domingo, 11 de março de 2012

Uma equipa bipolar?

Capa do Jornal "O Jogo"
O FC Porto recebeu hoje a Académica em jogo relativo à 22ª jornada da Liga Zon Sagres e não foi além de um sofrido empate. Após uma exibição de campeão frente ao Benfica no Estádio da Luz, a equipa de Vítor Pereira voltou a entrar em campo sem brilho, sem ambição, sem ritmo, sem espírito de campeão.

Com James a titular, o onze eleito por Vítor Pereira nada tem que se lhe possa apontar. Por esse motivo, não se compreende como uma equipa pode mudar tanto em tão curto espaço de tempo... Será algum transtorno de personalidade? Quem vem dar explicações?

Bem, quanto ao jogo propriamente dito, da primeira parte pouco há a dizer... A equipa entrou lenta, previsível, pouco esforçada, com movimentações denunciadas, a  cometer muitos erros no passe, e sem pressionar devidamente. Enfim, uma exibição de dar sono, e que constitui, segundo o meu ponto de vista, um desrespeito para quem se deslocou ao Estádio do Dragão neste Sábado para assistir a um jogo de futebol... O resultado desta postura, foi o golo sofrido aos 39 minutos, pela cabeça do Edinho.

A perder, o FC Porto viu-se obrigado a adoptar outra postura, aumentando a pressão sobre os jogadores da Académica, e a velocidade do seu jogo. Vítor Pereira arriscou tanto quanto possível, tirando Sapunaru e colocando Djalma no corredor direito, e tirou Rolando (que reagiu muito mal à substituição), que deu lugar a Kléber que se posicionou ao lado de Janko.
A verdade é que o aumento de pressão originou várias ocasiões para golo, criadas ora por Hulk, ora por James, com especial nota para o livre cobrado por Moutinho aos 67 minutos que levou a bola à barra. Mas só após os 90 minutos o FC Porto foi capaz de anular a vantagem da Briosa, através de uma grande penalidade correctamente assinalada e convertida por Hulk.

Mérito para a organização da Académica, que facilmente conseguiu anular o FC Porto durante a primeira parte, chegando à vantagem, e lhe dificultou e muito a vida durante a segunda parte, conseguindo impedir que o FC Porto igualasse o marcador, coisa que só aconteceu já depois dos 90 minutos regulamentares.





Quanto ao FC Porto, Hulk foi o operador da revolta azul e branca na segunda parte, saindo dos seus pés a maior parte das oportunidades para marcar golo, e tendo saído injustiçado por um amarelo por alegada simulação, num lance em que me parece que há mesmo grande penalidade, o que o leva a ficar de fora do próximo jogo. James, por outro lado, voltou a não aproveitar a titularidade para mostrar mais de si. Parece que o colombiano só sabe ser decisivo quando sai do banco.

Não se compreende, volto a repetir, como pode o FC Porto fazer duas exibições tão diferentes num espaço de uma semana??
É preciso estar em desvantagem no marcador, em casa, frente ao seu público, para se colocarem a jogar futebol e tentar correr atrás do prejuízo? 
Não teria sido mais fácil de tivessem começado a fazer o seu jogo desde o primeiro minuto? 
Vítor Pereira disse que não existimos durante a primeira parte. Ora há que apurar porque é que isto acontece, quem são os responsáveis... Atirar a culpa para o treinador não é sensato. 
O problema vai muito além disso... A atitude de relaxamento dos jogadores na primeira parte revela falta de profissionalismo, a atitude que Rolando teve ao ser substituído mostra que algo se passa. Estávamos em primeiro, com uma vantagem de 3 pontos, após uma grande exibição na Luz, e agora corremos o risco de ver essa vantagem reduzida a apenas um ponto, colocando a conquista do campeonato em risco, sendo que ainda temos pela frente o Sporting e o Braga.

A consistência necessária dificilmente será alcançada ainda esta época. Não estejamos com ilusões. Ficamos à espera que este transtorno de personalidade de uma equipa que ora joga à campeão, ora se deixa levar pela mediocridade, não nos leve à perda do título de campeão nacional.

Saudações portistas,

Carla Correia

6 comentários:

Mery disse...

Olá, junto com vocês na torcida pelo FC Porto; fico por aqui, ansiosa.
Beijinhos, e que o nosso Porto seja campeão. Muita sorte para nós!
Beijos pra todos daí.
Mery*

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Após termos conquistado a liderança isolada do campeonato diante do grande rival,não era de esperar esta atitude deplorável, revoltante, vergonhosa, sem explicação dos profissionais do FC Porto.

Os adeptos não merecem isto.
Esta equipa não tem estofo de campeão, e como disse à umas jornadas atrás - se este ano vencermos o título... bem esta equipa será alvo de estudo dos académicos do futebol.

Basta comparar a atitude no jogo de ontem do Braga e a nossa para chegarmos à conclusão que estes jogadores não merecem o primeiro lugar.

Revolta-me imenso VP vir à uns jogos para cá dizer que damos a primeira parte ao adversário, algo que todos nós vemos, sem arranjar solução para esta situação.

Esta equipa é bipolar, e deixa os adeptos de nervos em franja.

O público no dragão demonstrou paciência e não foi por falta de apoio que empatamos.
Mesmo havendo um penalti a nosso favor por assinalar, será vergonhoso que nos refugiemos na arbitragem, pois o resultado justo era a vitória da briosa.

Abraço e bom domingo

Paulo

Bruno Rocha disse...

O treinador não tem categoria para treinar o porto... Não basta só a preparação física, a psicológica é muito importante e este treinador não sabe como lidar com os atletas, aliás o texto diz tudo, como é possível uma equipa no espaço de uma semana fazer uma exibição de grande qualidade e outra exibição de tão baixo nível... Motivação é o que falta motivação porque para ganhar ao benfica não é necessária grande motivação por parte do treinador porque os jogadores têm o seu próprio orgulho e fazem tudo para ganhar aos rivais ou candidatos diretos ao titulo.

Rui Anjos (Dragaopentacampeao) disse...

Decididamente O Porto desta época não convence! É uma equipa intermitente, capaz do melhor e do pior. Falta-lhe personalidade e estaleca de campeão.

Desta forma, vai colocar os adeptos com o coração nas mãos. Foi exactamente o que aconteceu na noite de ontem. Equipa com atitude displicente, sem inspiração e sem raça. Os jogadores nucleares estiveram todos em simultânea ausência e quando assim é, pouco ou nada há a fazer.

Se os processos ofensivos foram afectados por esse eclipse, os defensivos não dispensaram as abébias habituais, com Rolando como principal responsável pelo golo sofrido.

Enfim, quem assim joga não pode aspirar a ser campeão.

Depois de alguma esperança, renascida na semana passada, a desconfiança volta a pairar.

Esta equipa é imprópria para cardíacos.

Um abraço

Dragaoatento disse...

Off the topic: (no meu blog)

Futebol: Treinador com prestígio precisa-se no FC Porto

FC Porto, sempre!

Dragus Invictus disse...

Comentário enviado por e-mail.

"Os meus mais de quarenta anos de associado, somados aos restantes fazem de mim um Portista pleno.
Para além dos jogos em si, aprecio tudo aquilo que um treinador possa fazer com as ferramentas ao dispor.
Lamento a falta de convicções que podem levar um responsável técnico a deixar-se embalar nas opiniões debitadas por este ou aquele.
Dispondo o F.C.P. de um único desequilibrador de jogo (James) colocá-lo a titular é o mesmo que um jogador de sueca e na posse de um jogo fraco iniciar a partida ao "destrunfe".
Começa com tudo e acaba sem nada.
Recorde-se que com James a titular o saldo é porventura pouco ou nada positivo.
Com as melhores saudações portistas e ciente de que para o ano mais um abraço do
Guilherme Olaio "