domingo, 24 de julho de 2011

Desfile do Dragão ao ritmo do samba…

Está oficialmente apresentado o plantel do FC Porto para a época 2011/2012.

Longe vai o tempo em que surgiam novidades pelos micros e eis que surgia um novo jogador a correr para o centro do relvado. Mas é certo que também poucos acreditavam em mais novidades para esta noite até porque a estes 26 jogadores oficialmente apresentados, ainda existem 8 por confirmar a presença no plantel desta nova época, ou seja, 34 jogadores que deverá ser reduzido para 25.

Mas convém referir que o facto de estes jogadores terem sido oficialmente apresentados não significa que não possa existir saídas até final de Agosto. Quem não se lembra das últimas épocas, sobretudo os casos Quaresma, Bruno Alves e Raul Meireles? Pois é, precisamente para evitar estas situações é que começo a acreditar que este plantel será mais longo do que o inicialmente previsto e só ficará definido perto do fecho do mercado, isto tudo porque as famosas cláusulas de rescisão não possuem uma data limite para poderem ser exercidas.

Com um Dragão quase cheio (o ano passado no jogo com o Ajax, que nem apresentação foi teve melhor assistência) foi possível assistir à luz do dia a um agradável convívio, coreografias já mais ou menos esperadas, mas com a novidade de a direcção ter permitido a alguns associados assistirem de mais de perto à festa. Prémio pela assiduidade da época passada.

Quanto ao jogo, o momento mais esperado pelos associados, não foi de facto um grande jogo, um ritmo muito baixo e sem grandes momentos de inspiração individual ou colectiva. O adversário, com uma postura muito defensiva, não ajudou mas ainda assim, foi possível ver um FC Porto à imagem do ano passado: Autoritário e dominador.
Victor Pereira escolheu o onze mais esperado por todos, talvez as entradas de Souza e Maicon não estivessem nas cogitações de muitos, mas também é um facto, que Maicon sobressaiu no estágio e com a pequena mazela de Fernando acabou por ser natural estas escolhas.

E olhando para o onze inicial, tal como o ano passado com João Moutinho, o FC Porto apresentou apenas 1 unidade nova – Kléber. Acreditando que não haverão saídas com grande impacto o FC Porto, mantendo esta estrutura base tem tudo para renovar os títulos conquistados na época passada.

A primeira parte começou com algum fulgor do FC Porto, com um ritmo interessante mas começou a decair até surgir o intervalo. Para além do golo de Kléber com a ajuda do defesa Uruguaio, Kléber que mostrou muita actividade no ataque, o FC Porto desenvolveu alguns lances interessantes que suscitaram os aplausos do público. Mas as oportunidades de golo escassearam, muito por culpa da ausência de penetrações pelas alas. Neste capítulo, quer Hulk, quer Varela estiveram algo apagados.

A segunda parte foi algo semelhante à primeira tendo tido os principais focos de interesse os 2 golos e as várias substituições ocorridas que permitiram aos sócios verem mais alguns jogadores a actuarem. Hulk esteve mais activo na segunda parte, conseguindo efectuar mais desequilíbrios do que na primeira parte. Um deles resultou numa falta que o mesmo viria a converter através de uma grande penalidade, animando um pouco as bancadas.

E já perto do final, aquele jogador que provavelmente pela sua idade e irreverência suscitava mais atenção, acabou por ter o seu momento, nos escassos minutos em campo. Kelvin desequilibrou pela esquerda, como tanto gosta, e cruzou para, com alguma confusão, Walter rematar em rotação para o 3º da noite.

O FC Porto fechou o jogo com um resultado mais composto apesar de ter sido um jogo muito calmo, calmo demais, mas entende-se que o FC Porto ainda nem 1 mês de treinos tem e ao comparar com os mais directos adversários então devemos estar todos muito optimistas, até porque apesar de não termos defrontado uma equipa de renome, como por exemplo a Juventus, também não defrontámos uma equipa que o peso das camisolas era bem mais significativo do que o peso da qualidade dos seus jogadores.



Quanto aos destaques deste jogo, defensivamente a estrutura e a qualidade continua, Fucile com menos tempo de jogo continua a mostrar bons apontamentos, os centrais seguros e Helton continua em muito boa forma a jogar fora dos postes! No meio campo, talvez o sector mais forte desta equipa, continua com muita qualidade, quer a defender quer a organizar o jogo, se bem que nesta noite, a organização ofensiva está ainda por olear. Faltou claramente os remates de Guarin e um Belluschi com mais minutos nas pernas. No ataque, apesar de já ter marcado muitos golos nestes jogos, as alas não estão ainda em grande forma. Hulk já mostra muito bons apontamentos, mas Varela e Djalma continuam num ritmo muito abaixo. Na área, Kléber tem sido uma das grandes surpresas, pelos golos marcados e pela movimentação que faz junto da área.
Relativamente aos jogadores que entraram no decorrer do jogo, destaque para André Castro, novamente muito activo no meio campo, Kelvin, pelo momento de inspiração que resultou em golo e Walter que aproveitou uma boa oportunidade e não falhou.
Individualmente no que diz respeito aos reforços, Kléber é o que se tem destacado mais, parte em vantagem por conhecer o campeonato mas também tem mostrado mérito nas movimentações de área. Nos casos de Bracali e Castro são reforços com qualidade para ter em conta, já no caso de Djalma é talvez o reforço que se esperaria um pouco mais. Não se tem adaptado a jogar mais na linha e talvez possa vir a ter algumas dificuldades quando o FC Porto tiver ao seu dispor James e o tão esperado Iturbe. Quanto aos mais novos, Kelvin faz jus à sua idade e lá tem mostrado o seu perfume a jogar futebol, sendo provável que seja emprestado, tal como David Bruno, Addy e Atsu.

Para a próxima semana o FC Porto realiza o último jogo de preparação antes do primeiro jogo oficial da época. Será frente ao Lyon e provavelmente, esta semana que vai entrar, trará algumas novidades relativamente à definição final do plantel.

Com o fim da Copa América, onde o Uruguai venceu com todo mérito, são esperados para breve os regressos de Alvaro Pereira e Cristian Rodriguez, que continuam incertos no plantel dadas as noticias que vão correndo. São esperados já no final da próxima semana, Guarin e Falcão, o primeiro que voltou a surgir na comunicação social e o segundo que há já algum tempo que não anda na boca do mundo.

Ficarão a faltar, salvo novas contratações, James Rodriguez, Iturbe, Alex Sandro todos que vão iniciar o Mundial de Sub-20 já no próximo fim-de-semana e Danilo que fará parte deste plantel apenas em Dezembro.

Importante não esquecer que o FC Porto precisa de inscrever, dos 25 para a Uefa e dos 27 para a Liga, 8 jogadores Portugueses e no caso da Uefa, desses 8, 4 da formação. Trata-se de algo preocupante, quando é um facto que dos 7 reforços, 7 são estrangeiros.

Ultima nota para um jogador do Uruguai, há muito que falo dele, felizmente há 1 mês atrás começaram a surgir notícias do interesse do FC Porto, que com 20 anos foi titular nesta conquista do Uruguai, falo de Sebastian Coates, que será muito brevemente um dos melhores centrais do mundo. É certo que não fará muito sentido mantendo os actuais centrais que o FC Porto tem mas… é um grande jogador, tal como Edwin Cardona, um Colombiano, que ficou de fora do Mundial de Sub-20, mas que é um grande jogador e que encaixava num futuro próximo neste FC Porto.

Força Porto. Estamos no caminho certo.

Ricardo Jorge

6 comentários:

dragao vila pouca disse...

Na apresentação aos seus adeptos que compareceram em muito bom número, uma exibição simpática do F.C.Porto. Melhor na segunda que na primeira-parte, um Porto a meio gás, chegou e sobrou para dominar e ganhar, naturalmente, a um Peñarol fraquinho, incipiente, incapaz de causar o mínimo problema ao Campeão.

Foi um jogo típico de pré-época, com algumas desconcentrações, facilitismos, excessos e individualismos, principalmente após o primeiro golo e até ao intervalo. Melhorou o Dragão na segunda metade, em que foi mais rápido, esclarecido e acabou muito bem, com os jovens Castro, Kelvin, Djalma, principalmente estes três, a tentarem e a conseguirem mostrar serviço. Serviço mostrou também Kléber, um ponta-de-lança como gosto, rápido, versátil, bom de bola e que aparece bem a finalizar, embora tenha de afinar a pontaria. Se nos lembrarmos que faltaram Falcao, Guarín, James, Álvaro, Danilo, Alex Sandro e Iturbe, por compromissos com as selecções e Fernando por estar lesionado?, temos de concluir que temos um plantel muito bom e gente de qualidade para formar uma excelente equipa. Se não vier por aí nenhum terramoto que nos leve dois ou três jogadores do núcleo duro, em 2011/2012 o Campeão será fortíssimo e as expectativas elevadas.

Gostei do Kelvin, tem pormenores deliciosos e um grande talento, mas calma, foi apenas um jogo e frente a uma equipa fraca. Aguardemos os próximos capítulos, jogos com maior grau de dificuldade, para fazermos um melhor juízo de valor. Será que com James, Djalma, Hulk, Varela, Iturbe e não sei se com C.Rodríguez, para as alas, o melhor para ele é ficar no plantel?

Abraço

Dragus Invictus disse...

Bom dia,

Ontem tivemos um jogo típico de apresentação, com alguns momentos de bons pormenores técnicos e jogadas bem gizadas e outras de alguma trapalhada.

O que fica é a festa que se fez no Dragão com excelente casa, e uma equipa que mantendo princípios de jogo da época passada, acrescentou outros que me agradam, como a agressividade e pressing alto, aliás foram inúmeras as vezes que com sucesso colocamos os jogadores do Peñarol em fora de jogo, fruto da defesa mais subida.
Gostei de Ruben e Moutinho no meio campo. Souza esteve melhor que nos passados desafios, mas entre ele e Castro continuo a optar pela permanência de Castro. No centro da defesa mantemos segurança bem como nas laterais.
Varela e Hulk são uns desequilibradores, e Kelvin está a demonstrar ser uma excelente alternativa a Falcao.
Walter que ontem teve momento de trapalhão poderá ser dispensado, apesar de continuar a facturar.
Vítor Pereira vai ter uma boa dor de cabeça para definir o plantel.
Ontem Castro e Kelvin mais uma vez demonstraram que tem lugar no plantel. Mas uma coisa é ter lugar, outra é ir jogando muito pouco.
Existem uns que defendem que se deve optar pelo empréstimo, e outros que defendem que a permanência ajuda este jogadores a evoluir ainda mais, pois treinam como os melhores. Pessoalmente, penso que a saírem por empréstimo tem de sair para jogar, e assim evoluir. Não pode acontecer o que se passou com Sérgio Oliveira na época passada.

A nossa equipa técnica tomará as melhores decisões tendo em conta os interesses do clube, e o futuro dos atletas, que para muitos só será muito perto do fecho das inscrições, fruto da participação de nossas atletas importantes na Copa América.

Abraço e boa semana

Paulo

P. Ungaro disse...

Boas ,

Foi uma exibição agradavel, fundamentalmente na 2ª parte na qual os passes começaram a sair mais acertados. Alguns pormenores interessantes das novas aquisições e com Varela a voltar ao nivel que nos habituou na primeira parte da epoca passada.
O que mais me agrada é que temos um ponta de lança com capacidade para substituir Falcao, tem muito que aprender no entanto é um jogador de equipa, vem receber a trás, procura os espaços vazios, e fundamentalmente movimenta-se muito bem.

Um abraço

http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com

100% Dragão disse...

Boa tarde

Em dia de apresentação, como esperado não houve qualquer surpresa, todos os jogadores que participaram na pré-época foram apresentados.

O jogo foi contra os Uruguaios do Peñarol, a fazer lembrar a final ganha da taça intercontinental em 87.

O 11 inicial sem surpresas tendo em contra as muitas ausências, só Otamendi ficou de fora dos que normalmente serão titular.
O Jogo começou para o Porto com o "meio golo" do Kleber, mas contra uma equipa que apenas defendeu o Porto não demonstrou muita imaginação para entrar na defesa adversaria, pouca velocidade, alguns passes errados e um meio campo que não funcionou.

Na segunda parte, o jogo continuou igual, como sempre muitas substituições, trouxeram mais velocidade ao jogo, Hulk sofreu e marcou o penalti que deu o segundo golo a nossa equipa. O melhor ficou para o fim com a jogada do terceiro golo, Kelvin que respira talento, entrou pelo lado esquerdo trocou os olhos a um adversário e deu o golo ao Atsu que ao falhar permitiu uma excelente finalização do Walter.

Os pontos mais positivos do jogo foi a forma como o Porto pressionou e jogou alto no terreno, e como acontecia no ano passado muita posse de bola. Gostei mais uma vez o Kleber que é o reforço que mais se tem destacado.

Não gostei do meio campo, principalmente na primeira parte, Moutinho esteve discreto, Souza jogou bem mas sempre com um ritmo baixo, melhorou na segunda parte e o Ruben que continua a desperdiçar oportunidades para mostrar o seu valor, muito displicente.


Conclusão: Não foi um "jogão" mas foi o suficiente para uma vitoria justa e clara de 3 a 0. Lembrar que estamos na pré-época e que ainda faltam muitos jogadores importantes.

Abraço

http://100porcentodragao.blogs.sapo.pt/

Gaspar Lança disse...

Apesar de não termos observado todos os jogadores (e confesso que quero muito ver o Iturbe, em especial, jogar com a nossa camisola!), gostei do que vi; tem sido uma pré-época no mínimo positiva, onde podemos observar bons pormenores dos novos reforços e dos 'da casa'.

Espero que a invencibilidade - apesar de, na pré-época, pouco ou nada significar - se mantenha e que façamos um bom jogo frente ao Lyon. Depois é entrar em grande com a conqusita da(s) supertaça(s)!

Um abraço

Artigosonline/ana disse...

Boas,
Não sabemos se esta época vai ser de sonho como a anterior, mas de uma coisa eu, pelo menos, tenho a certeza, equipa para sonhar temos, é preciso é por os pés no chão.
E que saudades dos jogos no Dragão! Não vi o jogo todo, mas gostei do que vi. Num jogo que apelava à memória; não só para recuar ao FC Porto Peñarol de Tóquio, o jogo disputado na neve; mas também apelava à memória dos jogos da época passada, com o brilho dos reforços para esta época. Três jogadores brasileiros deixaram a sua marca neste jogo, primeiro Kleber voltou a marcar, activou o marcador no primeiro tempo. No segundo tempo Hulk ampliou-o, na transformação de uma grande penalidade, que o mesmo sofreu. E para finalizar, Walter fixou o resultado nos 3 – 0.
O FC Porto está a caminhar a bom ritmo em direcção às competições, é certo que a máquina ainda precisa de uns acertos, mas está lá a filosofia de jogo.

Cumprimentos

Ana Andrade

www.portistaacemporcento.blogspot.com
www.artigosonlineanaandrade.blogspot.com