente a dupla em melhor forma e que dá mais garantias no momento: Hulk e Varela.

Para além de dar mais equilíbrio à equipa, este esquema e com estes jogadores pode também permitir à equipa mudar o esquema durante o decorrer do jogo, tal como Villas Boas fez em vários jogos e com sucesso, baralhando o adversário nas marcações.

Na defesa Maicon deverá regressar à direita mantendo-se Rolando, Otamendi e Alex Sandro na defesa, sector onde apenas existe mais uma opção que é Sapunaru.

Equipa Provável: Helton, Maicon, Rolando, Otamendi e Alex Sandro, Fernando, Moutinho, Lucho e Cristian Rodriguez, Hulk e Varela.

Mas o mais importante é de facto estar no espírito de todos a vontade de vencer, a vontade que todos demonstraram frente ao Shakhtar e que conseguiram o resultado que todos nós ambicionamos obter em Manchester.

O jogo tem hora marcada para as 17h00, com transmissão na SportTv 1.

Honrem esta camisola.

Forçar Porto.
Ricardo Jorge

4 comentários:

Dragus Invictus disse...

Boa tarde,

Temos de ser realistas. Vai ser muito difícil a reviravolta na eliminatória.
Para conseguir a reviravolta teríamos de ser manhosos, inteligentes, concentrados, algo que nesta época tem faltado nos momentos decisivos.
Teria de existir uma má noite do City, e nós termos a sorte do jogo.

Todavia os nossos jogadores devem honrar a camisola, e estou ciente de que o farão.
Temos de lutar pelo resultado e mostrar uma imagem positiva na competição.
A razão diz-me que não conseguiremos, o coração quer acreditar que sim.

Abraço e bom carnaval

Paulo

dragao vila pouca disse...

Missão impossível?
Teoricamente sim - o City é uma excelente equipa, lidera isolado a Premier League; joga em casa; tem vantagem no marcador; o F.C.Porto nunca ganhou em Inglaterra -, mas na prática vamos ver - o Dragão já nos habitou a grandes feitos, às mais surpreendentes surpresas. Agora há uma coisa que não tenho dívidas: só um Porto a roçar a perfeição, jogando a um nível que raramente conseguiu esta época, pode conseguir um feito em Manchester. Seremos capazes, mais uma vez, de deixar o mundo do futebol espantado? A razão manda-me dizer que não, o coração que sim e como o coração só tem uma cor, azul e branco - parafraseando o João Pinto -, porque devo contrariá-lo, se já me pregou grandes surpresas? Olhem, na época passada e num certo jogo... nem preciso de dizer qual...

Abraço

P. Ungaro disse...

Boas,

Relativamente ao jogo tenho duas sensações ... a cerebral e a visceral ... quanto a cerebral tenho consequência que será um jogo extremamente dificil e só um porto a "Top" poderá marcar dois ou três golos sem sofrer nenhum ... quanto a visceral acredito que é possivel como sempre ... para isso a defesa tem que estar concentradissima, Fernando tem que ser o nosso polvo, Lucho e Moutinho ao seu melhor nivel, Hulk tem que fazer o que melhor sabe e o treinador não pode inventar ... com estes argumentos aí sim podemos levar de vencido o M. City ...

Um abraço

http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com/

Artigosonline/ana disse...

Boas,
Vai ser um jogo difícil, o FC Porto tem uma tarefa praticamente impossível. Isto é o que me diz a razão. Depois o coração diz-me que nunca devemos desistir sem antes lutar. Por isso, acreditando sem acreditar vou apoiar e no final logo se vê quem vence: o coração ou a razão.

Força FC Porto!

Cumprimentos

Ana Andrade

www.portistaacemporcento.blogspot.com
www.artigosonlineanaandrade.blogspot.com